A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
27 pág.
manual_suplementacao_ferro_condutas_gerais

Pré-visualização | Página 1 de 5

MINISTÉRIO DA SAÚDE
Brasília - DF
2013
MINISTÉRIO DA SAÚDE
Programa Nacional de Suplementação de Ferro
Manual de Condutas Gerais
Brasília – DF
2013
Ministério da Saúde
Secretaria de Atenção à Saúde
Departamento de Atenção Básica
Programa Nacional de Suplementação de Ferro
Manual de Condutas Gerais
Brasília – DF
2013
© 2013 Ministério da Saúde.
Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde 
que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. Venda proibida. 
Distribuição gratuita. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens desta obra 
é da área técnica. A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada na íntegra 
na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde: <http://www.saude.gov.br/bvs>.
Tiragem: 1ª edição – 2013 – 45.000 exemplares
Elaboração, distribuição e informações:
MINISTÉRIO DA SAÚDE 
Secretaria de Atenção à Saúde
Departamento de Atenção Básica
Coordenação-Geral da
Política de Alimentação e Nutrição
SAF Sul, Quadra 2, Lotes 5/6, Bloco II, Edifício 
Premium,
Subsolo, Sala 8, Auditório
CEP: 70.070-600 – Brasília/DF
Tel.: (61) 3315-9011
Fax: (61) 3315-9024
Site: dab.saude.gov.br
E-mail: cgan@saude.gov.br
Editor Geral:
Heider Aurélio Pinto
Coordenação Técnica Geral:
Patrícia Constante Jaime
Colaboração:
Ana Maria Cavalcante de Lima
Elida Amorim Valentim
Gisele Ane Bortolini
Karine Oliveira Daud
Karla Lisboa Ramos
Maria Fernanda Moratori Alves
Coordenação editorial:
Marco Aurélio Santana da Silva
Sheila de Castro Silva
Impresso no Brasil / Printed in Brazil
Ficha Catalográfica
_____________________________________________________________________________
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.
 Programa Nacional de Suplementação de Ferro : manual de condutas gerais / Ministério da Saúde. 
Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.
 24 p.: il.
 ISBN 978-85-334-2042-7
 
