A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Sistema urinário - doenças renais

Pré-visualização | Página 1 de 1

CRISLAYNE RABELO
sistema urinário
Doenças renais
· hidronefrose
· Hidronefrose é o acumulo de urina na pelve renal.
· Pode ser congênita associada a aplasia segmentar de ureter. Aplasia quer dizer ausência de formação e segmentar quer dizer um pedaço, ou seja, ausência da formação de um pedaço do ureter. Assim, o rim vai produzir o filtrado glomerular que vai para a pelve renal, vai para o ureter e não consegue desembocar na bexiga, já que vai estar faltado um pedaço do ureter. Com isso, vai acumular urina no ureter e depois na pelve renal.
· As causas mais comuns de hidronefrose na medicina veterinária são:
· Cálculos urinários: Podem obstruir qualquer lugar no sistema urinário.
· Hiperplasia prostática benigna: A próstata cresce de maneira idiopática comprimindo a uretra. É mais comum em cães velhos.
· Sinais clínicos: Dor, apatia, andar arqueado, vomito e pode ou não ter disúria e anúria.
· Necropsia: A pelve renal vai estar dilatada, repleta de líquido e o parênquima renal vai estar delgado.
· glomerulonefrite
· É a inflamação dos glomérulos.
· Os glomérulos possuem pequenos poros que servem de peneira para que pequenas substâncias passem por ela e caiam no filtrado glomerular. Quando há lesão nos glomérulos, esses poros aumentam de tamanho fazendo com que partículas maiores passem para o filtrado. Entre elas está a proteína, assim o animal vai apresentar proteinúria na urinálise.
· A principal proteína é a albumina. Isso gera hipoalbuminemia que diminui a pressão oncótica.
· Dentro do túbulo essa albumina vai ser compactada e na urinálise vai aparecer cilindros hialinos.
· Se o comprometimento for em mais de 75% dos glomérulos, o animal irá apresentar insuficiência renal que pode ser aguda e evoluir para crônica, onde vai ter aumento de ureia e creatinina circulante (azotemia).
· Achados macroscopicos:
· Na fase aguda o rim fica aumentando de tamanho. Porém o glomérulo perdido vai ser substituído por tecido conjuntivo fibroso, assim depois na fase crônica ele diminui de tamanho.
· O glomérulo também vai ficar visível, sendo possível ser visto como pontos milimétricos avermelhados na fase aguda ou acinzentados esbranquiçados na fase crônica na região do córtex renal.
· Outra coisa é a indistinção da transição cortico-medular.
· GLOMERULONEFRITE POR deposição DE IMUNOCOMPLEXOS
· Imunocomplexos são antígenos ligados ao anticorpo que servem para sinalizar que precisam ser removidos da circulação e mandados para o baço para serem destruídos. Porém quando o imunocomplexo é pequeno, ele passa despercebido pelo baço ficando na circulação e parando em qualquer vaso de pequeno calibre. É comum parar no glomérulo (emaranhado de pequenos vasos) e quando isso acontece o sistema imune identifica, lavando a um processo inflamatório que vai atrair neutrófilo. O neutrófilo vai jogar seus grânulos no imunocomplexo, destruindo-os e também destruindo o tecido adjacente, ou seja, o tecido saudável gerando a glomerulonefrite por deposição de imunocomplexos.
· Na fase aguda ele sente dor, pela compressão do plexo solar que fica ao lado do rim.
· Doenças que causam a glomerulonefrite por deposição de imunocomplexos:
· Cães: Leptospirose, hepatite infecciosa canina, erliquiose e leishmaniose.
· Gatos: Felv, peritonite infecciosa felina (PIF) e neoplasias.
· Equinos: Anemia infecciosa equina que tem notificação obrigatória e é transmitida por um vetor. O animal positivo tem que ser eutanasiado.
· Bovinos: Diarreia viral bovina.
· Suínos: Peste suína africana. Não existe no Brasil, apenas a clássica.