A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
194 pág.
Livro - Fundamentos e Metodologia do Ensino da Lingua Portuguesa

Pré-visualização | Página 8 de 39

Com o aparecimento das primeiras palavras, de acordo com as regras 
fonológicas da língua da criança, inicia-se o chamado período linguístico.
Durante os anos seguintes, a criança produz cada vez mais sons e arti-
cula de forma mais adequada os padrões fônicos da sua língua materna. Por 
volta dos dois anos, as produções fonológicas são razoavelmente inteligíveis 
pelo adulto e aos três anos, embora muitos sons estejam ainda em pro-
cesso de aquisição, a inteligibilidade do discurso é quase total. Por volta dos 
cinco/seis anos, a criança atinge o nível e a qualidade de produção fônica 
de um adulto.
3.1.2 Desenvolvimento semântico
Diz respeito à competência comunicativa, as significações da palavra, e 
refere-se à capacidade da criança em selecionar palavras para construir a sua 
mensagem. A criança adquire o desenvolvimento semântico quando conse-
gue fazer abstrações e entender o significado das palavras não apenas em sua 
forma literal, mas também figurada ou metafórica. Não basta falar todos os 
Fundamentos e Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa
– 40 –
sons da língua e estruturar fases complexas, deve-se falar o conteúdo certo 
para o momento exigido.
3.1.3 Desenvolvimento lexical
Léxico refere-se a todo o conjunto de palavras que as pessoas de uma 
determinada língua têm à sua disposição para expressar-se, oralmente ou por 
escrito. Léxico pode ser definido como o acervo de palavras de um determi-
nado idioma.
O desenvolvimento lexical começa muito cedo, quando a criança é 
capaz de atribuir significado a uma palavra que ouve frequentemente asso-
ciada a uma pessoa, uma ação ou um objeto, e prolonga-se por toda a vida. 
As primeiras palavras produzidas pelo bebê, entre os 9 e 12 meses, são geral-
mente monossílabos ou repetição de sílabas, por exemplo: “papa”, “nenê”... 
por volta dos 18 meses, a criança produz em média 50 palavras e é capaz de 
compreender aproximadamente uma centena de palavras, que são frequente-
mente ouvidas na sua interação com o adulto.
A grande diferença entre o léxico ativo (o que se produz) e o léxico 
passivo (o que se compreende) manter-se-á por toda a vida. As palavras rara-
mente aparecem isoladas; surgem habitualmente organizadas em contextos 
frásicos, que têm um significado particular. Por exemplo, a palavra grama 
pode ter mais de um significado, dependendo do contexto. Exemplos: pisei 
na grama (relva); ou: o objeto pesa duzentos gramas (peso). Designamos por 
conhecimento semântico o conhecimento do significado das palavras, das 
frases e do discurso. Portanto, ao processo de apreensão desse conhecimento 
chamamos desenvolvimento semântico.
3.1.4 Desenvolvimento sintático
As palavras organizam-se em unidades de significado mais amplo e de 
acordo com regras específicas. As regras de organização das palavras em frases 
fazem parte do conhecimento sintático que é apreendido pela criança durante 
toda a infância. No processo de desenvolvimento sintático, as crianças come-
çam por produzir palavras isoladas que representam frases. Este período, que 
decorre aproximadamente entre os 9 e os 15 meses de idade, é chamado 
– 41 –
Aquisição e Desenvolvimento da Linguagem
período holofrásico, ou seja: um dos primeiros estágios do desenvolvimento 
linguístico, no qual a criança usa apenas uma palavra para designar toda uma 
frase ou um mero desejo ou necessidade como, por exemplo, “água”.
À medida que o conhecimento lexical da criança aumenta, os enuncia-
dos vão ganhando a forma de frases que obedecem às regras da língua em que 
a criança vive e convive. Por exemplo, a criança já é capaz de produzir uma 
frase como: “nenê qué papá”. O período da linguagem, caracterizado pelo 
uso de estruturas frásicas embrionárias, é denominado período telegráfico, 
em que não existem artigos, preposições, verbos auxiliares, mas onde impera 
