A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Pediatria - roteiro

Pré-visualização | Página 1 de 2

MARIA GABRIELA CALAÇA DE ARAÚJO – PEDIATRIA 
 1 
ANAMNESE 
• Identificação 
• Queixa Principal (QP) 
• História da doença atual (HDA) 
o Início, forma de evolução, medicações (quem indicou? Melhorou?), outras manifestações 
• História patológica pregressa (HPP) 
o Doenças da infância, cirurgias, acidentes, uso habitual de medicamentos 
• História de gestação, parto e nascimento 
o Gestação: mãe (idade, GPAN, pré-natal, DUM, uso na gravidez [fumo, álcool e drogas], intercorrências na 
gravidez, local de nascimento) 
o Parto e nascimento: tipo de parto, idade gestacional [termo, pré-termo, Pós-termo], peso ao nascer, tamanho ao 
nascer, perímetro cefálico, APGAR, testes realizados no RN, tipo sanguíneo, amamentação, alta com quantos 
dias 
• História alimentar 
o Tipo de aleitamento: exclusivo (até quando?), predominante, misto ou parcial, complementado (início da 
alimentação complementar? Quais alimentos?) 
o Alimentação artificial: início? Tipo de leite? Qual a diluição? 
o Alimentação atual: nº de refeições/ dia, detalhar a alimentação 
o Alimentação adequada/inadequada (quais os erros alimentares?) 
• História de desenvolvimento 
o Marcos do DNPM: sorriso social? Sustentou a cabeça? Sentou sem apoio? Engatinhou? Ficou de pé sozinha? 
Andou? 
o Desenvolvimento comportamental: sono (qualitativo/quantitativo), controle esfíncter (vesical, anal), 
agressividade/passividade 
o Adaptação social: emotividade/ hábitos com família e com outras crianças – desempenho escolar 
• História de vacinação 
o Vacinas, complicações (efeitos adversos), cicatriz de BCG, calendários vacinais. SEMPRE CONFERIR A 
VACINAÇÃO NA CADERNETA 
• História familiar 
o Consanguinidade, doenças (HAS, diabetes, asma, arteriosclerose, dislipidemias, IADS, hepatite B) – falar de 
medidas preventivas. Irmãos: idade, estado de saúde, falecidos? Causa do óbito? 
• História social 
o Estrutura familiar: nº de pessoas que trabalham/renda familiar, profissão, instrução dos pais, verificar uso de 
cigarros, drogas, álcool 
o Ambiente: condições de habitação – moradia, nº de cômodos, nº de pessoas que habitam, condições de 
saneamento, animais domésticos 
• Interrogatório sintomatológico: sintomas gerais, pele, anexos, cabeça, olhos, ouvidos, nariz e garganta, sistema 
respiratório, sistema cardiovascular, sistema digestório, sistema genital, extremidades, sistema hemolinfopoiético, sistema 
nervoso, estado psíquico 
EXAME FÍSICO 
ASPECTOS GERAIS 
 
Estado Geral (bom, regular, comprometido ou ruim, saudável ou enfermo), fácies, presença de malformações congênitas, 
biotipo/conformação corpórea, atitude (ativo, hipoativo, atitude passiva, posições características, movimentos significativos), estado 
psíquico (irritado, prostrado, obnubilado, sonolento, comatoso), estado de nutrição e hidratação, coloração da pele e mucosas, 
reação da criança aos pais, acompanhantes e médico, presença de edema. 
 
Completar a ectoscopia com uma inspeção geral da pele, anexos e subcutâneo - Cor: (pigmentação, cianose, palidez, icterícia), 
Vasos sanguíneos: Pulsos, alterações vasculares (telangiectasias, hemangiomas, circulação colateral, púrpura - petéquias e 
MARIA GABRIELA CALAÇA DE ARAÚJO – PEDIATRIA 
 2 
equimoses), erupções, dermografismo, , xantomas, nódulos subcutâneos, turgor e elasticidade, escamação, estrias, cicatrizes, 
estado de hidratação (umidade das mucosas, turgor e elasticidade, fontanelas, enoftalmia), edema, enfisema. Unhas: cianose, 
palidez, pulsação capilar, coloração, estrias, infecção (paroníquia). Cabelos: distribuição, coloração, textura. 
 
SINAIS VITAIS 
• Temperatura, frequência cardíaca, frequência respiratória, pulso, pressão arterial. 
• Incluir também a avaliação da perfusão periférica (deverá ser menor ou igual a dois segundos) e a oximetria de pulso (em 
atendimentos de urgência/emergência) 
 
 
ANTROPOMETRIA 
• Peso: Utilizar balanças pediátricas (tipo “pesa bebê”) até 2 anos de idade (capacidade máxima de 16 Kg). Pesar o bebê 
sem roupa, sem fralda. Após esse limite utilizar a balança “tipo adulto” Pesar a criança maior com o mínimo de roupa 
possível e descalça. 
 
