Buscar

Roteiro de estudo psicanalise Winnicott Unip

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 5 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Roteiro de estudo psicanálise (Winnicott) Unip
O ser humano para Winnicott nasce como um conjunto desorganizado de pulsões, instintos, capacidades perceptivas e motoras que conforme progride o desenvolvimento vão se integrando, até alcançar uma imagem unificada de si e do mundo externo.
A mãe suficientemente boa ou ambiente promove um ambiente de proteção, funcionando como um ego auxiliar e em todos os momentos antecipa-se às necessidades da criança. Ela tem que errar para que o bebe consiga se desenvolver.
Preocupação materna primária: capacidade da mãe de estar disponível e atenta as necessidades do bebe, ela mesmo estando cansada, essa mãe fica num estado diferenciado psiquicamente entrando numa coisa chamada “loucura das mães” que depois de um tempo volta ao normal. Lembrando que essa preocupação está presente só nas mães suficientemente boas. 
A mãe insuficientemente boa é aquela que não esta atenta as necessidades do bebe. Um bebe sem rotina ou que é cuidado por muitas pessoas tem uma mãe insuficientemente boa. Existem falhas graves e saudáveis para a criança.
A mãe suficientemente boa ou insuficientemente boa pode ser aquela pessoa que desempenha aquela função de mãe e não necessariamente a figura materna biológica.
Dependência Absoluta (0 – 6meses), no entanto aos 4 meses o bebe já reconhece a mãe. 
Dependência relativa (6 meses – 2 anos) nesse período a criança começa a se relacionar com outros objetos e se separar da mãe, começa a ter uma autonomia, começando o complexo de édipo. Após essa fase ela já esta mais desenvolvida sabendo de algumas coisas, como poder ou não brincar na casa do vizinho (isso na mãe suficientemente boa)
3 funções maternas principais
HOLDING= acolhimento, proteção, sustento físico e psíquico uma vez que o bebe esta totalmente despreparado. Um holding deficiente gera uma perturbação na criança, dando uma sensação de despedaçamento e de estar caindo. Ele tem função de integração, do bebe e do outro, porque no inicio o bebe não sabe onde ele ou o outro começa.
A função de formação do holding é a integração
HANDLING= refere-se aos cuidados físicos como troca de fralda, nomear as partes do corpo e conversar com ele. 
A função de formação do handling é a função de personalização, essas função é quando o bebe reconhece as partes do corpo
APRESENTAÇÃO DO OBJETO= é a apresentação dos objetos do mundo para o bebe, a mãe faz a apresentação do primeiro objeto, o seio (como objeto de prazer). O bebe vai interagindo e tendo mais relações de prazer. 
A função de formação são os relacionamentos interpessoais, que o bebe descobre que existe outras pessoas além da mãe para se relacionar.
Ambiente= desempenha função de desenvolvimento para a criança, de forma que ela possa integrar as coisas e se separar da mãe, gerando assim um autonomia. 
Continuidade do ser é basicamente quando a criança percebe que há outras pessoas. O ambiente seguro proporciona isso.
Falha no ambiente gera dificuldades psíquicas, pois a criança precisa de um ambiente que a favoreça. A psicose e a neurose teriam sua falha no ambiente, na neurose ocorre uma falha suportável e na psicose e grave, sendo q na suportável a criança consegue integrar, na outra não. Outras falhas podem se pensar em transtornos neuróticos
A família representa tudo em volta do bebe, pois ela que ira cuidar e fazer com que ele se desenvolva.
A 
Falso self= quando há alguma falha no ambiente ocorre o falso self. Ele não é o que o sujeito é, mas sim o desejo do outro a partir de algo que não é dele, mas acredita que é, isso gera conflitos na vida do sujeito como problemas na vida pessoal ou profissional. 
O objetivo da analise é procurar o verdadeiro self, pois assim o sujeito conseguirá identificar seus desejos e ver do que realmente gosta. A analise faz a regressão para que se possa identificar em que momento/fase ouve uma falha no ambiente que gerou esse falso self.
A regressão se refere à falha primordial e não com essas coisas de vidas passadas ou de determinada idade, mas no momento do desenvolvimento primitivo. Na analise o analista age como mãe suficientemente boa desempenhando papel de função materna que não foram feitas adequadamente, promovendo holding na analise.
Verdadeiro self
