A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Resumo Radiografia

Pré-visualização | Página 1 de 2

- Desenvolveu-se a partir da 
experiência dos raios catódicos nas 
ampolas de Crookes.
- Esses raios (chamados de raios x) 
atravessam determinados materiais e 
eram bloqueados por outros (sombra).
- Obtenção de imagens: diagnóstico e 
tratamento de doenças >>> Através de 
radiação ionizante ou não ionizante.
MODALIDADES DE DIAGNÓSTICO 
ATRAVÉS DE IMAGEM 
Radiografia: imagens de projeção 
(como sombras).
Tomografia computadorizada (TC): 
imagens seccionadas (fatias) 
Ultrassonografia: imagens 
seccionadas. Utiliza transdutores que 
transformam energia elétrica em 
mecânica (efeito pizoelétrico).
Ressonância magnética: imagens 
seccionadas. Magnetização dos íons 
hidrogênio (abundantes no corpo 
humano). 
OBJETIVOS DO RADIOLOGISTA 
- Diagnosticar um transtorno não 
conhecido usando, primeiramente, 
técnicas convencionais antes de ir 
para técnicas sofisticadas. 
- Fazer a sequência correta de exames. 
- Saber as características determinantes 
de transtornos conhecidos. 
- Monitorar a evolução da terapia e as 
possíveis complicações. 
- Reconhecer os limites das 
investigações radiológicas não invasivas 
e saber quando recorrer à técnicas 
invasivas. 
ANÁLISE RADIOLÓGICAS 
(ARTICULAÇÕES) 
- Alinhamento 
- Forma 
- Densidade 
- Superfícies articulares ósseas 
- Espaços articulares 
- Partes moles adjacentes 
MÉTODOS DE IMAGEM 
Estática 
Radiação
dipirona
"
SomÍon
qgças}
mecânica
radio -
frequência
Dinâmica 
Análise radiológica
- Alinhamento 
- Forma 
- Densidade 
- Superfícies articulares ósseas
- Espaços articulares 
- Partes moles adjacentes 
RADIOGRAFIA 
- Ultiliza raios x (radiação ionizante) 
- Tubo de Raio X = Fonte 
- Imagens de projeção (como sombras)
• Radiação eletromagnética que pode 
penetrar os tecidos humanos ou 
serem absorvidos por eles 
• Alta frequência 
• Pequeno comprimento de onda 
• Velocidade da luz 
• Se propagam em linha reta 
• Produzem imagens em superfícies 
fotossensíveis 
Raio X 
- Estruturas anatômicas podem ser 
identificadas em radiografias 
simples quando circundadas 
parcialmente ou totalmente por 
tecido com densidade diferente
- Propriedades: 
- Formação: 
• O tubo de raio x contém em seu 
interior um ambiente à vácuo e dois 
polos: um negativo (cátodo) e um 
positivo (ânodo) 
• Os elétrons são repelidos pelo polo 
negativo e atraído pelo polo positivo 
• Os elétrons acelerados 
alcançam grande velocidade e se 
chocam com um alvo metálico, 
sua energia cinética se 
transforma em: calor (99%) e raio 
x (1%) 
- Regras para a exata formação da 
imagem: 
• O ponto focal deve ser o menor 
possível 
• O receptor de imagem, filme, deve 
estar o mais perto possível do objeto a 
ser radiografado 
• A distância entre o tubo de raio x 
e o objeto a ser examinado deve 
ser a maior possível 
• De modo geral, o raio central deve 
ser perpendicular ao filme para 
gravar estruturas adjacentes em 
suas verdadeiras relações 
espaciais. 
• Conforme possível, o plano de 
interesse no objeto deve ser 
paralelo ao filme 
Fatores de exposição 
- Miliamperagem (mAs): a sua 
variação depende da quantidade 
de raios x produzidos
- Kilovoltagem (Kv): depende a 
qualidade dos raios x, ou seja, da 
sua força de penetração 
Densidades radiológicas 
Radiografia simples 
- Exame de imagem mais comumente 
realizado 
- Os raios X atravessam o corpo
- As informações são detectadas em um 
filme ou através de detectores eletrônicos
- Enquanto os RX atravessam o corpo 
são atenuados (absorvidos e espalhados) 
através de interações com os tecidos.
- Tecidos com alta densidade atenuam 
fortemente os RX >>> Aparecem 
brancos (radiopacos) nos filmes 
- Tecidos com baixa densidade atenuam 
fracamente os RX >>> Aparecem escuros 
(radiotransparentes) nos filmes 
Posicionamento do paciente 
- Ortostatismo 
- Sentado 
- Decúbito dorsal e ventral
- Decúbito lateral 
Incidências radiológicas 
- Anteroposterior 
- Posteroanterior 
- Perfil 
- Oblíquas 
- Decúbito lateral com raios horizontais 
- OBS: normalmente a radiografia 
posteroanterior (PA) é utilizada para o 
tórax. O coração fica mais próximo 
do receptor de imagens (reduz a 
magnificação do coração) 
Importância de utilizar dois planos 
ortogonais 
- A radiografia transforma um objeto 
3D em 2D.