• Comprimento/Altura: para crianças até 1 metro utilizar régua antropométrica graduada com uma extremidade fixa e uma 
móvel. A cabeça da criança deverá ser mantida pela mãe na extremidade fixa. O médico deverá então estender as pernas 
com uma das mãos sobre os joelhos da criança e com a outra mão, guiar a extremidade móvel da régua até a planta dos 
pés em ângulo reto. As crianças maiores de um metro deverão ser medidas em balança antropométrica ou régua vertical, 
na posição ereta, com os calcanhares próximos e a postura vertical alinhada. 
• Perímetro Cefálico: a fita deverá passar pelas partes mais salientes do frontal e do occipital. Essa medida deverá ser 
aferida até dois anos de idade. 
 
• Perímetro Torácico: na altura dos mamilos. Deve ser aferido principalmente no primeiro trimestre de vida ou em caso de 
suspeita de alteração torácica. 
 
• Perímetro Abdominal: na altura da cicatriz umbilical. Tem importância em caso de sobrepeso ou obesidade ou patologia 
que cursam com aumento de volume abdominal 
EXAME FÍSICO SEGMENTAR 
 
• Crânio: posição, couro cabeludo, suturas, fontanelas, conformação anatômica do crânio. 
 
• Face: conformação, paralisias (facial, trigêmeo), glândulas salivares (parótida, submaxilar, sublingual). 
 
• Olhos: esclera, conjuntiva e córnea, exoftalmia, enoftalmia, tensão do globo ocular, estrabismo, movimentos oculares, 
nistagmo, pálpebras (ptose, infecções), pupilas (fotoreatividade, anisocoria), 
 
• Orelhas: anomalias, posição, secreção, sensibilidade, otoscopia (conduto auditivo, membrana auditiva – triângulo 
luminoso, hiperemia, retração, abaulamento), mastóide, audição (função vestibular), 
• Nariz: forma, batimento de asas do nariz, aspectos da mucosa, secreções, epistaxe, septo nasal, pólipos, tumores, seios 
paranasais. 
 
• Boca e Garganta: Palidez perioral. Lábios: (paralisias, fissuras, vesículas e pústulas, cor, edema). Boca: (odor, trisma, 
salivação). Dentes: (número, conservação, escovação, etc). Gengiva: (infecção, coloração, sangramento, cisto, hipertrofia). 
Mucosa oral: aspecto, coloração, monilíase, enantema, petéquias, ulcerações. Língua: papilas, cor, aspecto (geográfica, 
escrotal, framboesa), tamanho (macroglossia), cicatrizes, “lingua presa”, cisto, paralisia. Palato e Faringe: cor, 
sangramento, fenda, perfuração, palato ogival, úvula, faringe posterior, amígdalas (tamanho, coloração exsudato), epiglote. 
Laringe: voz, rouquidão, estridor. (Na semiologia pediátrica é fundamental que se deixe para o final do exame os 
procedimentos mais desagradáveis como visualização da orofaringe e otoscopia. Na otoscopia visualiza-se o conduto 
auditivo externo e tímpano, observando-se sua integridade e normalidade. No exame da orofaringe, usando-se 
MARIA GABRIELA CALAÇA DE ARAÚJO – PEDIATRIA 
 3 
preferencialmente uma lanterna, observa-se os lábios, e posteriormente com um abaixador de língua, inspeciona-se a 
mucosa, gengiva, frênulo labiais, língua, dentes, palato e, finalmente, as amígdalas e região posterior da orofaringe). 
 
• Pescoço: tamanho, anomalias, esternocleidomastóideo, tireóide, traquéia, vasos, mobilidade e movimentos 
característicos. 
• 
Tórax: Forma, simetria, tipos de respiração (abdominal, torácica. Exame das mamas: desenvolvimento, simetria, 
ginecomastia. 
 
• Respiratório: freqüência respiratória, (taquipnéia, eupnéia, bradipnéia), amplitude (hiperpnénia), dispnéia (esforço 
respiratório com utilização de musculatura acessória), tiragem intercostal, subcostal, retração esternal ou de fúrcula; 
percussão (macicês, hipersonoridade), verificar a expansibilidade torácica; ausculta: verificar a intensidade e distribuição 
do murmúrio vesicular, ruídos adventícios (estertores, roncos, crepitações, sibilos...). 
 
• Cardiovascular: Ictus: localização, extensão, tipo, frêmito. Ausculta: Ritmo, FC,bulhas