A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Resinas Compostas

Pré-visualização | Página 1 de 2

Materiais Dentários
Resinas Compostas / Compósito restaurador Odontológico
~por Manuela Lopes
As resinas compostas são utilizadas principalmente em restaurações diretas.
1 Vantagens
● Estética (cor semelhante ao elemento dentário, sendo ideal para
restaurações anteriores)
● Baixa condutividade térmica (propriedade física semelhante a da estrutura
dental)
● Adesão ao dente (junto ao sistema adesivo)
● Conservação de estrutura dental (por cobrir a cavidade)
2 Indicações
● Restaurações anteriores (principal indicação)
● Restaurações posteriores (algumas)
● Reparo de restaurações (consegue colocar resina nova em cima de resina
velha)
● Colagem de brackets
● Colagem de fragmentos dentais
● Cimentação de peças protéticas (restauração indireta - aumenta a
resistência de
restaurações cerâmicas quando coladas com cimento resinoso)
3 Conceito de Compósito
Material composto por 2 ou mais substâncias de classe distintas (polímero e
cerâmica), com propriedades diferentes daquelas dos materiais que a formam.
Compósito x Composto
Composto: Do que algo é feito, o que tem naquilo, sua composição (formado /
constituído)
Compósito: na engenharia é uma classe de materiais, para classificar é preciso
que tenha 2 substâncias, matriz (base - polímero) e reforço (fibra), obtendo uma
heteroformação.
4 Composição
● Matriz orgânica polimérica
● Partículas de carga inorgânica cerâmica
● Agente de união (Silano)
5 Matriz Orgânica Polimérica (Composição)
● Monômeros resinosos
● Sistema iniciador / ativador
● Modificadores de cor
● Inibidores
5.1 Monômeros Resinosos
Pequenas moléculas capazes de se unir a outras, formando grandes moléculas
(polímeros).
● Bis-GMA (principal e o pioneiro) - viscoso (recomendado para reparar
cúspide)
● UDMA - intermediário
● TEGDMA - fluido
Todos derivados do metilmetacrilato e sua diferença é dada pelo peso molecular
que define sua viscosidade.
São responsáveis pela MALEABILIDADE / ESCULPIBILIDADE das resinas
compostas (antes da polimerização - enquanto moléculas pequenas)
Responsáveis pela PRESA / ENDURECIMENTO das resinas compostas
(depois da polimerização - proporciona rigidez à massa, resistente à
mastigação)
5.2 Sistema Iniciador / Ativador
● Iniciadores: iniciam a polimerização, fornecendo energia para o
rompimento da dupla ligação entre carbonos nos monômeros resinosos.
● Ativadores: fornece energia (ativam) aos iniciadores, transformando-os em
radicais livres, assim permitem o controle da polimerização.
Classificação por sistema Iniciador / Ativador
● Resinas Ativadas Quimicamente
Apresenta-se em 2 pastas e a interação química entre elas dá a energia
para a quebra da dupla ligação.
PASTA BASE (iniciador) + PASTA CATALISADORA (ativador)
peróxido de benzoíla amina terciária
O peróxido de benzoíla reage com a amina terciária formando radicais
livres e iniciando a polimerização.
Desvantagens:
● Proporcionamento entre as pastas é impreciso
● Espatulação manual gera bolhas que diminui a resistência
● Contato com o O2 no ar inibe a polimerização
● Tempo de trabalho descontrolado, pois os 2 compostos ao serem
misturados já começam a reagir e se inicia a polimerização
● Resinas Fotoativadas
Sua ativação é feita por uma luz.
Vantagens:
● Pasta única, excluindo a necessidade de manipulação de dois
produtos
● Menos porosidade
● Controle do tempo de trabalho
As resinas compostas fotoativadas surgiram, sendo ativadas pela luz
ultravioleta (polimerizam apenas 1mm de profundidade, prejudicava à
visão e tinha pouco tempo de duração / curta vida útil da lâmpada)
Depois se descobriu uma molécula chamada canforoquinona/
canforquinona que é capaz de absorver energia eletromagnética na faixa
de comprimento de onda da luz azul (400 a 500nm), formando radicais
livres e iniciando a polimerização.
Os aparelhos emissores de luz são os fotoativadores / fotopolimerizadores.
Os aparelhos de LED são muito mais compactos e usuais.
