A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Materiais de Moldagem

Pré-visualização | Página 1 de 2

● Materiais utilizados na Odontologia com a finalidade de reproduzir as estruturas bucais para realização
de trabalhos que necessitem de uma etapa laboratorial.
● Devem reproduzir com fidelidade e exatidão os tecidos bucais, seguindo os seguintes requisitos:
1. Ter fluidez necessária para se adaptar aos tecidos;
2. Ter viscosidade suficiente para ficar contido na moldeira;
3. Transformar-se em material borrachoide com tempo de presa de ± 7 minutos quando levado à boca;
4. Não distorcer ou rasgar quando removido da boca;
5. Manter estabilidade dimensional, para posterior vazamento.
● MOLDAGEM: procedimento clínico de impressão para obtenção do molde.
● MOLDE: cópia negativa da arcada dentária e estruturas vizinhas, utilizada para obtenção de um modelo.
● MODELO: cópia positiva da estrutura bucal obtida em gesso.
● MODELO DE TRABALHO: reprodução tridimensional detalhada da arcada e de estruturas vizinhas;
confeccionado em material de alta dureza (gesso III e IV); utilizado como base para construção de
aparelhos ortodônticos ou protéticos.
● MOLDEIRA: dispositivo que leva o material de moldagem à boca.
● TROQUEL: modelo individual de um dente ou grupo de dentes, que pode ser deslocado de um modelo total
de arcada; confeccionado com gesso-pedra (tipo IV).
● CLASSIFICAÇÃO DOS MATERIAIS DE MOLDAGEM
● Materiais Anelásticos: quantidade insignificante de deformação elástica quando submetidos a tensões de
tração ou dobramento. Tendem a fraturar sem exibir deformação plástica, com a aplicação de forças
excessivas. A reação de presa pode ser química (por intermédio de um reagente) ou física. Indicação
limitada, geralmente utilizada em pacientes edentados.
o GODIVA
✔ Constituído por ceras e resinas termoplásticas;
✔ Destinado a moldar pacientes edentados;
✔ Sua reação de presa é física, sendo amolecida pelo calor;
✔Material amolecido pelo calor → moldeira → posicionado na área a ser moldada → pressionado contra
os tecidos → após alguns minutos, rigidez em temperatura ambiente → retirado da boca → vazamento com
gesso;
✔ Principais aplicações na Odontologia:
▪ Moldagem preliminar em pacientes edentados;
▪ Selamento periférico para moldagem de desdentados;
▪ Fixação de grampos em isolamento absoluto;
▪ Estabilização de matrizes individuais;
▪ Registro das superfícies oclusais de dentes superiores para a tomada
do arco facial na montagem do articulador semi-ajustável.
✔ Propriedades:
▪ Termoplasticidade e condutividade térmica: a termoplasticidade é o que possibilita a
plastificação do material ao ser aquecido; sua plasticidade é reduzida durante o resfriamento.
A baia condutividade térmica indica um longo tempo para que o material seja aquecido ou
resfriado, devendo ser uniformemente aquecida antes de assentada na moldeira e totalmente
resfriada antes de ser retirada da boca.
▪ Escoamento: o material deve escoar de modo a se conformar aos tecidos, duplicando os
detalhes e pontos de referência tecidual.
▪ Rigidez: apresenta alta rigidez e baixa elasticidade, quando solidificado.
▪ Reprodução de detalhes: proporciona baixa reprodução de detalhes.
✔Manipulação:
▪ Equipamentos: plastificador, moldeiras para godiva, lamparina a álcool e gral de borracha;
▪ Preenchimento homogêneo de godiva na moldeira → aquecimento uniforme → posicionamento
centralizado na boda do paciente → compressão constante e uniforme → manter o molde na boca até
a solidificação uniforme;
▪ Plastificação: ocorre em temperatura de 55 a 65ºC; calor úmido (plastificador) ou calor seco
(lamparina); aquecimento uniforme; evitar superaquecimento.
✔ Confecção do Modelo: encaixotamento, com delimitação do molde com cera e papel cartolina →
seleciona o tipo de gesso (geralmente, tipo III) → vazamento imediato e com vibração moderada →
separação do conjunto molde/modelo após 60 minutos.
