A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Moldagem

Pré-visualização | Página 1 de 2

MOLDAGEM PRELIMINAR
Moldagem: é o ritual clínico em que o cirurgião dentista, empregando seus conhecimentos
científicos, instrumentos, materiais e técnicas adequadas, consegue obter um molde.
Molde: é a reprodução negativa dos tecidos da área chapeável em uma dada posição,
registrada no momento da reação final do material moldador.
Tipo de moldagem em PT:
➔ Preliminar ou anatômica: é utilizada para reprodução estática tanto da área
chapeável quanto das estruturas vizinhas interessadas.
➔ Secundária ou funcional: é utilizada para reprodução da área chapeável e
estruturas vizinhas interessadas em posição dinâmica.
Requisitos da Moldagem Preliminar
● Reprodução integral da área chapeável
● Reprodução minuciosas de detalhes
● Alívios de músculos e inserção
● Ausência de deslocamento de tecidos
● Ausência de bolhas e irregularidades
Finalidade da Moldagem Preliminar
● Obter uma reprodução da anatomia da área chapeável
● Afastar a mucosa móvel ao máximo, recebendo ao mesmo tempo, as suas
impressões no estado de tensão.
Moldeiras: dispositivos que servem para conter o material de moldagem, colocando em
íntimo contato com a região a ser moldada e que possibilita a remoção do molde sem
distorções.
Tipos de moldeiras:
● Estoque: encontrada no mercado, já prontas para uso, constituídas de metal ou
plásticos com tamanhos padronizados.
● Individuais: são confeccionadas especialmente para o paciente, geralmente em
resina acrílica, a partir do modelo preliminar obtido na primeira moldagem.
Materiais de Moldagem:
Requisitos:
● Promover mínima alteração morfológica possível
● Mínima alteração dimensional
● Grau de plasticidade adequado (material entra em regiões retentivas e retorna a
forma original)
● Tempo de trabalho adequado
● Resistência à fratura adequada
● Inocuidade aos tecidos bucais
Classificação quanto às propriedades físicas:
● Anelástico: godivas e pasta zincoenólica.
● Elásticos: hidrocolóides e elastômeros.
Materiais mais utilizados:
➔ Godiva de alta fusão: rebordos e mucosas normais.
Vantagens Desvantagens
Ótimo afastamento dos tecidos moles.
Possibilita correções.
Possibilita remoções a todo instante.
Baixo custo.
Sobre extensão.
Compressão desigual.
Rigidez.
➔ Hidrocolóide irreversível: rebordos irregulares e retentivos e fibromucosa flácida.
Vantagens Desvantagens
Promove menor compressão dos
tecidos.
Boa fidelidade.
Facilidade de técnica
Afastamento deficiente dos tecidos
moles.
Escoamento incontrolado.
Possibilidade de ruptura.
Vazamento imediato.
Tipos de modelos em PT:
➔ Finalidade do Modelo preliminar ou anatômico:
◆ Análise do grau de interferência das inserções musculares
◆ Análise do tamanho, forma, inclinação, espessura e altura do rebordo
◆ Utilizado para confecção de moldeira individual
◆ Visualização da extensão da área chapeável
◆ Planejamento de prótese total imediata
◆ Arquivo do profissional
➔ Finalidade do Modelo funcional:
◆ Utilizado para moldagem do caso em articulador semi-ajustável
◆ Utilizado para confecção da base de prova (obter inclinação maxila ou
mandíbula em relação a base do crânio)
◆ Utilizado para prensagem de resina acrílica (para finalização da prótese)
Técnica de moldagem
➔ Instrumentais e materiais
◆ Moldeiras adequadas
◆ Material Moldador
◆ Le-cron
◆ Gral de borracha e espátula
◆ Plastificador de godiva
◆ Lâmpada de chama horizontal
➔ Posicionamento do paciente
◆ Cabeça do paciente ligeiramente para trás, devidamente apoiada no encosto
da cadeira
◆ Plano de camper paralelo ao solo
◆ Comissura labial do paciente na altura do antebraço do operador
➔ Seleção das moldeiras
◆ Deve abranger toda área chapeável
◆ Não pressionar demasiadamente o fundo do sulco
◆ Não ultrapassar a linha vibratória (limite entre palato duro e palato mole)
◆ Espaço interno de 3 a 5 mm
◆ A seleção da moldeira pode ser realizada com auxílio da prótese antiga
➔ Seleção e preparo do material moldador
◆ Godiva:
● Utilizar quantidade de material moldador suficiente
● Utilizar temperatura de plastificação da godiva adequada (entre 55 a
65º)
● Manipular a godiva até se obter uma massa homogênea
● Inserção e distribuição adequada da godiva na moldeira
◆ Alginato:
● Utilizar quantidade e proporção adequados (água/pó). Sempre
aspergir pó na água reduz formação de bolhas
● Adequação das bordas da moldeira com cera
● Espatulação adequada e acomodação do material na moldeira
➔ Moldagem propriamente dita
◆ Introdução da moldeira
◆ Centralização da moldeira
◆ Aprofundamento ou compressão
◆ Ativação da musculatura
◆ Teste de estabilidade (movimento lateral)
◆ Teste de selamento posterior (pressionar na frente e observar se solta atrás)
● Caso o molde tenha ficado muito aderido, jogar um pouco de ar com
a tríplice entre o molde e tecido mole para facilitar a saída.