 1. Programas e Políticas de Nutrição e Alimentação. 2. Deficiência de Ferro. 3. Suplementação Alimentar. 
I. Título.
CDU 612.392.01
___________________________________________________________________________________
Catalogação na fonte – Coordenação-Geral de Documentação e Informação – Editora MS – OS 2013/0390
Títulos para indexação:
Em inglês: National Program for Iron Supplementation: manual of general conduct
Em espanhol: Programa Nacional de Suplementación de Hierro: manual de conductas generales
Diagramação e projeto gráfico:
Marco Aurélio Santana da Silva
Normalização:
Marjorie Fernandes Gonçalves – MS
Sumário
Apresentação 7
1 ANEMIA 8
1.1 O que é anemia? 8
1.2 Causas da deficiência de ferro e fatores predisponentes para seu 
desenvolvimento
8
1.3 Consequências da deficiência de ferro 9
1.4 Alimentos fontes de ferro 9
2 ESTRATÉGIAS PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DA ANEMIA 10
2.1 O Programa Nacional de Suplementação de Ferro 11
2.2 Recomendações especiais para o cuidado de crianças 12
2.3 Recomendações especiais para o cuidado de mulheres 13
2.4 Funcionamento do Programa Nacional de Suplementação de Ferro 14
2.5 Orientações para organização do processo de trabalho no município 15
REFERÊNCIAS 17
ANEXOS 21
Anexo A – Exemplo de dosagem de sulfato ferroso para crianças 22
Anexo B – Orientações para tratamento da anemia 23
Anexo C – Recomendação quanto à suplementação de ferro 24
7
A PRESENTAÇÃO
A anemia por deficiência de ferro é considerada um grave problema de saúde pública 
no Brasil em virtude das altas prevalências e da estreita relação com o desenvolvimento 
das crianças. No mundo, é considerada a carência nutricional de maior magnitude, 
destacando-se a elevada prevalência em todos os segmentos sociais, acometendo 
principalmente crianças menores de dois anos de idade e gestantes (WHO, 2008; 
BRASIL, 2009a). 
Com relação à magnitude da anemia no País, dados da Pesquisa Nacional de 
Demografia e Saúde mostram que a prevalência entre menores de cinco anos é de 
20,9%, sendo de 24,1% em crianças menores de dois anos (BRASIL, 2009a). Diversos 
estudos realizados no País apontam que a mediana da prevalência de anemia em 
crianças menores de cinco anos é de 50%, chegando a 52% naquelas que frequentavam 
escolas/creches e 60,2% nas que frequentavam Unidades Básicas de Saúde (JORDÃO; 
BERNARDI; BARROS FILHO 2009; VIEIRA; FERREIRA, 2010).
Sobre a estreita relação da anemia com o desenvolvimento das crianças, estudos 
comprovam que aquelas que apresentaram anemia durante os primeiros anos de 
vida, mesmo quando tratadas, possuem maior probabilidade de baixo rendimento 
escolar em idades posteriores. A anemia na infância também está relacionada com a 
baixa produtividade em adultos, o que contribui para a transmissão intergeracional da 
pobreza com sérias implicações para o desenvolvimento de um país (GRANTHAM-
MCGREGOR et al., 2007; WALKER et al., 2007; ENGLE et al., 2007, 2011).
Assim, considerando a relevância do problema e o compromisso que a Política 
Nacional de Alimentação e Nutrição assume para a melhoria das condições de 
alimentação, nutrição e saúde da população brasileira, são estabelecidas as seguintes 
ações de prevenção e controle da anemia por deficiência de ferro no âmbito do SUS: o 
Programa Nacional de Suplementação de Ferro (PNSF), que consiste na suplementação 
universal com suplementos de ferro em doses profiláticas; a fortificação dos alimentos 
preparados para as crianças com micronutrientes em pó; a fortificação obrigatória 
das farinhas de trigo e milho com ferro e ácido fólico; e a promoção da alimentação 
adequada e saudável para aumento do consumo de alimentos fontes de ferro. 
Com vistas a orientar os profissionais de saúde da atenção básica na implementação 
da suplementação profilática universal para a prevenção da anemia, apresentamos este 
manual de condutas gerais, que traz as informações necessárias à operacionalização do 
programa. Esperamos, com isso, reforçar a agenda de prevenção e controle da anemia, 
de forma a fortalecer e aprimorar a ação em todo o País. 
8
 ANEMIA
1.1 O que é anemia?
A anemia é definida como a condição na qual a concentração de hemoglobina 
no sangue está abaixo do normal (WHO, 2001). A anemia pode ser determinada 
por diversos fatores. Cerca de 50% dos casos acontecem em função da deficiência de 
ferro, determinada pela dieta insuficiente em ferro. As outras causas são relacionadas 
às deficiências de folato, vitamina B12 ou vitamina A, inflamação crônica, infecções 
parasitárias e doenças hereditárias (WHO, 2012).
Entre os grupos de risco mais vulneráveis para a ocorrência de anemia, estão as 
crianças menores de dois anos, as gestantes e as mulheres em idade fértil.
1.2 Causas da deficiência de ferro e fatores predisponentes para seu 
desenvolvimento
O esquema abaixo apresenta os principais determinantes da anemia durante a 
gestação e os primeiros anos de vida.
Esquema 1 – Determinantes da anemia por deficiência de ferro
Fonte: Ministério da Saúde, 2013.
1
9
1.3 Consequências da deficiência de ferro
As principais consequências da deficiência de ferro são:
•	 Comprometimento do sistema imune, com aumento da predisposição a 
infecções;
•	 Aumento do risco de doenças e mortalidade perinatal para mães e 
recém-nascidos;
•	 Aumento da mortalidade materna e infantil;
•	 Redução da função cognitiva, do crescimento e desenvolvimento 
neuropsicomotor de crianças com repercussões em outros ciclos vitais;
•	 Diminuição da capacidade de aprendizagem em crianças escolares e menor 
produtividade em adultos. 
1.4 Alimentos fontes de ferro
O ferro é um micronutriente essencial para a vida e atua principalmente na síntese 
de células vermelhas