A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
ARTIGO - PRIMEIRA E SEGUNDA GERAÇÃO DOS ANNALES

Pré-visualização | Página 3 de 3

uma matéria em si, o auxilio da revista expandiu essa questão e a evolução da escola fez com que Fernand Braudel continuasse seus trabalhos.
A escola dos Annales teve uma grande importância na renovação historiográfica, nas sua primeira e segunda geração, podemos perceber a aparição de novas teorias e modelos de se fazer história, interesse de Marc Bloch, Lucien Febvre e Braudel em renovar a historiografia teve um impacto enorme no modo como hoje fazemos historia, a partir de suas teorias. Diante dessas abordagens hoje conseguimos observar essas mudanças com clareza, diferentemente da historia tradicional e da positivista, essa nova historia busca se livrar da historia cronológica, dos fatos, da narrativa e dos heróis políticos, fazendo uma análise do homem no tempo, estudando as mentalidades, os espaços geográficos e a economia das sociedades passadas.
REFERÊNCIAS 
BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro. Ed.  Zahar, 2001.
BURKE, Peter. A Escola dos Annales: a revolução francesa da historiografia. São Paulo, Editora Universidade Estadual Paulista, 1991.
CORDEIRO JR., R. B. Lucien Febvre (1878 – 1956) e o novo saber histórico. In: PARADA, Maurício (org.). Os Historiadores: Clássicos da História - Vol. 2. Petrópolis – RJ: Vozes: PUC – Rio, 2013. p. 227 a 253.
LIMA, Luís Corrêa. Fernand Braudel (1902 – 1985). In: PARADA, Maurício (org.). Os Historiadores: Clássicos da História - Vol. 2. Petrópolis – RJ: Vozes: PUC – Rio, 2013. p. 278 a 299.
REIS, José Carlos. Escola dos Annales, a Inovação em História. São Paulo: Paz e Terra, 2000.
REIS, José Carlos. Marc Bloch (1886 – 1944), O paradigma da história estrutural. In: PARADA, Maurício (org.). Os Historiadores: Clássicos da História - Vol. 2. Petrópolis – RJ: Vozes: PUC – Rio, 2013. p. 255 a 277.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.