A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Revisão SUS

Pré-visualização | Página 1 de 2

1 Ana Inês Aguiar – MEDICINA, UNIFACS 
 .SUS. 
Ais - 4
A saúde ocupa um setor da economia, para o qual se produzem bens e serviços: 
Estabelecimentos de saúde: hospitais, laboratórios, consultórios, postos. 
Serviços: exames, consultas, tratamentos. 
Industrias: farmacêuticas, de material médico cirúrgico, de diagnóstico, vacinas. 
Empresas que comercializam os chamados planos de saúde. 
Instituições públicas que são responsáveis pela gestão de saúde: Ministério da 
saúde, secretarias estaduais e municipais de saúde. 
Sus: sistema único de saúde. 
Um sistema de saúde é um conjunto de agencias e agentes que tem por objetivo 
assegurar a saúde das pessoas e de populações. 
AGÊNCIAS: Instituições e empresas. 
AGENTES: Profissionais e trabalhadores da saúde. 
 
TIPOS DE SISTEMA DE SAÚDE: 
Os sistemas de saúde seguem em geral o tipo de proteção social adotado pelo 
respectivo país. 
O SUS ESTÁ ENQUADARDO COM BASE NA SEGURIDADE SOCIAL. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
2 Ana Inês Aguiar – MEDICINA, UNIFACS 
O que é o sus? 
O SUS é um sistema complexo que busca tornar concreta a Política Nacional de Saúde 
do Estado brasileiro. 
As três esferas de governo, a união, os estados e os municípios se articulam em ações 
de promoção, prevenção, assistência e reabilitação. 
A clientela potencial representa toda a população brasileira. 
Responsabilidade de todos: de indivíduos, famílias, coletivos, governos e empresas. 
 
Porque denomina-se Sistema Único? 
Segue a mesma doutrina e os mesmos princípios organizativos em todo o território 
nacional. Assim, o SUS não é um serviço ou uma instituição, mas um sistema que 
significa um conjunto de unidades, de serviços e ações que interagem para um fim 
comum. 
É o mesmo para todo o território, a eficácia vai de acordo com o que cada municio aplica 
os recursos disponibilizados e como é administrado. 
 
 
Aspectos históricos que antecederam o sus: 
BRASIL COLONIA - BRASIL IMPÉRIO - REPUBLICA VELHA 
▪ Médicos davam assistência aos militares e famílias abastadas. 
 
▪ Os pobres, indigentes e viajantes eram atendidos pelas Santas Casas. 
 
▪ Os governos se voltavam para ações de fiscalização dos portos, comércios de 
alimentos e ações pontuais de combate às epidemias. – No caso da saúde 
pública. 
 
▪ Com o crescimento da urbanização da urbanização e da industrialização as 
ações de saúde pública começaram a ser organizadas no país, porém ainda de 
forma centralizada (só quando tivesse o problema). 
 
A saúde vai passar a ser considerada uma questão que envolvia respostas da sociedade 
e dos governos. 
VELHA REPÚBLICA (1889 -1930): Separação das ações de saúde pública da 
assistencial médico hospitalar. Concepção liberal do Estado, cabendo a intervenção 
apenas quando diante de problemas de saúde, o individuo sozinho ou a iniciativa 
privada não fossem capazes de solucionar. 
 
3 Ana Inês Aguiar – MEDICINA, UNIFACS 
1930: CRIAÇÃO DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DA SAÚDE 
▪ Instalam-se as instituições necessárias para a efetivação da PNS (política 
nacional de saúde); 
 
▪ Afirma-se o modelo campanhista, contra as principais doenças epidemiológicas 
e endêmicas; 
 
▪ Ação predominantemente preventiva. As curativas estavam a cargo da 
previdência social; 
 
▪ População carente continuava dependente das Santas Casas de Misericórdia. 
 
SAÚDE E ESTADO: 
As responsabilidades do estado brasileiro em relação a saúde só começaram a ser 
explicitadas na constituição de 1934. Entretanto, observa-se nesta e nas que se 
seguiram (1937, 1946, 1967/69), o caráter limitado e restritivo com que é tratada a 
questão, garantindo assistência médica apenas para trabalhadores vinculados ao 
sistema previdenciário e dependentes, ações assistenciais dirigidas à maternidade e 
infância e controle de grandes endemias. 
 
