A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
231 pág.
Citologia - Questões - Landim

Pré-visualização | Página 6 de 50

permite visualizar estruturas que o 
microscópio óptico não visualiza. Estruturas como 
parede celular, núcleo, cloroplastos e vacúolos são 
visíveis tanto ao microscópio óptico quanto ao 
eletrônico. Usando corantes específicos, estruturas 
como cromossomos, nucléolos e mitocôndrias são 
visíveis tanto ao microscópio óptico quanto ao 
eletrônico. Estruturas como membrana plasmática, 
complexo de Golgi, lisossomos e ribossomos são 
visíveis apenas ao microscópio eletrônico, mas não ao 
microscópio óptico. Assim, podem ser observados em 
células vivas, não coradas, examinadas ao microscópio 
óptico, cloroplastos, vacúolos e núcleo. 
 
 
 
13 
 
Questão 25: C 
 
Comentário: O microscópio eletrônico ou microscópio 
de elétrons (ME) foi desenvolvido na década de 1930 
para fins militares e usa feixes de elétrons e campos 
magnéticos gerados por bobinas (“lentes magnéticas”) 
para promover aumentos muito maiores, de até 300 
mil vezes. A partir de 1950, foram desenvolvidas 
técnicas que possibilitam o uso biológico do mesmo, 
através da preparação de lâminas semelhante à 
inclusão, uma vez que o material a ser observado deve 
ser cortado em fatias extremamente finas e corado 
com corantes elétron-densas a base de chumbo ou 
ósmio, na técnica de transmissão (SEM), ou coberto em 
sua superfície com uma camada de substâncias 
elétron-densas como ouro, na técnica de varredura 
(TEM). Assim, como a figura da questão representa a 
estrutura interna da célula, pode-se afirmar que 
representa célula vista ao microscópio eletrônico de 
transmissão, com as técnicas disponíveis desde 1950. 
 
Questão 26: C 
 
Comentário: Analisando cada item: 
1º item: verdadeiro: O microscópio óptico composto 
utiliza feixes de luz e lentes para ampliar a imagem, 
apresentando duas lentes para isso, sendo a lente mais 
próxima do olho do observador denominada ocular e a 
lente mais próxima do objeto de estudo denominada 
objetiva. Uma terceira lente, chamada condensadora, 
ajuda a concentrar a luz sobre o objeto de estudo. 
Observe a fgura abaixo: 
 
 
 
A: lente ocular; 
B: filtro de luz; 
C: lente objetiva; 
D: condensador (para concentrar a luz sobre o objeto 
de estudo); 
E: controle do ajuste do foco; 
F: platina (suporte para o objeto de estudo); 
G: corpo do microscópio; 
H: base do microscópio. 
2º item: verdadeiro: Na técnica de esfregaço, o 
material biológico é espalhado sobre lâmina de vidro 
para observação ao microscópio óptico, sendo usada 
para materiais biológicos de natureza pouco agregada, 
como ocorre com o sangue. 
3º item: falso: Na técnica de inclusão, o material 
biológico é fixado com formol (formaldeído, e não 
glutaraldeído), e tem sua água substituída por resinas 
ou parafina para que endureça e seja cortado em fatias 
muito delgadas através de um aparelho denominado 
micrótomo, sendo as fatias posteriormente colorizadas 
para a marcação de determinadas estruturas, de modo 
a facilitar sua identificação, como a hematoxilina que 
cora componentes ácidos como DNA e RNA e a eosina 
que cora componentes básicos como muitas proteínas 
citoplasmáticas. 
4º item: verdadeiro: Na centrifugação fracionada ou 
fracionamento celular, o material a ser estudado, como 
uma amostra de tecido, é homogeneizado por 
esmagamento, de modo a romper as membranas 
celulares e dispersar o conteúdo intracelular de todas 
as células num mesmo meio, utilizando-se 
posteriormente centrífugas de laboratório de alta 
velocidade para separar os componentes celulares de 
acordo com sua densidade, sendo que as partículas 
mais densas vão se acumulando no fundo do 
recipiente. Na medida em que aumenta a velocidade 
aplicada ao giro da centrífuga, novos componentes 
celulares vão sendo separados da mistura, permitindo 
a separação dos componentes celulares e o estudo de 
um componente de cada vez. 
5º item: falso: O exame a fresco ou exame vital observa 
células vivas, sendo o material biológico simplesmente 
colocado sobre uma lâmina de vidro e coberto com 
lamínula também de vidro como preparação para a 
observação ao microscópio óptico. A fixação e 
coloração por hematoxilina e eosina ocorre na técnica 
de inclusão. 
 
