A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
#OK Sociologia - Prova 1

Pré-visualização | Página 1 de 2

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS – UEMG 
UNIDADE ACADÊMICA DE PASSOS 
CURSO DE SERVIÇO SOCIAL – 2º PERÍODO 
DISCIPLINA: SOCIOLOGIA APLICADA AO SERVIÇO SOCIAL 
DOCENTE RESPONSÁVEL: ALEXSANDRO DE SOUSA E SILVA 
DISCENTE: LETÍCIA FERREIRA DE ALMEIDA 
ATIVIDADE: PROVA 1 
 
 
QUESTÃO 1. Diferencie as maneiras de fazer e maneiras de ser e explique suas relações com 
a sociologia e as demais ciências, segundo Émile Durkheim. Justifique sua resposta com base 
no texto do autor discutido na disciplina, apenas. 
 
Segundo Durkheim, os fatos sociais incluem ações, modos de pensar e sentir que 
exercem uma certa força sobre os indivíduos para forçá-los a se adaptar às regras da sociedade 
em que vivem. Contudo, nem tudo que uma pessoa faz pode ser julgado um fato social, porque 
para ser reconhecida como tal, deve cumprir três características: generalidade, exterioridade e 
coercitividade. 
Coercitividade – No que se refere ao poder ou às características de poder, os padrões culturais 
da sociedade são impostos aos indivíduos que os integram à sociedade, obrigando essas pessoas 
a se realizarem em sociedade. 
Exterioridade – Quando um indivíduo nasce, a sociedade já possui uma organização de leis, 
normas, sistemas financeiros etc., por exemplo, depende do indivíduo para aprender por meio 
da educação. 
Generalidade – Os fatos sociais são coletivos, ou seja, não existem em um único indivíduo, mas 
em todo o grupo ou em toda a sociedade. 
Não importa como as pessoas se sintam, pensem ou façam suas necessidades pessoais, 
todos são comportamentos socialmente estabelecidos. Isso não é algo que é imposto 
especificamente a alguém, é algo que existia antes e continua existindo depois disso e não 
permite escolha. 
Portanto, aqui está uma série de fatos com características muito especiais: eles são 
compostos do comportamento externo do indivíduo, pensamento e sentimento, e recebem força 
coercitiva, com base na qual esses fatos são impostos a ele. Portanto, eles não podem ser 
confundidos com fenômenos orgânicos, pois são compostos de aparências e comportamentos. 
Também não existe fenômeno psicológico que existe apenas na consciência individual e por 
meio dela. 
Logo, esses fatos constituem uma nova espécie que deve receber e reter qualificações 
sociais. Para eles, a qualificação pode ser adequada, pois logicamente, sem um indivíduo como 
exemplo, eles só podem ter a sociedade, seja ela toda a sociedade política ou um dos grupos 
incluídos: confissão religiosa, política, escola literária, empresa profissional, entre outros. 
Por outro lado, apenas eles são adequados, porque as palavras sociais têm apenas um 
significado definido e apenas especificam fenômenos que não pertencem às categorias de fato 
estabelecidas e especificadas. Portanto, são campos apropriados da sociologia. Na verdade, 
usamos o termo "coerção" para definir os defensores fervorosos do individualismo absoluto. 
Na verdade, essa definição de fatos sociais pode ser confirmada por meio de uma 
experiência única: basta olhar para a forma como as crianças são ensinadas. Quando você 
observa os fatos como são, é óbvio que todo trabalho educacional é um esforço contínuo, 
exigindo que as crianças imponham maneiras que elas não alcançarão espontaneamente o ver, 
sentir e como se comportar. Os fatos que nos fornecem a base são todos modos de fazer as 
coisas, possuem propriedades fisiológicas. Agora, existem métodos de coletivização, ou seja, 
ordem morfológica dos fatos sociais. 
A sociologia não tem dúvidas sobre o fundo da vida coletiva. No entanto, o número e a 
natureza dos componentes básicos que constituem a sociedade, a forma como é composta, o 
grau de integração alcançado, a distribuição da população no território, o número e a natureza 
das estradas, a forma das casas, etc. À primeira vista, parecem não conseguir reduzir a sua forma 
de comportamento, sentimento ou pensamento. 
Mas, primeiro, esses diferentes fenômenos têm as mesmas características que nos 
ajudam a definir outros fenômenos. Essas formas de ser são impostas aos indivíduos assim 
como chamamos de comportamentos. Na verdade, quando uma pessoa quer saber como uma 
sociedade está dividida politicamente, como essas divisões se constituem, a fusão mais ou 
menos completa que existe entre elas não deriva da inspeção material e da observação 
geográfica. Isso porque essas divisões são morais, mesmo que tenham uma certa base nas 
propriedades físicas. Só através do direito público, podemos estudar esta organização, porque 
é ela que determina os seus direitos, bem como as nossas relações familiares e cidadãs. 
Como resultado, no máximo, somos enumerados como uma lista de fenômenos com 
fatos sociais que acrescentam uma categoria e, uma vez que a lista não é estritamente exaustiva, 
a adição não é essencial. Mas isso nem mesmo ajudou. Porque essas maneiras de ser são apenas 
maneiras teimosas de fazer as coisas. A estrutura política de uma sociedade nada mais é do que 
a maneira como as diferentes classes que a constituem estão acostumadas a conviver. Caso o 
relacionamento seja normalmente próximo, as pessoas tendem a se confundir, caso contrário, 
tendem a ser distintas. 
Portanto, a respeito da origem dos fatos sociais, Durkheim a explicou por meio do 
referencial teórico metodológico das ciências naturais. Ele procurou a razão e a base do artigo 
em biologia. Segundo ele, a vida ou os fatos sociais não podem vir do desenvolvimento natural 
do ser humano ou do próprio indivíduo, pois uma vez formados, os fatos sociais responderão a 
essa pessoa. Assim, os fatos sociais têm natureza própria e impõem modos de pensar, agir e 
sentir a consciência pessoal. 
Durkheim comparou a sociedade à água. A água é formada por dois gases, combinando-
os produzirá elementos com qualidades diferentes dos gases posteriores, portanto, a sociedade 
não deve ser considerada como uma tendência natural dos seres humanos, nem a soma da 
consciência pessoal, mas deve ser considerada como humanos. A combinação de coisas produz 
uma vida diferente e superior com uma nova qualidade: a sociedade. 
 