Mecanismo de presa: Ativador (luz visível) > Iniciador (Canforquinona, PPD
ou Lucerin TPO) > Radicais livres > Resina endurecida (Polimerização
monomérica)
Polimerização adequada da matriz orgânica
● Melhores propriedades mecânicas
● Biocompatibilidade química
● Estabilidade de cor
Para polimerização, a quantidade de luz adequada depende da
intensidade do aparelho emissor (quantidade de fótons por unidade de
área) e do tempo de luz acesa (descrito nas informações do material, para
ativar os todos os iniciadores presentes na massa.
Todo fotopolimerizador tem uma determinada capacidade de emissão de
fótons por unidade de área a cada segundo, dá-se portanto, a intensidade
de luz (irradiância) em mW/cm².
5.3 Modificadores de cor
São os pigmentos contidos na resina. Como os dentes possuem diferentes cores,
é necessário ter uma substância que modifica a cor da resina.
Os pigmentos (cor e opacidade), os absorvedores de luz UV (previne a
descoloração) e substâncias fluorescentes (modificam as propriedades ópticas).
5.4 Inibidores
Previnem a polimerização espontânea (permitindo a manipulação desse material
no tempo adequado), aumentando a vida útil e o tempo de trabalho.
O mais utilizado é o hidroxitolueno butilado ou BHT.
6 Agente de união (SILANO)
Une a matriz orgânica e a carga inorgânica.
Possui o metacrilato (união a matriz) e o silano (união a carga)
Funções
● Transmissão homogênea de tensões mastigatórias entre a matriz e a carga
● Permite melhor desempenho dos compósitos
7 Carga Inorgânica Cerâmica
É formada por partículas que aumentam a dispersão da tensão exercida em uma
restauração e diminuem a contração de polimerização e sua expansão térmica.
Funções
● Resistência mecânica
● Menor contração da massa
● Menor absorção de fluidos
● Menor alteração de cor
8 Tipos de Partículas de Carga
● Quartzo cristalino
Partículas grandes de difícil polimento
Duro e difícil de moer
São radiolúcidas
● Partículas vítreas
(Vidro de Bário, de Estrôncio, de tetrafluoreto de Itérbio, de Sílica)
Menos duras que os cristais
Conferem radiopacidade, estética e fácil polimento
● Óxidos cristalinos
Partículas arredondadas
Garantem alta resistência, alta densidade e polimento adequado
9 Classificação quanto ao Tipo de partículas de carga
9.1 Macropartículas
● Composta por quartzo cristalino (partículas grandes - 8 a 15 μm)
● Dificuldade de polimento (superfície rugosa, que facilita acúmulo de placa)
● Propriedades mecânicas (ruins por serem grandes)
● Uso em dentes posteriores
9.2 Híbridas
● Composta por partículas vítreas (partículas médias - 1 a 5 μm)
● Apresentam sílica coloidal (partículas pequenas - 0,04 a 0,4 μm)
● Indicadas para áreas não estéticas (áreas de esforço mastigatório)
9.3 Micro-híbridas
● Composta por partículas vítreas (partículas médias - < 1 μm)
● Apresentam sílica coloidal (partículas pequenas - 0,04 a 0,4 μm)
● Melhor estética
● Melhor polimento
● Propriedades mecânicas superiores
● Resinas universais (usadas para tudo e em todos os dentes)
9.4 Micropartículadas
● Composta apenas por sílica coloidal (partículas pequenas - 0,04 a 0,4 μm)
● Melhor estética
● Melhor polimento
● Tem propriedades mecânicas inferiores, por isso, devem ser empregadas
junto às resinas híbridas que dão resistência às restaurações
● Indicação: recobrimento estético de restaurações ou classe 5 ( áreas de
pouco esforço mastigatório)
9.5 Nanopartículadas
● Apresentam partículas Zircônio-Sílica (partículas nanométricas - 5 a 75
nm)
● Conteúdo - 78% em peso
● Bom polimento
● Propriedades mecânicas satisfatórias
● Resinas universais
10 Classificação quanto a Viscosidade
● Alta (condensáveis)
● Regular (convencionais)
● Baixa viscosidade (“flow”)
Se diferenciam pelo conteúdo de carga (+carga +firme) e por sua constituição
monomérica.
● Condensáveis: Facilita a anatomia, bem firmes, difíceis de serem
condensadas na cavidade, fora de mercado.
● Convencionais: Uso universal, mais presentes no mercado.
● Flow: Indicadas para preenchimento de fundo de cavidade e selamento de
fossas e fissuras, sendo um acessório durante o processo restaurador.