A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
MDD 2 - 3-Progressão tumoral

Pré-visualização | Página 1 de 2

Eduarda Gonzalez 
1 Mdd 2 –3- Progressão tumoral 
 
 
 
MUTAÇÕES E METÁSTASE 
Uma célula que se divide de forma descontrolada e possui 
resistência a morte, pode desenvolver um acúmulo de mutações, 
que vão gerar subclone ou variantes tumorais. A massa tumoral 
final tende a possuir um conjunto de células com características 
diferentes. 
Muitas mutações que acontecem nessas células podem ser 
inviáveis a vida celular e por isso acabam morrendo. Essas 
mutações inviáveis podem acontecer em tumores agressivos 
também, pois as mutações ocorrem de forma muito rápida 
tendendo a erros. 
O que dita o comportamento tumoral são as mutações, que 
normalmente são imprevisíveis, mas podemos esperar 
determinadas circunstâncias a partir do que já se foi observado 
sobre esses tipos de tumores e como eles se comportaram nas 
pessoas que já foram acometidas. Então se espera que ele mantenha o mesmo comportamento, mas não 
quer dizer vai seguir a previsão que foi esperada, pois como dito, as mutações são imprevisíveis 
 Exemplo: Um paciente pode apresentar um lipoma, que normalmente se apresenta de forma benigna, 
mas nesse paciente se desenvolveu características malignas. 
Inicialmente os tumores são células 
normais, mas vai começar a se 
replicar e mutar e essas células 
diferentes umas das outras são 
clones que competem entre si para se 
manterem vivas, como o suprimento 
sanguíneo que pode ser preferencial 
a essas células mutadas do que as não 
mutadas. Dessa forma a célula que 
vai sobreviver é a que tiver 
características mais fortes, então se 
compararmos uma célula normal 
com uma tumoral, normalmente a 
tumoral terá mais resistência. 
PROGRESSÃO TUMORAL 
 
 
Eduarda Gonzalez 
2 Mdd 2 –3- Progressão tumoral 
Uma pessoa pode ter algumas alterações nas células, 
mas não se expressa um tumor maligno, porém com o 
passar dos anos vão ocorrendo muitas mutações e a 
célula passa a expressar características tumorais 
malignas e isso também ocorrerá com células 
metastáticas. Então uma célula com características 
tumorais muta ainda mais e passa a expressar 
características metastáticas. 
Temos duas formas de desenvolver essas 
caraterísticas metastáticas: 
Um tumor pode adquirir características metastáticas 
porque houve diversas mutações ou pode ocorrer a 
ingestão de uma droga que interfere na biologia 
tumoral e isso desenvolve clones metastáticos. 
Metástase 
Pode ocorrer de forma hematogênica ou linfática. 
A disseminação hematogênica de um tumor ocorre 
quando o tumor vai sair de um sítio primário (origem) 
e vai se dirigir a outro sítio por meio da circulação. Já 
a sua disseminação linfática é porque em vez de 
invadir a corrente sanguínea ele foi levado pela 
drenagem linfática. 
Os linfonodos são regionalizados, então se tivermos 
um tumor na região mamária, os linfonodos axilares e 
torácicos que são os mais próximos vão ser 
acometidos devido a drenagem linfática por essas células tumorais. 
Normalmente quando fala de metástase se associa a disseminação hematogênica e disseminação 
linfática para os linfonodos. 
Cascata metastática: As células tumorais, que se separam das células sem mutações, pois essas células 
mutadas irão reduzir a sua adesão ao epitélio e vão atrair células inflamatórias. As proteases secretadas 
pelas células tumorais e células inflamatórias degradam a membrana basal (matriz celular). 
Posteriormente ocorre a migração dessas células por meio dos capilares e ao invadir esses capilares ela 
vai continuar se dividindo e seguirá o fluxo sanguíneo, podendo ser carreada até um endotélio de outro 
tecido. 
 
Muitas metástases podem não progredir pois nem todos os locais serão favoráveis para a sua 
permanência e proliferação. 
 
