A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Bioquimica clinica

Pré-visualização | Página 2 de 2

sendo específica de lesão de qualquer órgão em 
particular 
 
© Aumento moderado dos valores: infarto agudo do miocárdio, 
pulmonar, mononucleose infecciosa, pneumonia, distrofia 
muscular progressiva anemias hemolíticas 
© Aumento intenso dos valores: anemia megaloblástica, carcinoma 
e choque grave 
 
© A determinação da atividade da DHL pode ser feita também nos 
líquidos corporais 
© No liquido ascítico e liquido pleural servem para diferenciação 
entre exsudato e transudato e deve ser feito em paralelo com a 
dosagem sérica (razão LDH liquido/soro maior que 0,6 sugere 
exsudato) 
© No liquor níveis elevados são encontrados nos casos de acidente 
vascular cerebral, tumores e meningites 
 
Maria Eduarda Alencar Santos 3 Período - UNL 
Maria Eduarda Alencar Santos 3 Período - UNL 
CK – creatino quinase 
© É um marcador sensível, mas inespecífico de lesão muscular, 
principalmente nas patologias que envolvem lesões das células 
do tecido muscular esquelético e cardíaco 
 
© Exercício físico forte 
© Rabidomiolise 
© Hemólise intensa icterícia 
© Comum em doenças dermatológicas, ELA e distrofia miotônica 
 
CKMB 
© Especifica do coração 
© Diagnostico do infarto agudo do miocárdio 
© Avalia-se a curva (após 4 horas, 9 a 30 horas e 48 a 72 horas) 
 
Lactato 
© É produzido pelo organismo após a glicólise, para o fornecimento 
de energia em condições anaeróbicas (mecanismo anaeróbico 
lático) 
 
© A determinação da concentração sanguínea do lactato permite 
avaliar indiretamente a acidose metabólica após atividade física 
e situações patológicas nas quais esta via de obtenção de 
energia foi utilizada 
 
© A acidose lática (lactato elevado) ocorre por diminuição de 
oxigenação tecidual (hipóxia), tais como choque, hipovolemia e 
insuficiência ventricular esquerda e associada a doenças (DM, 
neoplasias e insuficiência hepática e renal) 
 
© Infecções bacterianas 
© Paciente com choque 
© Aumenta pela hipóxia 
© Diagnostico de sepse 
 
Lipídeos plasmáticos 
© triglicerídeos, colesterol, lipoproteínas – LDL, HDL, VLDL 
© Principal consequência (associada a outros fatores) – Infarto 
agudo o miocárdio 
 
Maria Eduarda Alencar Santos 3 Período - UNL 
Maria Eduarda Alencar Santos 3 Período - UNL 
© Colesterol alto – hipercolesterolemia famílias, síndrome nefrotico, 
DM , aterosclerose 
 
© HDL ação protetora da doença coronariana 
© LDL IAM 
 
Quando solicitar os exames? 
© Diagnostico clinico – avaliar sinais e sintomas 
 
Caso clinico – exame laboratorial 
© Febre +/- 5 dias → solicitar hemograma 
© Icterícia → solicitar bilirrubina, TGO, TGP, fosfatase alcalina, gama 
GT, amilase, albumina 
© Desidratação → solicitar sódio, potássio, ureia, creatinina 
© Mialgia em panturrilha (rabidomiolise) → solicitar CK 
© Vomito → solicitar sódio, potássio, ureia, creatinina 
© Contato com alagamento a 15 dias 
© Exantema (corpo avermelhado) 
 
 
Hipótese diagnóstica 
© Malária – se viajou 
© Colecistite/coledococistite – analisar sinal de murphy 
© Febre amarela – se tomou vacina e se foi para alguma área de 
mata 
© Leptospirose – sorologia (antibiótico) – hemograma com 
leucocitose e neutrofilia, pode haver tbm plaquetopenia – TGO e 
TGP normal ou levemente aumentado (pois as vezes até a 
alimentação aumenta um pouco) – o rim encontra-se 
principalmente afetado 
 
© Hepatite viral aguda – sorologia (medicação de sintomáticos – é 
preferível não usar paracetamol pois pode ocasionar hepatite por 
uso prolongado) – hemograma geralmente normal - TGO e TGP 
aumentada (acima de 500) 
© Tuberculose tosse acima de 3 semanas 
© Síndrome febril ictérica aguda (o aguda está relacionado ao 
tempo em que os sintomas apareceram) 
 
Maria Eduarda Alencar Santos 3 Período - UNL 
Maria Eduarda Alencar Santos 3 Período - UNL 
Exame laboratorial indicou: 
© Plaqueta baixo 
© Hemoglobina baixa - Anemia (critério de gravidade da doença) 
© Creatinina e ureia aumentada 
© CK aumentada 
 
Diagnóstico final → leptospirose