A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Alergias Alimentares - Uma análise nutricional

Pré-visualização | Página 1 de 1

↪ O que é alergia alimentar?
A hipersensibilidade alimentar é um tipo de reação
adversa da natureza imunológica que acomete
cães e gatos, levando a desordem cutânea
pruriginosa e não sazonal, associada
presumivelmente ao material antigênico presente
na dieta, quase exclusivamente causada por
proteínas e peptídeos que escapam à digestão e
são absorvidos intactos através da mucosa.”
↪ Reação adversa ao alimento
● Alergia alimentar: hipersensibilidade
alimentar (causada por alérgeno alimentar,
onde o sistema imune é ativado - IgE,
hipersensibilidade, I, II, IV - e liberação de
histamina. Dermatite trofoalérgica e
anafilaxia.
● Intolerância alimentar: não inclui resposta
imunológica. É uma resposta fisiológica
anormal, se apresentando como uma
reação rápida e violenta ante a
incapacidade do corpo de digerir
determinado alimento.
- 1 a cada 5 pacientes tem queixa dermatológica.
- 8 a 21% em cães e 25 a 35% em gatos.
- Ocasionalmente sinais gastrointestinais e
respiratórios (raro).
↪ Fisiopatogenia
● Ativa o sistema imune através da ingestão
de trofoalérgenos.
● Manifestações dermatológicas ou
intestinais
● Causada por proteínas e/ou glicoproteínas.
● Relacionado ao tamanho da molécula
proteica. Alguns carboidratos trazem
proteína junto.
A proteína, por ser grande, ela é assimilada por 2
IgE’s ao mesmo tempo. Com isso, tem-se
degranulação dos grânulos de histamina e
causando os sinais clínicos de alergia.
- No desenvolvimento da alergia alimentar, o
alérgeno geralmente uma glicoproteína do
alimento, se torna identificável no organismo
mesmo após digestão e então desencadeia reação
imunológica.
- É desconhecido se ocorre sensibilização na
mucosa intestinal antes da absorção ou após
absorção.
- As falhas no mecanismo de defesa podem ocorrer
principalmente em função de proteínas de baixa
digestibilidade, da digestão incompleta da
proteína, do aumenta da permeabilidade intestinal
da mucosa e da diminuição do trânsito intestinal, o
que deixaria a mucosa intestinal em maior contato
com o alérgeno.
↪ Diagnóstico
● Dieta de eliminação durante 8 semanas
→ Dieta de Eliminação
● Verificar redução de sintomas e lesões
● Exposição provocativa com dieta anterior
● Verificar retorno ou não de sintomas
● Dieta hipoalergênica
● Se a dieta for feita por menos que 8
semanas, a chance de diagnosticar é de
menos de 30%.
→ Teste de reação alimentar canino (Canine Food
Reaction Test)
● Teste de reatividade e não um teste alérgico
● Status de reatividade do paciente contra
componentes alimentares através de
classificação em escores, que podem variar
de baixo a alto para um conjunto de
diferentes reações humorais (IgE, IgG
subclasses 1-4)
● Os componentes de menor reatividade são
indicados para formulação de dietas.
→ Dieta caseira ou comercial?
● Proteínas hidrolisadas apresentam menor
carga de antígeno alimentar e maior
facilidade de digestão. São transformadas
em aminoácidos individuais e peptídeos.
Tamanhos muito pequenos para serem
reconhecidos como alérgeno pelo
organismo. Em torno de 5% dos animais
podem ainda apresentar alergia ao ingerir
proteína hidrolisada (sem estudos
significativos).
→ Diagnóstico diferencial
● Alergia a picada de pulga
● Complexo granuloma eosinofílico
● Ectoparasitas
● Reações imunológicas: atopia, reação
medicamentosa, doenças autoimunes,
dermatite de contato,..
● Dermatofitose
● Alopecia por estresse
● Acne felina
● Neurodermatite
● Deficiência de biotina e ácidos graxos
↪ Considerações importantes
● Afecções intestinais induzidas pelos
alimentos podem ser muito mais comuns do
que geralmente é avaliado e diagnosticado,
devido à dificuldade para estabelecimento
do diagnóstico definitivo. (Ettinger, 1997)
● O veterinário deve estar atento a tais
circunstâncias e abordar corretamente o
caso para evitar falhas de diagnóstico.
(Lucas, 2003)
↪ Conduta clínica e manejo nutricional
● Utilizar alimentos com baixo potencial
antigênico.
● Fonte única de carboidratos (carboidrato
simples, tipo batata).
● Nutrientes que promovam melhora na
qualidade da pele e reforcem barreira
cutânea.
- EPA e DHA
- Antioxidantes
↪ Onde estamos errando como Médicos
Veterinários?
● A genética parece ser o principal fator de
predisponente nos casos de alergia.
- No entanto, nos casos de
hipersensibilidade alimentar não
parece haver uma herança genética
envolvida, mas sim uma
predisposição com relação à raças
de cães (Golden Retriever, Labrador
Retriever, Cocker, Shar Pei, schnauzer
miniatura, collie, Pastor Alemão,
Poodle, West H.W. Terrier, Boxer,
Dachshund, Dálmata, Lhasa Apso,
German Shepherds,..)
● O manejo alimentar ou o alimento
empregado pode contribuir com o
desenvolvimento das alergias alimentares.
- Introdução de alimentar não
apropriados e desmame precoce
podem favorecer a alergia alimentar.
- Alimentos não apropriados = disbiose
- Desmame precoce = intestino imaturo
a um grande número de antígenos
alimentares = disbiose (Teoria da
tolerância oral)
● Após descartar todas as possibilidades de
doença de pele, a hipersensibilidade
alimentar pode ser considerada e somente
com o teste alimentar é que se comprova se
o caso é realmente de hipersensibilidade.
● O acompanhamento e a disciplina do tutor
do animal são fundamentalmente
importantes para o diagnóstico e
tratamento.