Ambiente e maternagem= a mãe ou ambiente tem importância de proporcionar sentimento de continuidade do ser, isso só é possível quando essa mãe ou esse ambiente da o suporte necessário para esse bebe. Isso se relaciona com as três funções maternas (apresentação do objeto, holding e handling).
Quando o sentimento de continuidade for frequente ou tiver pouca interrupção o bebe experimenta essa formação de continuidade do ser que da origem a formação do verdadeiro self, do contrario surge o falso self que protege o verdadeiro self que é ameaçado por intrusões ambientais. 
Uma boa identificação do falso self é o personagem do anime naruto, o Gaara, que tem a areia com falso self, pois a mesma o protege de interagir com o mundo e o privando de vivenciar as experiências que o mundo tem a oferecer.
Fenômeno transicional= ele não se limita apenas a objetos, também abrange comportamentos. Nele é caraterizado a passagem de uma fase para a outra que esta carregada de angustia e aliviada por estes comportamentos. Essa separação pode ser o desmame, o ida pra escola ou uma mudança de casa. Nós usamos musica por exemplo em dias ruins para sanar nossas angustias 
Objeto transicional= A criança utiliza esse objeto como um suporte que o auxilia na passagem de dependência absoluta para a dependência relativa, com o surgimento da angustia o objeto transicional serve de suporte. Esse objeto pode ser um ursinho, uma boneca ou um paninho. O objeto transicional vai perdendo o sentido aos poucos. 
A criança precisa de uma noção de continuidade, não se pode reprimir a criança diante desse objeto transicional
Resumindo: O conceito de objeto ou fenômeno transicional recebe três usos diferentes: um processo evolutivo, como etapa do desenvolvimento; vinculada às angústias de separação e às defesas contra elas; representando um espaço dentro da mente do indivíduo. Ele propõe ainda que em determinadas condições, o fenômeno ou objeto transicional pode ter uma evolução patológica, ou mesmo se associar a certas condições anormais.
Agressividade= Winnicott pensa que a criança pequena tem uma cota inata de agressividade, que se exprime em determinadas condutas auto-destrutivas. O bebê volta seu ódio sobre si mesmo para proteger o objeto externo; mas esta manobra não é suficiente e em sua fantasia a mãe pode ficar intensamente danificada.
Ódio na contratransferência= é importante lembrar a falha no ambiente que o bebe vivenciou, o bebe como não tem seu desenvolvimento formado ainda ele pensa que é uma extensão do outro ainda, por isso ele não tem condições de odiar aquele que não da suporte adequado para ele e não atende suas necessidades. Ao invés do ódio o bebe experimenta uma sensação de angustia e ameaça de ser destruído, um exemplo são aqueles pacientes que dentro do setting terapêutico experimentam um sentimento de inutilidade ou vazio. 
Quando o analista quer que o paciente sinta ódio e isso não ocorre o próprio analista passa a sentir ódio e indignação, por outro lado é importante que o analista esteja ciente do próprio ódio que pode ser despertado pelo paciente que tem seu ódio despertado também pelo analista. Pequenas falhas podem desencadear um ódio muito grande nos pacientes.
Manejo= é quando há falha ambiental grave, e quando há essa falha a consequência é a delinquência ou conduta antissocial, podendo dar origem a uma psicose. Ai que entre o terapeuta, onde não há formação do ego ainda. É mais importante o comportamento do analista do que as interpretações. O manejo é importante somente em falhas graves de ambiente, pois quando houve falha mas não grave o ego consegue lidar.
Manejo então se refere ao comportamento do analista diante do paciente com uma falha ambiental grave na fase do desenvolvimento do ego. Em resumo ele é a capacidade de criar maneiras de sustentação paraonde houve falha ambiental
Setting terapêutico= ambiente facilitador e confiável.
Para que o analista consiga lidar com o ódio na contratransferência é preciso que o mesmo faça terapia também.
Capacidade de criar maneiras de sustentação para onde houve falha ambiental
3 tipos de pacientes: 
Relacionamento interpessoal= pacientes com dificuldade de relacionamento interpessoal, mas não tem necessidade de adaptação técnica.
Integração do ego= pacientes em que sua personalidade esta começando, com foco na dependência relativa
Manejo= pacientes com necessidades de manejo onde a analise se baseia nas necessidade iniciais de desenvolvimento. Nesses é mais importantes o comportamento do que a interpretação.

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes