A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Teste 2 educação para Relações Étnicos Raciais

Pré-visualização | Página 2 de 3

de centros de religiões africanas é prejudicial para a população brasileiro porque acreditam em
divindades demoníacas que só servem para fazer o mau para o próximo.
O tombamento histórico de terreiros deveria ser proibido por lei por atentar contra a fé de outras pessoas contrárias às
religiões de matriz africanas.
Não há nenhuma importância em termos terreiros tombados.
Reconhecimento enquanto um local de resistência das tradições africanas, por meio de suas expressões religiosas, com
possibilidade de ser não apenas um local religioso como também de importância histórica, cultural, educacional para a
sociedade brasileira. 
Valorização da religião de matriz africana em detrimento de outras religiões, reconhecendo a sua superioridade e
tradicionalidade para a constituição do sentimento de nação.
Sua resposta está correta.
A resposta correta é: Reconhecimento enquanto um local de resistência das tradições africanas, por meio de suas expressões
religiosas, com possibilidade de ser não apenas um local religioso como também de importância histórica, cultural, educacional
para a sociedade brasileira..
14/05/2021 Teste 2
https://ava.unisanta.br/mod/quiz/review.php?attempt=1361230&cmid=148587 4/6
Questão 6
Correto
Atingiu 1,00 de
1,00
Questão 7
Correto
Atingiu 1,00 de
1,00
Comumente podemos ouvir frases racistas onde as pessoas que a falaram têm a certeza de que não são racistas, não foram
racistas ou, então, fizeram-se entender equivocadamente. A exemplo disso podemos citar frases como: Até que seu cabelo nem
é tão “RUIM”; Meu nome não é “NEGÃO”. “Meu nome é” Bernardo”; Você não é negra. Você é “MORENINHA”. Reconhece-se
que as palavras têm sentidos, significados e expressam não apenas o que as pessoas pensam direta ou indiretamente, como
também como elas foram subjetivadas por estas palavras/conceitos durante seus contínuos processos de formação. Para tanto,
recomenda-se que:
Escolha uma opção:
Os professores fiquem atentos aos seus discursos e aos dos alunos para que, identificando um discurso racista, crie
dispositivos específicos que mitiguem a sua existência, evitando a sua nova ocorrência. 
A sala de aula é uma extensão da sociedade e justamente por isso o racismo estará presente no cotidiano dos alunos,
fazendo com que aqueles que foram discriminados já aprendam a viver em sociedade.
Não cabe aos professores se preocuparem com a ocorrência do racismo em sala de aula ou dentro de sua escola, pois é
um problema social do Brasil e não exclusivo daquela unidade de ensino em específica.
Os professores devem compreender que o racismo é estrutural na sociedade brasileira, não havendo condições para
mitiga-lo em sala de aula.
Os professores devem punir, com expulsão, alunos que falem frases racistas com o objetivo de que tais comportamentos
não sejam repetidos em sala de aula por consequência já conhecida por todos.
Sua resposta está correta.
A resposta correta é: Os professores fiquem atentos aos seus discursos e aos dos alunos para que, identificando um discurso
racista, crie dispositivos específicos que mitiguem a sua existência, evitando a sua nova ocorrência..
Para Nilma Lino Gome, em seu artigo intitulado Educação, raça e gênero: relações imersas na alteridade, “as teorias racistas
presentes no cotidiano escolar e na sociedade não surgiram espontaneamente, nem são meras transposições de pensamento
externo. Elas sofrem um processo de retroalimentação, e terminam por legitimar o racismo presente no imaginário social e na
prática social e escolar. (p.70) [...] O trabalho pedagógico ainda é realizado levando em consideração apenas a “boa vontade”
dos docentes. A prática das professoras está distante de uma análise histórica, sociológica, política e antropológica sobre a
diversidade étnico-cultural. As opiniões giram em torno do senso comum e o que é pior, estão carregadas de um discurso
racista e sexista. Nesse sentido, as representações do negro e da mulher presentes no cotidiano escolar parecem se aproximar
das teorias racistas. (p. 74). Portanto, para mitigar o senso comum e a lógica racista, recomenda-se, ao professor:
Escolha uma opção:
Realizar uma leitura crítica dos livros escolares e uma análise discursiva de suas próprias falas em sala de aula para
identificar teores racistas com o objetivo de não as reproduzir mais vezes. 
O senso comum é a forma mais positiva que se tem para discutir assuntos em sala de aula, por fazer parte do cotidiano
discente e docente, sendo um elo que permite conectar todos os presentes em sala de aula.
Não cabe ao professor ter leitura científica para ministrar aula, por ser uma obrigatoriedade que não compete a ele e
nem a sua profissão, sim aos professores universitários.
Ao contrário do que se afirma, o conhecimento científico é prejudicial para uma boa didática em sala de aula,
prejudicando não apenas o processo de ensino como dificultando a comunicação e entendimento do assunto abordado.
A autora afirma que o senso comum é positivo para o debate em sala de aula pelo fato de que ele expressa aquilo que o
professor tem de maior conhecimento, o seu cotidiano.
Sua resposta está correta.
A resposta correta é: Realizar uma leitura crítica dos livros escolares e uma análise discursiva de suas próprias falas em sala de
aula para identificar teores racistas com o objetivo de não as reproduzir mais vezes..
14/05/2021 Teste 2
https://ava.unisanta.br/mod/quiz/review.php?attempt=1361230&cmid=148587 5/6
Questão 8
Incorreto
Atingiu 0,00 de
1,00
Questão 9
Correto
Atingiu 1,00 de
1,00
Durante muito tempo, durante o ano de 2016, um caso causou enorme repercussão nas mídias sociais por conta de um bilhete
que a coordenadora de uma escola enviou para a mãe de duas crianças por conta de um surto de piolho que a escola estava
vivenciando. Embora não haja produção acadêmica que comprove que cabelos mais baixos ou curtos evite entrarem em
contato com este tipo de inseto, visto que sua transmissão se dá a partir do contato direto, a escola informou que não foi uma
manifestação de racismo. No que se refere às questões do uso e manutenção do cabelo crespo, enquanto fortalecimento
identitário para alunos do ensino infantil, qual a melhor abordagem teórico-metodológica a ser desenvolvida?
 