✔ Apresentação comercial: barras ou bastões.
o PASTA ZINCOENÓLICA
✔ Também conhecida como pasta de óxido de zinco e eugenol;
✔ Alta rigidez;
✔ Utilizada para moldagem de arcadas edêntulas, em conjunto com a
godiva;
✔ Forma de uso: inicialmente, o paciente é moldado com godiva →
confecção de modelo de gesso e, sobre ele, moldeira personalizada de resina
acrílica → utiliza-se a moldeira de resina para moldar o paciente com pasta zincoenólica.
✔ Usada como forramento corretivo da moldagem preliminar, quando não foi possível reproduzir os detalhes
importantes com a moldagem em godiva.
✔ Composta por duas pastas separadas: uma com óxido de zinco e um óleo, outra com eugenol e
resina.
✔Manipulação: feita em placa de vidro, com doses iguais das pastas, durante 1 minuto até obter uma
coloração uniforme.
✔ Reação química: hidrólise do óxido de zinco e subsequente reação entre o hidróxido de zinco e o
eugenol.
✔ Propriedades:
▪ Tempo de presa: inicial (espatulação, carregamento e assentamento da moldeira) → 3 a 6
minutos; final (tempo decorrido até que o material possua resistência suficiente para sair da boca) →
10 (duros) a 15 minutos (macios).
▪ Escoamento: deve ser suficiente para reprodução dos detalhes e diminuir progressivamente
com o tempo de presa.
▪ Estabilidade dimensional: satisfatória.
✔ Desvantagens: pode produzir sensação de queimação; gosto ruim; pegajosidade à pele e aos
instrumentos.
✔ Apresentação comercial: duas pastas – pasta-base (esbranquiçada) e pasta catalizadora
(vermelha).
✔Outras aplicações clínicas: cimento cirúrgico; pasta para registro de mordida.
● Materiais Elásticos: materiais que reproduzem com precisão de detalhes as estruturas bucais, incluindo
áreas retentivas e espaços interproximais. Podem ser utilizados em pacientes edêntulos, mas são mais
utilizados para confecção de modelos para próteses fixas e removíveis. Sua presa ocorre por reação
química ou física.
o ALGINATO OU HIDROCOLOIDE IRREVERSÍVEL
✔ Fácil manipulação;
✔ Conforto ao paciente;
✔ Baixo custo;
✔O principal componente é um alginato solúvel (de sódio ou de
potássio). Há também o sulfato de cálcio, sulfato tri ou tetra sódico,
diatomita e óxido de zinco, fluoreto de potássio e de titânio;
✔ Processo de geleificação:
▪ Após a mistura do alginato com água, ocorre a reação do alginato solúvel (reagente) com o
sulfato de cálcio, formando o alginato de cálcio insolúvel.
▪ Um terceiro sal solúvel (retardador), como o sulfato tri ou tetra sódico, é adicionado à solução
para retardar a presa e aumentar o tempo de trabalho;
▪ À medida que a reação progride, uma ligação cruzada molecular complexa e uma rede
polimérica se formam, constituindo a estrutura do gel;
▪ O tempo de geleificação é medido desde o início da manipulação do material até o momento
da presa. É em torno de 3 a 4 minutos em temperatura ambiente (20ºC).
▪ A melhor forma de controlar o tempo de geleificação é pela quantidade de retardador dosado
pelo fabricante.
✔ Indicações:
▪ Realização de moldagens para obtenção de modelos de estudo ou de modelos para
construção de moldeiras individuais (para realizar uma segunda moldagem mais precisa);
▪ Modelos para confecção de próteses removíveis.
✔Manipulação: O pó dosado colocado sobre a água → incorporado à água cuidadosamente com
espátula → espatulação vigorosa até obter mistura homogênea (45s a 1min.) → massa lisa e cremosa,
soltando da espátula.
✔ Realização do molde: a massa do material é aplicada na moldeira e o profissional pode aplicar as sobras do
alginato nas regiões de difícil reprodução, como sulcos e fissuras. Devem ser usadas moldeiras com
perfurações.
✔ Propriedades:
▪ Resistência mecânica: áreas delgadas estão sujeitas à fratura e ruptura.
▪ Viscoelasticidade: a resistência à ruptura aumenta quando o molde é removido abruptamente, ou seja,
a velocidade de remoção deve estar compreendida entre o movimento rápido e o conforto do paciente.
▪ Reprodução de detalhes: não reproduz detalhes da mesma forma que outros elastômeros.
▪ Estabilidade dimensional: os géis estão sujeitos a alterações dimensionais por sinérese (perda de
líquido) ou embebição (ganho de líquido). Exposto em temperatura