 
Eduarda Gonzalez 
3 Mdd 2 –3- Progressão tumoral 
 
Os tecidos mais afetados por metástase são: cérebro, osso, fígado e pulmão. Devido a sua alta 
vascularização, eles são mais propensos a terem essa metástase. 
Linfoma: Neoplasia do sistema imunológico que acomete órgãos linfoides. Esse linfoma pode 
leucemizar, isto é virar leucemia, e o que isso quer dizer? Que o sitio primário dessa neoplasia é a 
medula óssea, por isso é um tumor de células hematopoiéticas. 
• Neoplasia restrita a linfonodos é linfoma. 
• Tumor de células hematopoiéticas que ta na medula óssea é leucemia. 
 
 
Eduarda Gonzalez 
4 Mdd 2 –3- Progressão tumoral 
Como um linfoma se leucemiza? 
O sistema hematopoiético e linfático se comunicam pois há trocas entre os dois sistemas, como as 
células de defesa que sempre estão se movimentando, mas quando ocorre a mobilização de uma célula 
neoplásica linfoide em direção a medula óssea, essa célula pode se alojar e criar um sitio na medula. A 
partir da sua adesão a esse sistema hematopoiético essas células vão se dividir e gerar a leucemia. 
Angiogênese Tumoral 
Cânceres em crescimento estimulam a neoangiogênese, durante a qual os vasos brotam a partir dos 
capilares previamente existentes. A neovascularização possui um efeito duplo no crescimento do 
tumor: a perfusão provê nutrientes e oxigênio e as células endoteliais recém-formadas estimulam o 
crescimento de células tumorais adjacentes através da secreção de fatores de crescimento, como fatores 
de crescimento semelhantes à insulina (IGFs) e PDGF. As células neoplásicas tendem a induzir esse 
maior suprimento para poderem crescer e sobreviver, e elas só conseguem induzir essa angiogênese 
devido as mutações que essa célula sofreu. 
Embora a vasculatura do tumor resultante seja eficaz no fornecimento de nutrientes e remoção dos 
resíduos, ela não é inteiramente normal. Os vasos são permeáveis e dilatados, e apresentam um padrão 
aleatório de conexão, então eles podem desenvolver trombos e demais prejuízos ao indivíduo. Ao 
permitir que as células tumorais tenham acesso a esses vasos anormais, a angiogênese também 
contribui para a metástase. Portanto, a angiogênese é um aspecto essencial de malignidade. 
 
A ideia de que a angiogênese é essencial para que os tumores sólidos cresçam até tamanhos 
clinicamente significativos forneceu um poderoso incentivo para o desenvolvimento de agentes 
terapêuticos que bloqueiam a angiogênese. 
 
Principais características para identificar se é uma neoplasia maligna ou não 
 
 
Diferenciação é o grau de semelhança de uma célula comparada ao tecido maduro. Se temos uma célula 
pouco diferenciada, ela não vai se assemelhar a célula madura do local em que ela está inserida. Um 
 
 
Eduarda Gonzalez 
5 Mdd 2 –3- Progressão tumoral 
tecido benigno ele é bem diferenciado, elas se parecem morfologicamente e fisiologicamente com as 
células do tecido normal, isto é, a célula é típica ao tecido de origem, por isso é mais fácil saber de onde 
o tumor benigno se originou. Além disso as células benignas são muito parecidas porque elas demoram 
muito para se desenvolver. 
Um tecido maligno normalmente apresenta um grau de diferenciação caótico, podendo apresentar um 
tecido maligno pouco diferenciado ou muito diferenciado 
BENIGNO e MALIGNO é com relação a comportamento agressivo, o fato de um tumor ser benigno, não 
quer dizer que não há riscos aos indivíduos, pois os benignos também podem crescer muito e a 
depender da estrutura em que ela se localiza pode causar danos mais graves. Como: 
• O adenoma da hipófise, que é uma massa que aumenta o seu numero de células e ela produz 
hormônios que a hipófise produziria, o ACTH. Então temos um tumor benigno bem diferenciado 
que vai causar a doença de Cushing. 
• Um tumor benigno no cérebro pode aumentar muito de tamanho, empurrar as estruturas 
cerebrais e comprimir as estruturas causando até a morte de um indivíduo. 
Anaplasia 
É um tecido neoplásico que não tem como saber de onde o tecido surgiu, pois possui muito pouca 
diferenciação. É um tecido que se diferenciou muito