◆ Remoção e análise do molde: superfície fosca e distribuída uniformemente,
convexidade na região de fundo de sulco, centralização do molde.
● Defeitos do molde que não podem ser corrigidos: molde
descentralizado, molde com instabilidade (báscula), falta de material
no sulco ou no palato, molde com excesso de compressão, molde
com falta de compressão.
➔ Remoção dos excessos
◆ Após a moldagem, remover excesso de material extravasado
➔ Desinfecção dos moldes
◆ Soluções recomendadas: hipoclorito de sódio 1% ou glutaraldeído 2%
◆ Tempo recomendado: imersão ou spray por 10 minutos
➔ Vazamento do gesso
◆ Usar gesso comum
◆ Colocar o gesso de um lado e deixar até escoar até o outro lado, adicionando
pequenas quantidades para evitar bolhas, depois virar o modelo em uma
bancada ou azulejo, que dá uma lisura melhor.
Sequência clínica:
Moldagem preliminar > modelo preliminar > construção de uma moldeira individual sobre
este modelo > com a moldeira individual, faz a moldagem de trabalho > obtém modelo de
trabalho > faz a chapa de prova e rolete de cera.
MOLDEIRA INDIVIDUAL
A área chapeável é definida por toda área tecidual que será recoberta pela base da
dentadura.
➔ Partes constituintes da área chapeável
inferior:
1. Sulco vestíbulo-labial anterior
2. Freio lateral
3. Linha oblíqua externa
4. Região disto lingual
5. Linha miloídea
6. Sulco alvéolo-lingual
7. Freio lingual
8. Papila piriforme
9. Fossa retro-miloídea
➔ Partes constituintes da área chapeável
superior:
1. Freio labial superior
2. Sulco vestíbulo-labial anterior
3. Freio lateral
4. Processo zigomático da maxila
5. Espaço retrozigomático
6. Túber da maxila
7. Linha do AH
Subdivisão da área chapeável
➔ Zona de suporte primário: inclui
rebordo residual desde o ponto de inserção dos músculos por vestibular até os
tecidos compressíveis da face lingual ou palatina.
➔ Zona de suporte secundário: na maxila inclui todo o palato duro, com exceção da
área de alívio, estando limitada posteriormente pelos tecidos moles do palato mole,
e vertente vestibular do rebordo alveolar. Na mandíbula, compreende as vertentes
vestibulares e linguais dos rebordos, até próximo ao fundo de sulco e do soalho da
boca; engloba a linha externa e as linhas horizontais do músculo bucinador que
suportam a prótese.
➔ Zona do selado periférico: tanto para maxila e mandíbula, compreende a faixa de
2 a 3 mm da mucosa móvel que contorna toda a volta da área chapeável.
➔ Zona do selado posterior: para maxila, é a zona que fica na parte posterior da área
chapeável, limitada pela divisa entre os palatos duro e mole. Para a mandíbula, se
localiza até 2 a 3 mm da papila piriforme ou englobando-a.
➔ Zona de alívio: compreende as áreas que deverão ficar livres de esforços oriundos
da prótese.
As moldeiras individuais são confeccionadas especificamente para cada
paciente, utilizado o modelo preliminar correspondente, e por serem
individualizadas apresentam uma maior precisão.
➔ Finalidade:
● Moldagem funcional
● Delimitação final da área chapeável (área definida por toda área tecidual que
será recoberta pela base da dentadura).
➔ Requisitos:
● Extensão adequada
● Delimitação correta
● Alívios adequados
● Espessura satisfatória
● Resistência adequada
● Boa