- Faz uma imagem como se fosse 
uma “sombra” do corpo.
- Sobreposição de estruturas 
Vantagens 
- Custo baixo 
- Grande disponibilidade 
- Dano conhecido 
Desvantagens 
- Radiação ionizante 
- Baixo contraste
- Sobreposição 
TOMOGRAFIA 
COMPUTADORIZADA 
- Utiliza radiação ionizante (RX) 
- Métodos seccionados 
- Possibilidade de reconstrução (por 
meio de computação, de toda uma 
secção do corpo) em diferentes planos 
e reconstrução 3D
ADA
Como é feito: 
Antigamente: 
Evolução: 
- Aparelhos: 
• 1ª geração: 1 detector → Cortes de 
vários minutos 
• 2ª geração: 5 a 50 detectores → 
Cortes de 6 a 20 segundos 
• 3ª geração: 200 a 600 detectores → 
Cortes de 3 a 8 segundos 
• 4ª geração: 300 a 1000 detectores → 
Cortes de 1 a 4 segundos 
Atualmente: Tomógrafo Helicoidal 
- O tubo de RX e o sistema de detectores 
gira 360 graus em torno do corpo é a 
mesa move-se simultaneamente.
- Múltiplas fileiras de detectores 
[
Tubo de RAIOX
- Feixe
↳Detector
EEEEzfiamadtam.mn
te
maiaria
4moFEEERdaza-fgqeteeta.es EFEMERAS
FREAREM
eram
TC axial: imagens em um plano 
transverso ao objeto a partir de um giro 
de 360 graus do feixe de raio x em torno 
de si (mesa estática).
TC helicoidal ou espiral: rotação 
contínua da ampola de raio x 
acoplada em movimento contínuo e 
regular em torno do paciente em cima 
da mesa (aquisição volumétrica) 
cortes de 1 a 10 mim de espessura.
Multi-slice: aparelhos de última geração 
que são compostos por mais de 1000 
detectores, com tempo de cortes 
baixíssimos, e resoluções de imagem 
aumentadas, reduzindo os artefatos 
causados pelos movimentos 
respiratórios, peristaltismo e até 
batimentos cardíacos 
Como são feitas as imagens na TC?
- Como se estivéssemos olhando o 
paciente pelos pés.
- Os RX atravessam o paciente e são 
atenuados pelas diferentes estruturas do 
corpo.
- Essa atenuação é codificada pelo 
sistema de detectores como um sinal 
elétrico. 
- O sinal elétrico é digitalizado e assim o 
sistema de computação monta uma 
matriz de dados que no final resultará na 
imagem que vemos. 
Princípios básicos na formação de 
imagem por TC 
- Tubo com feixe de raio x; 
- Movimento continuamente em círculo 
ao redor do paciente; 
- RX atravessam a superfície corpórea da 
região examinada; 
- Originam-se, nestes detectores, sinais 
elétricos diretamente proporcional ao 
número de feixes do raio X; 
- Estes sinais são quantificados e 
gravados nos computadores; 
- Produção de imagens formadas por 
múltiplos pontos (pixels) em diferentes 
tons de cinza (escala de Hounsfield) 
- 1000= branco (tecido ósseo, radiopaco) 
Radiodensidade como função de 
composição 
Matriz 
- Número de pontos (pixels) que a 
reconstrução da imagem conterá (3402, 
5122, 7682, 10242); 
- Quanto menor a matriz, terá menos 
espaço em arquivo ao armazenar, mais 
rápida a reconstrução, porém o menor 
número de pixels promove a menor 
qualidade da imagem; 
- A matriz bidimensional (pixels) é 
baseada em uma matriz tridimensional 
(vóxels) que leva em conta a espessura 
de corte.
Valor atribuído ao voxel: 
- Um valor de UH é atribuído a cada 
elemento de volume (voxel); 
- As UH foram criadas atribuindo valor 
zero à água 
- As UH ajudam a identificar os tecidos/
substâncias: ar, gordura, líquidos, ossos, 
metais 
Valor atribuído aos pixels:
- Valores da Escala de Hounsfield;
- A matriz é um conjunto de valores 
numéricos que o computador entende, 
mas nossos olhos não; 
- Para que possamos ver a imagem, o 
computador atribuirá uma determinada 
tonalidade entre o preto e o branco 
(escalas de cinza) para cada valor da 
matriz.
- Unidades de Hounsfield (Coeficiente de 
atenuação): 
• Escala arbitrária criada por Hounsfield 
para quantificar a atenuação do feixe de 
RX após atravessar