A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
FÁRMACOS TRATO GASTROINTESTINAL - mapa mental

Pré-visualização | Página 1 de 1

TRATO
GASTROINTESTINAL
Drogas utilizadas 
para a secreção 
ácida
Neutralizam o 
ácido
Citoprotetoras
Inibem a 
secreçãoAntiácidos
Bismuto
Sucralfato
Prostaglandinas 
(Misoprostol)
Anticolinérgicos
Bloqueadores H2
Inibidores da 
bomba de 
prótons
Promovem cicatrização de úlcera 
gástrica duodenal. DRGE. Previnem 
úlcera de estresse. Efeitos adversos: 
diarreia, cefaleia, sonolência, fadia. IV 
e idosos - alucinações, delírio, fala 
arrastada (cimetidina). Atravessam a 
placente, excretados via leite materno. 
Ginecomastia, galactorreia e 
impotência sexual (cimetidina). 
Interação Medicamentosa - cimetidina 
diminui o metabolismo hepático por 
algumas enzimas como: CYP1A2, 
CYP2C9, CYP2D6, CYP3A4.
Marco no tratamento da doença ácido 
péptica. Bloqueiam competitivamente as 
ações da histamina em receptores H2. 
Diminuem a secreção de pepsinogênio. 
Suprimem a secreção ácida tanto basal 
quanto estimulada por alimento de modo 
linear e dose-dependente. Supressão da 
secreção ácida noturna.
Efeitos indesejados: raros. Diarreia, 
tontura, dores musculares, erupções, 
alopécia, cutâneas transitórias e 
hipergastrinemia. Cimetidina - pode 
provocar ginecomastia em homens por 
afinidade moderada em receptores 
androgênios e raramente diminuição da 
função sexual.
- Cimetidina
(60-70% secreção HCl 24 horas)
- Ranitidina
(90% secreção HCl noturna)
- Nizatidina
(90% secreção HCl noturna)
- Famotidina
(60-70% secreção HCl diurna)
São as drogas mais 
eficazes para supressão 
ácida gástrica. São 
pró-fármacos. Instáveis em 
pH ácido. Ligação ao sítio 
alvo é irreversível 
(prolongada). Suprimem a 
produção de ácido 
estimulada e basal. 
Administrar 30 min antes da 
refeição. Formulações para 
liberação entérica - 
gastroresistentes.
- Omeprazol e 
seu isômero S
- Lansoprazol
- Pantoprazol
- Rabeprazol
- Esomeprazol
Tratamento da úlcera gástrica e 
duodenal. DRGE. Tratamento 
da Síndrome de 
Zollinger-Ellison. H. pylori e 
AINE. Liga-se as proteínas 
plasmáticas. Extensivamente 
metabolizadas (CYP2C12 e 
CYP3A4). Omeprazol inibe 
CYP2C19 e induz CYP1A2. 
Supressão máxima requer 
várias doses (90-98%). 
Supressão ácida por 24 a 48 
horas (t1/2vida = 2h). 
Efeitos adversos: poucos 
efeitos colaterais. Náusea, 
dor abdominal, obstipação, 
flatulência e diarreia. Podem 
interferir na eliminação de 
outros fármacos. Redução da 
absorção de vitamina B12. 
Risco de infecção pelo TGI. 
Perda de secreção ácida 
pode afetar a 
biodisponibilidade de 
fármacos - cetoconazol, 
ampicilina, sais de ferro. 
Ocorre hipersecreção ácida 
de rebote (hipergastrinemia).
Deve ser administrado em jejum 
(1 h antes da refeição). Efeitos 
adversos: obstipação (2%). 
Deve ser evitado em pacientes 
com insuficiência renal em risco 
de sobrecarga de Al3+. Pode 
inibir a absorção de muitos 
fármacos (2h)
Pode ser utilizado em esquemas de combinação no 
tratamento da infecção por H. pylori. Recobre as 
úlceras e erosõs - barreira física. Advsorve a pepsina, 
enterotoxinas. Aumenta a secreção de 
prostaglandinas. Aumenta a secreção de mucina e 
HCO3-. Efeitos colaterais: escurecimento das fezes e 
obstipação.
Análogo sintético da PGE1. Inibe 
a secreção ácida (dose). Síntese 
de muco e HCO3. Aumento do 
fluxo sanguíneo. Úlceras 
duodenais e gástricas (AINE). 
Efeitos adversos: diarreia e 
dores abdominais. Intensas 
contrações uterinas (aborto). 
Alimentos e antiácidos diminuem 
a absorção.
Mais simples de todas as terapias para tratar os 
sintomas de secreção excessiva de suco gástrico. 
Atuam ao neutralizar o ácido gástrico, elevando o 
pH. Inibe a atividade péptica (cessa com pH 5.0). 
Alívio sintomático dos sintomas dispépticos. Alivio 
da dor nas úlceras. Podem produzir fechamento de 
úlceras duodenais, diminui úlceras gástricas.
Não 
sistêmicosSistêmicos
Bicarbonato de Sódio - atua 
rapidamente. CO2 liberado causa 
eructação, náusea, distensão abdominal 
e flatulência. Absorvido rapidamente. 
Cargas de Na+ pode representar risco 
para indivíduos com HAS e IC. 
Preparações com AAS são 
comercializados para "indigestão" 
escolha irracional (potencialmente 
inseguras - predisposição para úlcera). 
CaCO3 - induzir secreção ácida de 
rebote.
Hidróxido de Magnésio (diarréia) - pó 
insolúvel, forma MgCl2. Não produz 
alcalose sistêmica. Mg2+ pouco 
absorvido. Trissilicato de Magnésio - pó 
insolúvel, reage lentamente com o suco 
gástrico, forma MgCl2 e sílica coloidal 
(adsorve pepsina). Hidróxido de alumínio 
(constipação) - forma cloreto de alumínio 
(adsorve pepsina). Coloidal combina-se 
com fosfatos no TGI (aumento nas fezes). 
Pacientes com insuficiência renal.
	Mapa mental com linhas
	Mapa mental com linhas