A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
260 pág.
Aspectos Comportamentais da Gestão de Pessoas

Pré-visualização | Página 1 de 50

ASPECTOS
COMPORTAMENTAIS
DA GESTÃO DE PESSOAS
Isabel Stepanski
Maria Eugênia Costa
2010
IESDE Brasil S.A. 
Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1.482. CEP: 80730-200 
Batel – Curitiba – PR 
0800 708 88 88 – www.iesde.com.br
Todos os direitos reservados.
© 2010 – IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por 
escrito dos autores e do detentor dos direitos autorais.
Capa: IESDE Brasil S.A.
Imagem da capa: IESDE Brasil S.A.
S827a Stepanski, Isabel. Costa, Maria Eugênia. / Aspectos Comportamentais da Gestão 
de Pessoas. / Isabel Stepanski; Maria Eugênia Costa — Curitiba : IESDE 
Brasil S.A. , 2010. 
260 p.
ISBN: 978-85-387-1035-6
1. Gestão de pessoas. 2. Administração de Conflitos. 3. Comportamento Hu-
mano. 4. Cultura Organizacional. I. Título. 
CDD 658.3
Possui MBA em Gestão do Conhecimento e Inteli-
gência Empresarial pela COPPE/UFRJ. Pós-gradu-
ada em Psicopedagogia. Psicóloga. Graduada em 
Comunicação Social – Publicidade e Propaganda. 
Foi coordenadora de Eventos Especiais e da Rede 
de Teleconferências da Escola de Administração 
Fazendária (ESAF) do Ministério da Fazenda. Há 
mais de 15 anos tem atuado com capacitação e 
consultoria na área de Desenvolvimento Humano 
em organizações públicas e privadas. Professora 
da Fundação Getulio Vargas, em Brasília (FGV/
Brasília). Facilitadora e consultora do Sebrae. Di-
retora Executiva do Instituto de Soluções Empre-
sariais e Resultados (ISER). Coach. Está cursando 
pós-graduação em Jogos Cooperativos pela Uni-
monte e Dinâmica de Grupos pela Sociedade Bra-
sileira de Dinâmica de Grupos.
Isabel Stepanski
Doutora e Mestre em Educação nos EUA. Consul-
tora na área de comportamento organizacional 
envolvendo desenvolvimento de equipes, criati-
vidade e desenvolvimento gerencial. Foi chefe de 
departamento de Recursos Humanos do Serpro. 
Diretora de Educação da ESAF – Ministério da 
Fazenda. Professora da Fundação Getulio Vargas 
(FGV) nos cursos de Marketing, RH, Qualidade 
e Gestão da Informação. Credenciada pela Will 
Schutz Associates para uso da metodologia The 
Human Element. Foi diretora nacional do Projeto 
da União Europeia junto à GTZ para cursos de es-
pecialização, consultoria europeia, criação de um 
centro de documentação e coordenação de Se-
minários. Sócia-gerente da consultoria Questão 
Essencial. Consultora ad hoc do BID e do Banco 
Mundial. Coach de grupos e executivos tanto na 
área pública como privada. Possui Certificação 
Internacional, pela Newfield, para atuar como 
coach. Publicou trabalhos nas áreas de grupo 
focal e desenvolvimento de equipes.
Maria Eugênia Costa
su
m
ár
io
su
m
ár
io
su
m
ár
io
su
m
ár
io
su
m
ár
io
su
m
ár
io
su
m
ár
io
A dimensão humana nas organizações 
11
13 | O comportamento organizacional
14 | Comportamento humano e comportamento organizacional
16 | A ética nas organizações
21 | Contribuições de disciplinas nos estudos do comportamento organizacional
22 | Modelos organizacionais e comportamentos
O indivíduo 
31
32 | Fundamentos do comportamento individual
39 | Plano de desenvolvimento – pessoal e profissional
O indivíduo na organização 
47
47 | Percepção e diferenças individuais
50 | Modelo do observador e a tomada de decisão
52 | Domínios primários do observador
58 | Cultura organizacional
59 | Valores
61 | Atitudes e satisfação no trabalho
63 | Conclusão
Equipes 
73
73 | Grupos e equipes
78 | Fundamentos do comportamento de equipe
Produtividade nas equipes 
91
91 | Papéis e atribuições
95 | Equipes de alto desempenho
98 | Como implementar equipes de alto desempenho
99 | Aspectos contemporâneos da administração de equipes
Comunicação 
113
114 | Elementos do processo de comunicação
115 | Fundamentos da comunicação
121 | Fatores críticos
122 | A importância do feedback
Liderança 
131
131 | Diferentes abordagens
132 | Liderança e gestão
135 | Abordagens sobre gestão
138 | Estilos de liderança
Liderança e poder 
151
152 | Poder, autoridade e responsabilidade
158 | Competências e desenvolvimento da liderança na gestão pública
161 | O líder conectivo
Negociação 
169
169 | Globalização e negociação
177 | Inteligências emocional e social
180 | Estilos de negociação
Conflito 
197
199 | Abordagens
201 | O processo do conflito
205 | Alinhamento organizacional – interesses individuais e coletivos
su
m
ár
io
su
m
ár
io
su
m
ár
io
su
m
ár
io
su
m
ár
io
su
m
ár
io
su
m
ár
io
O significado no mundo organizacional 
215
216 | Cultura
220 | Clima e ambiência
225 | Comprometimento profissional
227 | Comprometimento organizacional e motivação
Motivação 
239
239 | Introdução
240 | Teorias motivacionais
250 | Exemplos de práticas – aplicações
251 | Qualidade de vida no trabalho
253 | O que o motiva?