Questão 27: E 
 
Comentário: Analisando cada item: 
Item A: verdadeiro. O exame a fresco ou exame vital 
observa células vivas, sendo o material biológico 
simplesmente colocado sobre uma lâmina de vidro e 
coberto com lamínula também de vidro como 
preparação para a observação ao microscópio óptico. 
Item B: verdadeiro. Na técnica de esfregaço, o material 
biológico é espalhado sobre lâmina de vidro para 
observação ao microscópio óptico, sendo usada para 
 
14 
 
materiais biológicos de natureza pouco agregada, 
como ocorre com o sangue. 
Item C: verdadeiro. Nos cortes histológicos à mão livre, 
o material biológico é cortado em fatias delgadas para 
observação ao microscópio óptico, sendo usada 
frequentemente para o estudo de tecidos vegetais. 
Item D: verdadeiro. Na técnica de inclusão, o material 
biológico é fixado com formol, e tem sua água 
substituída por resinas ou parafina para que endureça 
e seja cortado em fatias muito delgadas através de um 
aparelho denominado micrótomo, sendo as fatias 
posteriormente colorizadas para a marcação de 
determinadas estruturas, de modo a facilitar sua 
identificação. 
Item E: falso. Corantes vitais são aqueles que podem 
ser usados na observação de estruturas vivas, como 
ocorre no exame a fresco. 
 
Questão 28: C 
 
Comentário: Para preparar estruturas a serem 
visualizadas no microscópio óptico, várias técnicas 
podem ser utilizadas. Em tecidos organizados em 
blocos mais espessos, utiliza-se principalmente uma 
técnica conhecida como inclusão, que só possibilita a 
visualização de tecidos já mortos: 
1. Fixação: Coloca-se o material biológico num fixador 
(como o formol), o que se chama fixação, para impedir 
a ação de bactérias decompositoras sobre o material; 
2. Inclusão: Coloca-se o material em parafina ou resinas 
plásticas, o que se chama inclusão, para endurecê-lo e 
cortá-lo em finas fatias (através de um aparelho 
chamado micrótomo), a fim de que a luz possa 
atravessar o material e a visualização seja possível. 
3. Coloração: Utilizam-se corantes para permitir a 
visualização de estruturas celulares como no método 
HE (a hematoxilina cora estruturas ácidas como o 
núcleo em azul e a eosina cora estruturas básicas como 
o citoplasma em cor de rosa). 
 
Questão 29: D 
 
Comentário: A descoberta da célula é creditada às 
pesquisas do pesquisador inglês Robert Hooke, em 
1655, ao analisar uma fatia de cortiça (tecido suberoso, 
que é formado de células mortas) ao microscópio, a 
presença de uma série de cavidades, correspondendo 
aos arcabouços correspondentes às paredes celulares 
das células mortas. O termo célula diz respeito a uma 
cavidade ou espaço vazio, que foi exatamente o que 
Hooke observou. Em 1838, o botânico alemão Mathias 
Jakob Schleiden postulou que "todos os vegetais são 
formados por células", No ano seguinte, em 1839, o 
zoólogo alemão Theodor Schwann estendeu esta 
afirmação ao postular que "todos os animais são 
formados por células". Juntas, estas duas afirmações 
correspondiam a "todos os seres vivos são formados 
por células". Esta é a premissa básica da chamada 
Teoria Celular. 
 
Questão 30: D 
 
Comentário: A descoberta da célula é creditada às 
pesquisas do pesquisador inglês Robert Hooke, em 
1655, ao analisar uma fatia de cortiça (tecido suberoso, 
que é formado de células mortas) ao microscópio, a 
presença de uma série de cavidades, correspondendo 
aos arcabouços correspondentes às paredes celulares 
das células mortas. O termo célula diz respeito a uma 
cavidade ou espaço vazio, que foi exatamente o que 
Hooke observou. Em 1838, o botânico alemão Mathias 
Jakob Schleiden postulou que "todos os vegetais são 
formados por células", No ano seguinte, em 1839, o 
zoólogo alemão Theodor Schwann estendeu esta 
afirmação ao postular que "todos os animais são 
formados por células". Juntas, estas duas afirmações 
correspondiam