A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
PROTEÍNAS PLASMÁTICAS

Pré-visualização | Página 1 de 1

Júlia Corrêa - 2025.2
 Bioquímica -Charbell
 1º período
PROTEÍNAS PLASMÁTICAS
 1) INTRODUÇÃO
São um grupo especializado de proteínas, que constituem a parte sólida
do plasma.
A grande maioria das proteínas plasmáticas são sintetizadas no fígado,
com exceção da gamaglobulina ou anticorpos que são fabricadas por
plasmócitos.
Exame básico para avaliar as proteínas plasmáticas de maneira geral:
Proteínas totais e frações. Esse exame mostra a presença da albumina
e gamaglobulina.
2) ELETROFORESE
Método de separação das proteínas plasmáticas.
Análise mais detalhada das proteínas plasmáticas.
Esse exame é feito através de um aparelho de eletroforese, onde é coloca-
do uma fração do plasma sanguíneo.
O exame consiste em aplicar a amostra do soro em um meio sólido e
submetê-la a um potencial elétrico. As proteínas percorrem distâncias
diferentes, formando bandas denominadas: albumina, alfa-1-globulina,
alfa-2-globulina, betaglobulina e gamaglobulina. Essas bandas são,
em seguida, quantificadas. Observa-se diminuição da concentração de
albumina em situações que promovam sua perda, baixa ingesta protéica
ou elevado catabolismo. As frações alfaglobulinas apresentam níveis au-
mentados em processos inflamatórios, infecciosos e imunes.
Júlia Corrêa - 2025.2
 Bioquímica -Charbell
 1º período
3) PROTEÍNAS PLASMÁTICAS IMPORTANTES
PRÉ-ALBUMINA
Só aparece em eletroforeses mais complexas e fica à esquerda da albu-
mina.
Também pode ser chamada de Transtirretina, a pré-albumina tem várias
funções, como a ligação do retinol (precursor alcoolico da Vitamina A)
com uma alfa-1-globulina. Se não houver essa ligação com a pré-albumi-
na, o complexo fica muito pequeno sendo entao facilmente eliminado na
urina.
A pré-albumina também se liga a Tiroxina (T4).
ALBUMINA
É a mais importante das proteínas plasmáticas.
Funções
- Função principal: estabelecer um equilíbrio osmótico dentro do nosso
plasma sanguíneo. Essa proteína atua especificamente regulando a pres-
são oncótica (mantém o plasma dentro do sangue). Quando esta sub-
stância está em falta, o líquido do plasma vaza para o espaço intersticial
(espaço entre uma célula e outra) o que pode gerar sobrecarga dos rins,
além de causar inchaço, edemas devido a esse líquido preso no espaço
entre as células (sintoma característico da doença Kwashiorkor).
- Carrear bilirrubina(hemácias velhas), ácidos graxos, zinco, cobre.
- O alto consumo de alcool diminui os níveis de albumina, pois se hou-
ver lesão hepática não haverá produção de albumina.
Falha na produção de albumina: causa a doença denominada Kwashior-
kor.
ALFA-1-GLOBULINAS
Constituem-se de alfa 1 antitripsina e alfa-1 glicoproteína ácida, Apoli-
poproteínas e alfa-1 Microglobulina.
Þ Alfa-1-tripsina ou alfa-1-proteinase
Trata-se de uma proteína que evita que as proteases (enzimas que hidro-
lisam proteínas) ivadam o plasma e hidrolisem as proteínas plasmáticas.
Atua também caso o organismo produza enzimas como elastase e colage-
nase, inativando os sítios ativos dessas enzimas.
Quando a pessoa fuma, a metionina da alfa-1-antitripsinase torna sulfó-
xido de metionina e perde sua função, causando então o remodelamento
pulmonar(enfisema)
Þ Alfa-1-glicoproteína ácida
Júlia Corrêa - 2025.2
 Bioquímica -Charbell
 1º período
Ainda não se sabe seu papel.
Þ Apolipoproteína A
Exemplo de carreador de lipídios em água.
Þ Alfa-1-Microglobulina
Função de antiproteases
ALFA-1
Þ Alfa-1 Quimiotripsina
É também uma proteína anti protease.
Þ Globulina ligante da Tiroxina
Carreia a Tiroxina
Þ Ceruloplasmina
- Antes achava-se que ela carreava cobre. Entretanto, hoje sabe-se que
ela possui papel enzimático na conversão de Fe++ em Fe++++ para ser
carreado pela transferrina.
Þ DOENÇA DE WILSON
Doença autossômica recessiva.
Ocorre devido uma mutação no gene situado no cromossomo que codifi-
ca proteína ceruplasmina.
A ligação do cobre com o seu transportador ceruloplasmina fica compro-
metida, acarretando baixas concentrações de cobre no plasma e muito
nos hepatócitos.
Em consequência desse efeito, há deposição anormal de cobre nos teci-
dos, em particular no fígado, encéfalo e córnea.
Diagnóstico: dosagem de ceruloplasmina, eletroforese de proteínas, exa-
me de fundo de olho (presença de anéis pretos ao redor do olho) ou bióp-
sia de fígado (o fígado entra em cirrose)
Tratamento: o objetivo do tratamento é diminuir os estoques de cobre no
organismo. Desta maneira, o uso de quelantes de cobre (como penicila-
mina, que aumenta a excreção urinária de cobre) e suplementação oral
com altas doses de zinco são estratégias importantes na doença de Wil-
son. O zinco evita a absorção do cobre pelo intestino e aumenta a fração
de cobre eliminada.Também pode ser realizado como tratamento o trans-
plante hepático.
Þ Transcortina
Transporta o cortisol, hormônio importante para a inflamação e como hi-
perglicemiante.
ALFA-2-GLOBULINAS
Júlia Corrêa - 2025.2
 Bioquímica -Charbell
 1º período
Þ Alfa-2-macroglobulina
Papel antiprotease.
Þ Haptoglobina
Possui a função de receber a hemoglobina que saiu da hemácia, evitan-
do que a hemoglobina entre no parênquima renal e o lese, assim como
no aproveitamento do ferro da dieta.
As mulheres menstruadas perdem mais ferro e além disso, quando ocor-
re hemólise (destruição prematura de hemácias), a haptoglobina diminui
pois aumenta o complexo Hapto-Hb.
BETA-1-GLOBULINAS
Þ Transferina
Carreia o Fe³+ pela cerulolasmina.
Þ Ligante dos hormônios sexuais
Carreia androgênios (testosterona e outros androgênicos) e estrogênios
femininos, cujo mais importante é o estradiol 17.
Þ Apolipoproteína B
Carreia lipídios pelo corpo.
B-2-GLOBULINAS
Þ Fibrinogênio
Fator de coagulação.
Þ B-2-Microglobulina
Antiprotease.
INTER BETA E GAMA
Þ Imunoglobulina G.A
Anticorpos, protegem contra processos infecciosos.
Þ PCR
Trata-se de uma proteína de fase aguda, aumentando quando há infec-
ção como cânceres.
4) MIELOMA MÚLTIPLO
É a gamopatia monoclonal.
No exame e gamaglobulina vai aparecer bem mais alta que o normal.
Produção exagerada de anticorpos alterados, que vão destruir e enfra-
quecer os ossos.