a ordem sequencial das palavras na frase. Quem lembra do telegrama? Assim 
denominado pela semelhança com a forma usada na escrita de telegramas em 
que se procura usar apenas as palavras cujo conteúdo semântico é mais forte. 
Aos três anos, a estrutura básica da frase está adquirida e, por volta dos 
cinco, seis anos, a criança atingiu um estado significativo de conhecimento sin-
tático que lhe permite compreender e produzir frases simples e frases complexas.
3.1.5 Desenvolvimento morfológico
Outro aspecto importante a considerar no desenvolvimento da lingua-
gem diz respeito à aquisição de regras morfológicas, essenciais para consumar 
a concordância entre as palavras na frase. Nos períodos holofrásico e telegrá-
fico as palavras produzidas pelas crianças não apresentam marcas de gênero 
(feminino/masculino), ou número (singular/plural), nem qualquer marca de 
flexão verbal (tempo, pessoa, modo).
À medida que o desenvolvimento se processa, a criança começa a intro-
duzir marcas flexionais no discurso e a respeitar as regras de concordância. 
O final do período telegráfico é caracterizado pelo aparecimento de marcas 
flexionais de gênero e número para as categorias nominais e por desinências 
verbais que marcam pessoa, número, tempo e modo. Exemplo: a menina 
brinca com a boneca.
No período de alfabetização, as estruturas sintáticas básicas e as regras 
essenciais de concordância estão adquiridas. Há, contudo, diferenças indivi-
duais que podem marcar o futuro sucesso da criança. Essas diferenças, funda-
mentalmente relacionadas com a extensão e riqueza lexical e com a compre-
Fundamentos e Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa
– 42 –
ensão e o uso de estruturas sintáticas complexas, dependem principalmente 
da riqueza das interações linguísticas que a criança experimentou, como por 
exemplo: a criança que convive com experiências de letramento.
3.1.6 Desenvolvimento pragmático
Dominar os diversos aspectos estruturais da língua e também as regras 
de adequação ao contexto social, que são determinantes quando conversa-
mos, refere-se ao aspecto pragmático da aquisição da língua. À medida que 
as crianças adquirem mais vocabulário e compreendem melhor a linguagem 
e suas funções, se aproximando cada vez mais da gramática dos adultos, elas 
dominam o aspecto pragmático da língua.
 Saiba mais
A aquisição e desenvolvimento da linguagem permeiam os primeiros 
anos de vida da criança e acontecem mesmo antes de sua entrada 
no processo escolar. Quando se fala em aquisição e desenvol-
vimento da linguagem, o conhecimento das teorias de Vygotsky é 
fundamental, pois o teórico imprimiu especial importância à lingua-
gem. Segundo ele, a linguagem causa três mudanças fundamentais no 
psiquismo humano: permite ao homem lidar com o objeto do mundo 
exterior mesmo na ausência dele; permite um processo de abstração, 
generalização e análise e possibilita ao homem preservar, transmitir e 
assimilar as experiências e informações acumuladas pela humanidade 
ao longo de sua história.
3.2 A criança e sua primeira língua
A língua portuguesa já é entendida e falada pela criança que se vai alfabe-
tizar; ela, geralmente com sete anos, demonstra estar em processo de aquisição 
da linguagem. Já sabe falar, entende o que dizem, tem diversidade de ações 
dependendo de situações, executa alguns trabalhos e, se é preciso, devido a 
circunstâncias adversas, sobrevive com essa capacidade de encontrar soluções 
para atravessar estágios de fome ou miséria.
– 43 –
Aquisição e Desenvolvimento da Linguagem
Para Luria (1995, p. 13), “muito antes de a criança entrar em contato for-
mal com a escrita na escola ela já adquiriu um conjunto de pré-requisitos que 
possibilitam a aquisição da linguagem em um tempo relativamente rápido”.
Essa criança demonstra, com essas competências, que tem condições 
para que nela se deflagre o processo de aprendizagem sistemática, além do 
desenvolvimento consciente proporcionado pelo espaço escolar. O processo 
de aquisição de linguagem

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.