A
spectos C
om
portam
entais 
da G
estão de P
essoas
Introdução
Apresentamos neste livro as principais aborda-
gens da dimensão humana nas organizações. 
Vivemos numa sociedade configurada em torno 
de organizações. O bom funcionamento das 
empresas e instituições públicas permite um 
bom atendimento, condições para qualidade de 
vida e o desenvolvimento humano. As pessoas 
que trabalham nas organizações são fundamen-
tais para que esse ciclo de prestação de serviços 
ocorra com efetividade. Os capítulos a seguir 
foram estruturados procurando conciliar uma 
visão introdutória ampla para contextualizar o 
tema, referenciais teóricos e reflexões práticas 
buscando aderência com a realidade de cada 
leitor.
A dimensão humana 
nas organizações
Maria Eugênia Costa
A dimensão humana na gestão contemporânea é um tema fundamental 
para uma compreensão das inquietudes que ocorrem no ambiente organi-
zacional. A configuração deste capítulo compreenderá uma visão das linhas 
do pensamento administrativo e filosófico numa perspectiva histórica, 
apresentando uma cartografia do estudo da dimensão humana e a relação 
entre modelos de gestão e os tipos de vínculos organizacionais, focalizando, 
também, os aspectos da ética empresarial.
Quando falamos na dimensão humana, lembramos que a grande busca 
do ser humano pode ser a do significado. Muitas vezes ouvimos depoimen-
tos de funcionários que dizem não ver a hora para as férias, para a aposen-
tadoria, para ganhar na loteria e ir embora. Essa insatisfação nos remete aos 
aspectos negativos da relação do indivíduo com o trabalho. Um mito grego 
que representa bem essa situação é o de Sísifo.
O mito de Sísifo, na Odisseia de Homero, relata que, ao ofender os deuses, 
ele foi condenado a empurrar uma pedra montanha acima e esta, ao chegar 
ao cume, rolava de volta e ele eternamente retomava a tarefa.
Devemos nos conformar com essa visão do mundo laboral? O trabalho 
humano tem e precisa de uma intencionalidade, de um significado, senão se 
transforma numa condenação.
Para compreendermos a dimensão humana no âmbito das organizações, 
precisamos desenhar o contexto histórico da evolução das diferentes visões 
organizacionais. Essas visões não surgiram do vazio, em verdade corporifi-
caram movimentos sociais, políticos e econômicos do seu tempo. O pensa-
mento administrativo evoluiu a partir de escolas de pensamento que podem 
ser estruturadas em três perspectivas – estrutural, humanística e integrativa. 
Fatores políticos, sociais e necessidades humanas provocaram a cada mo-
mento o brotar de uma abordagem de gestão. A modernização e a preocu-
pação com o bem-estar social e do ser humano surge no início do século XX, 
em que o indivíduo passa a ser o centro das atenções e a preocupação com 
ambientes organizacionais saudáveis e enriquecedores passa a existir.
12
A dimensão humana nas organizações
A influência de linhas de pensamento e filósofos pode ser percebida em 
cada uma das perspectivas listadas a seguir.
1. A abordagem estrutural busca uma explicação para o mundo, inspira-
-se no racionalismo para explicar os fenômenos naturais e sociais. O pensa-
mento racional obedece a certos