A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Mordida Cruzada Anterior e Posterior

Pré-visualização | Página 1 de 3

AULA 9  
Manuella Soussa Braga  
Ortodontia I - 7º período - 2020/2  
Mordida Cruzada  
ANTERIOR e POSTERIOR  
  
A mordida cruzada é uma relação anormal, vestibular ou                  
lingual, de um ou mais dentes da maxila com um ou mais                        
dentes da mandíbula. O diagnóstico de mordida cruzada é                  
morfológico e etiológico (é necessário mapear a etiologia).   
  
A mordida cruzada anterior é uma alteração sagital                
(ântero-posterior) das arcadas dentárias, enquanto a            
mordida cruzada posterior é uma alteração transversal.   
  
Mordida Cruzada Anterior  
É uma relação vestíbulo-lingual anormal entre os dentes                
anteriores com incisivos inferiores posicionados          
anteriormente aos superiores. Clinicamente, essa relação            
se apresenta como um overjet negativo, em que o incisivo                    
superior oclui na superfície lingual do incisivo inferior.   
  
  
A etiologia precisa ser entendida ou eliminada, pois, caso                  
não seja, há grandes chances de recidiva durante a fase de                      
contenção.   
  
● erupção lingual do sup. ou vestibular do inf.   
○ traumatismo no dente decíduo  
○ supranumerário, cistos ou tumores  
○ falta de espaço  
○ perda precoce do decíduo  
○ retenção prolongada de decíduo  
● hábito de morder o lábio superior  
● desvio funcional ant. da mandíbula (pseudo cl. III)  
● classe III verdadeira (MC anterior esquelética)   
  
  
Avalia-se:  
● o número de dentes cruzados  
● onde está a alteração (IS, II ou ambos)  
● se existe espaço para correção  
● se a sobremordida é suficiente para contenção  
● se a alteração é dentária ou esquelética  
● o padrão de fechamento mandibular (desvio)  
● grau de formação radicular   
  
A sobremordida é uma medida necessária para estabilizar                
o tratamento.   
  
dentária  
funcional (pseudo classe III)  
esquelética (classe III verdadeira)  
  
Mordida Cruzada Anterior Dentária  
  
  
Diante de uma mordida cruzada anterior de origem                
dentária, as bases ósseas da maxila e mandíbula estão                  
sagitalmente equilibradas ( Classe I de Angle ). O problema                
em questão é que há uma inclinação dentária alterada ,                  
geralmente localizada em um ou dois dentes.   
  
Também não se tem um desvio funcional da mandíbula, ou                    
seja, a RC = MIH (ou muito próxima). O paciente possui um                        
crescimento facial equilibrado . Alguns aspectos clínicos            
que são possíveis de visualizar são desgastes na                
vestibular dos superiores e recessão gengival inferior .   
  
  
Não há alterações esqueléticas craniofaciais significativas.  
É possível visualizar uma inclinação dentária axial alterada.   
  
  
1. Espátula de Madeira  
2. Plano Inclinado Individual de Resina Composta  
3. Plano Inclinado Inferior de Acrílico  
4. Placa com Mola Digital   
  
Espátula de Madeira.  
  
  
  
  
ETIOLOGIA  
CONSIDERAÇÕES PARA TRATAMENTO  
CLASSIFICAÇÃO QUANTO À ORIGEM  
CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS  
CARACTERÍSTICAS RADIOGRÁFICAS  
TRATAMENTO  
indicação   fase de erupção  
vantagem   custo e rapidez do tratamento  
desvantagem   cooperação  
  
protocolo  
- espátula em 45º  
- intervalos de 5 a 10 minutos por hora  
- 2 horas por dia  
AULA 9  
Manuella Soussa Braga  
Ortodontia I - 7º período - 2020/2  
  
Plano Inclinado Individual em Resina Composta.  
  
Plano Inclinado Inferior em Acrílico.  
  
Placa com Mola Digital.   
Arco de Hawley (arco vestibular)  
- limita o movimento e retenção  
- fio com 0.7 mm  
  
Mola  
- simples  
- hélice  
- fio 0.6 ou 0.5 mm  
- faz passivo e depois ativa  
  
  
Caso a mordida cruzada anterior dentária não seja tratada…  
Perda do espaço no arco.   
Desgaste vestibular no IS cruzado.   
Oclusão traumática (recessão gengival especialmente no II)  
Desenvolvimento de MCA funcional (pseudo classe III)  
Desenvolvimento de má oclusão classe III.   
  
Mordida Cruzada Anterior Funcional  
  
  
É o desvio funcional anterior mandibular durante o                
fechamento. Há um contato prematuro, sendo que a RC é                    
diferente da MIH. Quando há o contato prematuro na RC, o                      
paciente faz o desvio da mandíbula para anterior para a                    
posição de MIH.   
  
Em MIH, os incisivos estão cruzados, os molares tendem a                    
uma posição de classe III (pseudo-classe III). Em RC, os                    
incisivos tendem a uma posição de topo-a-topo e os                  
molares tendem a uma posição classe I. O tratamento leva                    
em consideração a mordida em RC, levando em                
consideração a eliminação do contato prematuro que leva                
ao desvio para MIH.   
  
Na máxima abertura, a mandíbula tende a não desviar.                  
Quando fecha lentamente, é possível observar o primeiro                
contato. Se esse primeiro contato coincide com outros                
contatos, é um bom sinal de que a RC está bem próxima ou                          
é igual a MIH.   
  
Caso seja observado essa alteração funcional, é necessário                
confeccionar um JIG de resina acrílica para que o paciente o                      
posicione no momento de realizar a radiografia para não                  
interferir na projeção da mandíbula e interferir no resultado                  
do exame.   
  
Origem do contato prematuro.   
Dentária (inclinações axiais estão alteradas)   
Esquelética (classe III incipiente)  
  
Caso a MC anterior funcional não seja tratada…  
Crescimento facial alterado  
Restrição do crescimento maxilar  
Estímulo do crescimento mandibular  
Tensões excessivas na ATM  
Desenvolvimento da Classe III  
indicação   incisivo inferior também está  
vestibularizado  
vantagem   custo, facilidade, rapidez no tratamento  
e não necessita de cooperação  
desvantagem   desconforto e risco de trauma  
  
protocolo  
adicionar incrementos em resina,  
aumentando a coroa clínica dentária  
com movimento recíproco  
  
requisitos  
para indicação  
incisivo superior (até 2) lingualizado  
espaço suficiente para descruzar  
ápice próximo à posição correta  
relação de classe I de Angle  
sobremordida suficiente (contenção)  
  
  
  
características  
ancoragem mínima: dente a ser  
descruzado + 2 (A = N + 2), rampa lisa  
adapta na superfície palatina no inc.  
superior, 45º com plano oclusal,  
contorno gengival vestibular e lingual,  
toca-se apenas os dentes cruzados,  
tempo de uso curto de até 3 semanas  
vantagens   fácil construção, rápida correção,