Escolha uma opção:
É um assunto que cabe exclusivamente a família, não a escola, professor ou sala de aula.
Mostrar as diferenças existentes entre os cabelos crespos, valorizando-os em detrimento do liso, para que os alunos de
cabelos crespos tenham maiores orgulhos de seus cachos. 
Fazer piadas com os cabelos lisos para que as crianças de cabelos crespos compreendam que seus cabelos são bonitos e,
assim, valorizem-nos.
Utilizar livros de personagens negros que valorizem suas etnicidades e manter bonecas negras junto a sala de aula, para
que alunos tenham maiores contatos com as diferenças.
Não cabe ao professor se preocupar com estar questões porque não fazem parte do currículo escolar obrigatório.
Sua resposta está incorreta.
A resposta correta é: Utilizar livros de personagens negros que valorizem suas etnicidades e manter bonecas negras junto a sala
de aula, para que alunos tenham maiores contatos com as diferenças..
De acordo com Sephora Santana, Tarcília Melo e Fabianne Gomes, em artigo Infância Negra: a representação da figura do negro
no início da construção de sua identidade, “A criança negra percebe no cotidiano escolar, que há uma rejeição quanto a sua
etnia. Em datas comemorativas, como o Dia das Mães, em geral, são ilustradas famílias brancas. Na roda de leitura, em geral, as
estórias infantis, como a Branca de Neve e os Sete Anões, a personagem principal é branca. Entre outras atividades propostas
pela escola, a criança negra não se reconhece nas mesmas. Há uma ausência da figura do negro no contexto escolar. Desta
forma, ela interioriza que o branco é sinônimo de ser belo e aceito socialmente. As demais crianças brancas também
incorporam esses valores, repercutindo no comportamento possíveis relações conflituosas de segregação e exclusão.”