 
QUESTÃO 2. Explique a relação entre a ascetismo reprodutor e ascensão social por parte de 
algumas famílias e suas consequências, em termos de classe social, em relação ao processo de 
acumulação do capital cultural, de acordo com Pierre Bourdieu. Justifique sua resposta com 
base nas teorias do autor presentes no texto discutido na disciplina, apenas. 
 
Ao contrário das classes populares, a classe média ou pequena burguesia tende a investir 
fundos grandes e sistemáticos na educação dos filhos. Primeiro, esse fenômeno é justificado 
como uma chance para as crianças de classe média alcançarem o sucesso objetivo, comparando-
se com as classes normais. As famílias deste grupo social já dispõem de um capital razoável, o 
que lhes permite apostar no mercado escolar sem correr muito risco. 
No entanto, para Bourdieu, o comportamento das famílias de classe média não pode ser 
explicado apenas pelas chances relativamente altas de sucesso escolar de seus filhos. Bourdieu 
destacou que as expectativas desses grupos sociais para o futuro também devem ser 
consideradas. As famílias de classe média originaram-se em grande parte da classe baixa e 
foram promovidas à classe média por meio da escola e esperam continuar a se desenvolver na 
classe de elite. Portanto, como parte de um esforço mais amplo para criar condições favoráveis 
ao avanço social, todos os comportamentos da classe média podem ser compreendidos. Como 
parte desse esforço, Bourdieu enfatizou o ascetismo, o malthusianismo e a boa vontade cultural. 
A característica do ascetismo é que a classe média está disposta a abrir mão do prazer 
imediato e apoiar seus projetos futuros. Os sacrifícios feitos por essas famílias para garantir 
uma boa educação para as gerações futuras (abandono de compras de materiais, redução de 
despesas com viagens,