A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Melanoma Resumo Genética Humana

Pré-visualização | Página 1 de 1

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS-UEA
ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE-ESA
Docente: MSc. Hallana Cristina 
Discentes: Isabelly Galvão; Luis Guilherme Ribeiro; Keully Guerreiro.
Melanoma
O melanoma é um tipo de câncer de pele que tem origem nos melanócitos. Ocorre principalmente na pele, mas também são observados nas mucosas orais, regiões genitais e conjuntivas. Varia de tamanho, dimensão e cor. Além de ser o câncer de maior prevalência no Brasil, tende a invadir tecidos causando metástase, por isso é considerado o tipo mais grave. Este câncer é menos comum em pessoas com pigmentação mais escura; quando ele ocorre geralmente afeta regiões mais claras, por exemplo, a palma da mão e a planta do pé. Os fatores que contribuem para a existência do melanoma são: exposição ao sol por tempo prologado, possuir nevos atípicos, ter a pele clara, sardas e cabelos claros e possuir histórico familiar de câncer de pele, pessoas que possuem casos na família tem mais chances ( que podem chegar a 30 vezes) de desenvolver essa doença (melanoma familiar) e necessitam de acompanhamento contínuo.
O melanoma, assim como a maioria das neoplasias é considerado uma doença multifatorial, ocasionando mudanças pleiotrópicas. Nesse processo, estão incluídos dois genes: CDKN2A e Rb (de susceptibilidade ao retinoblastoma humano), ambos do tipo supressor de tumor. O primeiro é encontrado no gene 9p21 e é responsável por codificar uma proteína inibidora de Quinase, a p16 que quando não regulada, apresenta superexpressividade e inibe a progressão do ciclo celular. E o último é encontrado no cromossomo 13p14 e codifica a proteína Rb que está associada ao crescimento celular normal e qualquer desregulação que gere a sua ausência gera o chamado padrão homozigoto que torna propício o desenvolvimento de neoplasias.
O melanoma pode aparecer em qualquer parte do corpo, na pele ou mucosa na forma de manchas, pintas ou sinais, assim ele é o mais grave por sua capacidade de metástase, ou seja, disseminação do câncer para outros órgãos. O prognostico desse tipo de câncer pode ser considerado bom se detectado incialmente, o que ocorreu nos últimos anos aumentando a sobrevida pela detecção precoce do tumor e a introdução dos novos medicamentos imunoterápicos.
Referências:
TOLEDO, Caroline. Fatores genéticos e moleculares relacionados ao melanoma. UFG, Goiânia, 2012. Disponível em: <http://ppgca.evz.ufg.br/up/67/o/2º_seminárioDenise_Caroline_Toledo.pdf?1354878172>. Acesso em: 07 de nov. 2019.
Oncologia Brasil. Câncer uma doença genética. Disponível: <https://www.oncologiabrasil.com.br/cancer-uma-doenca-genetica/>. Acesso em: 07 de nov. 2019.
Manual MSD. Melanoma. Disponível em: <https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/distúrbios-dermatológicos/câncer-de-pele/melanoma>. Acesso em: 07 de nov. 2019.