EM 1975 CRIA O CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE: 
▪ Ações de cunho reformista foram adotadas pelo estado 
 
▪ Programa materno-infantil; 
 
▪ Programa de interiorização das ações de saúde e saneamento básico (PIASS) 
(medicina simplificada) 
 
▪ Medidas voltadas para à reorganização do sistema de saúde: 
 
 Lei do Sistema Nacional de Saúde 
 Sistema Nacional de Previdência Social (SINPAS) e dentro dele, em 
1977 foi criado o INAPS (instituto Nacional de Assistência Médica da 
Previdência social). 
 
ASPECTOS HISTÓRICOS: 
O processo político da formalização do projeto da RSB (reforma sanitária brasileira) foi 
marcado por disputas políticas entre grupos conservadores e reformistas, com distintos 
interesses: um defendendo a privatização dos serviços de saúde e outro buscando a 
institucionalização da saúde como bem público. 
Nesse cenário a saúde é institucionalizada como um direito social. 
A construção do projeto da reforma sanitária fundou-se na noção de crise: crise do 
conhecimento e da prática médica, crise do autoritarismo, crise do estado sanitário da 
população, crise do sistema de prestação de serviços de saúde. 
Quando se fala de 
programas, tem uma 
duração. Diferente de 
políticas. 
 
4 Ana Inês Aguiar – MEDICINA, UNIFACS 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
NOVA REPUBLICA: 
VIII CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE, 1986: 5000 participantes – 
representantes dos movimentos sociais, intelectuais, sindicatos, profissionais de saúde. 
Elaborou um documento contendo o arcabouço para criação do SUS. Dela surgiu o 
documento para ser criado o sus na constituição federal de 1988. 
Definiu as estratégias a serem defendidas na constituinte de 1988 e consolidou a opção 
pela via institucional. 
 
DIRETRIZES DO SUS: 
▪ Conceito ampliado de saúde; 
▪ Saúde como direito e dever do estado; 
▪ Participação popular (controle social); controlar o sus através de fiscalização 
▪ Ampliação do orçamento social. 
 
A constituição de 1988 é chamada de constituição cidadã porque foi feita depois do 
período de ditadura militar e principalmente porque tem a possibilidade de participação 
popular e controle social. 
 
SISTEMA ÚNICO: Princípios organizativos e as diretrizes são iguais para TODOS. 
DESCENTRALIZADO: Cada município tem autonomia para gerir. 
PARTICIPAÇÃO POPULAR: Sociedade tem direito de participar da gestão do sus. 
 
Década de 70: Ditadura militar. 
Reforma sanitária não era especifica 
do brasil, mas fio forte no país. 
Envolveu trabalhadores da saúde, 
estudantes, CEBES (centro de 
estudos brasileiro de saúde, 
ABRASCO (associação brasileira de 
saúde coletiva – envolve grandes 
pesquisadores de saúde, todos que 
estudam saúde publica e coletiva. E 
as forças setoriais (EX: sindicatos de 
diversas categorias). 
8° Conferencia de saúde é um marco na 
história do país PORQUE foi a partir daí que 
criou o sus. 
 
5 Ana Inês Aguiar – MEDICINA, UNIFACS 
CONSTITUIÇÃO DE 1988: FOI CRIADO O SUS. 
Art. 196 – A saúde é direito de todos e dever do Estado: acesso universal e igualitário 
as ações e serviços para a promoção, proteção e recuperação da saúde. 
 Amparado por um conceito ampliado de saúde, o SUS foi criado, para ser o 
sistema de saúde dos brasileiros. 
Art. 197 – São de relevância pública as ações e serviços de saúde, cabendo ao poder 
público dispor, nos termos da lei, sobre sua regulamentação, fiscalização e controle, 
devendo sua execução ser feita diretamente ou através de terceiros e, também, por 
pessoa física ou jurídica de direito. 
 
Criação do SUS: 
O Sistema Único de Saúde (SUS) é um dos maiores sistemas públicos de saúde do