A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
0eb41336f80572050a28015c6cc25cb1

Pré-visualização | Página 1 de 4

PROGRAMA VIVER FORA DO SISTEMA 
Curso de Gestão de Empreendimentos Sustentáveis 
 
 
Fertilidade do solo 
 
Facilitador: Eng. Daniel Dias 
 
 
Sumário 
Introdução ............................................................................................................................. 1 
Fertilidade do Solo, o que é? ................................................................................................. 2 
Adubação. Importância e principais métodos ........................................................................ 8 
Compostagem ....................................................................................................................... 8 
Primeiro: decomposição .................................................................................................... 9 
Segunda: fase de Maturação (reestruturação) ..................................................................10 
Terceira: fase de humificação ...........................................................................................10 
Adubação Verde...................................................................................................................10 
Biofertilizantes ......................................................................................................................13 
Outros adubos utilizados na Agricultura Orgânica ................................................................14 
Considerações Finais ...........................................................................................................15 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial desta obra sem prévia autorização do 
autor. 
www.pindorama.org.br – www.viverforadosistema.org.br 
 
1 
Introdução 
 
Na produção agrícola, a intenção do produtor é atingir maiores rendimentos e 
menores custos, o que não é fácil de ser alcançado. Alias, o mais comum é a 
ocorrência de prejuízos, que contrariam sempre as expectativas do agricultor. Isso 
acontece, pois as variáveis envolvidas no processo produtivo são muitas e oscilam 
desde algumas de fácil compreensão e resolução até as muito complexas que exigem 
sólidos conhecimentos técnicos e científicos. 
 
Para uma adequada exploração de qualquer sistema de produção é 
conveniente o exame dessas variáveis e o diagnóstico da situação específica 
encontrada em determinado agroecossistema. Em qualquer situação, a produtividade 
obtida é resultante da ação integrada e simultânea dos fatores que compõe cada 
agroecossistema: planta, solo, clima e manejo. Estes fatores são interdependentes, ou 
seja, qualquer modificação em um deles pode refletir tanto na ação quanto na 
alteração de outro. Por exemplo, ao adotar o manejo de plantio direto, que é o plantio 
sem o revolvimento ou aração do solo, podem ser positivamente modificadas a 
biologia do solo, a profundidade de exploração das raízes, a retenção de umidade do 
solo, às condições microclimáticas nos arredores da planta, entre outras. 
Então, uma simples mudança no manejo pode acarretar em alterações 
positivas ou negativas nas características físicas, químicas e biológicas do solo, que 
irão influenciar diretamente no desenvolvimento da planta e em sua produtividade. 
Logo, podemos concluir que não há um fator mais importante do que o outro, bastando 
que um deles não atenda as necessidades da planta para que esta não atinja seu 
potencial produtivo. 
http://www.pindorama.org.br/
http://www.viverforadosistema.org.br/
 
 
Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial desta obra sem prévia autorização do 
autor. 
www.pindorama.org.br – www.viverforadosistema.org.br 
 
2 
Por tanto, de maneira geral, qualquer que seja a situação, é imprescindível que 
práticas de conservação do solo sejam adotadas em todos os sistemas de produção, 
com objetivo de proteger os recursos naturais e a manutenção da oferta de serviços 
ambientais. 
Como não poderia deixar de ser, está nas mãos de cada agricultor a definição 
da estratégia a ser adotada para cada cultivo e cada propriedade. Cada caso é um 
caso, e como tal, cada um exige uma solução peculiar. 
Nesta aula falaremos sobre um fator importantíssimo para o desenvolvimento 
das plantas que é a Fertilidade do Solo. Veremos o que é, como determinar, e como 
trabalhar com ela para atender as exigências do seu cultivo e sempre manter o seu 
solo fértil e saudável. 
Fertilidade do Solo, o que é? 
 
Podemos definir a fertilidade do solo como o status de um determinado solo 
com respeito a sua capacidade de suprir os nutrientes essenciais ao desenvolvimento 
das plantas. 
 
Como vimos anteriormente, o Solo é um organismo vivo, que possui 
características químicas, físicas e biológicas próprias. Por tanto, para determinarmos a 
sua Capacidade em fornecer nutrientes as plantas, e consequentemente sua 
fertilidade, todas essas características devem ser observadas. 
http://www.pindorama.org.br/
http://www.viverforadosistema.org.br/
 
 
Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial desta obra sem prévia autorização do 
autor. 
www.pindorama.org.br – www.viverforadosistema.org.br 
 
3 
A fertilidade química, em geral, é a mais observada pelos agricultores 
preocupados em fornecer adubos químicos para abastecer o solo de nutrientes para 
as plantas. A fertilidade química indica a reação do solo, ou seja, se está ácido ou 
básico, através de seu pH; a quantidade ou concentração de nutrientes essenciais às 
plantas e a presença ou ausência de elementos tóxicos às plantas, principalmente o 
Alumínio. No entanto, apenas com estas informações não podemos dizer muito sobre 
a Capacidade do solo em fornecer estes nutrientes para as plantas. O solo pode ter 
uma boa quantidade de nutrientes, mas estes estarem inacessíveis às plantas. Por 
tanto, tempos que observar também a fertilidade física do solo. 
 
A fertilidade física diz respeito principalmente à acessibilidade das plantas aos 
nutrientes existentes. São elementos importantes a profundidades do solo, a 
existências de impedimentos a penetração radicular, porosidade, retenção de água, 
disponibilidade de oxigênio, estruturação e grau de agregação. Logo, um solo rico em 
nutrientes pode não ter a capacidade de suprir os nutrientes essenciais a planta, pois 
pode estar saturado de água, ou possuir camadas compactadas que impedem o 
desenvolvimento radicular. 
http://www.pindorama.org.br/
http://www.viverforadosistema.org.br/
 
 
Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial desta obra sem prévia autorização do 
autor. 
www.pindorama.org.br – www.viverforadosistema.org.br 
 
4 
 
Já a fertilidade biológica do solo irá depender dos organismos vivos presentes, 
constituídos pelas plantas – cultivadas e espontâneas; fauna do solo e micro-
organismos. Sua ação depende da quantidade, diversidade, atividade e funções ou 
serviços ecológicos que exercem. Um solo vivo é capaz de rapidamente transformar 
resíduos orgânicos em matéria orgânica, o que contribui significativamente para a 
fertilidade do solo, seja em suas propriedades físicas ou químicas. 
 
Então, como podemos determinar se o nosso solo tem ou não capacidade de 
disponibilizar os nutrientes essenciais as plantas? Como determinar a fertilidade de um 
solo? Para a fertilidade física e biológica, podemos aplicar a metodologia de avaliação 
da qualidade do solo vista anteriormente, o que nos dará preciosas informações sobre 
estas características, e mostrará as principais limitações. 
http://www.pindorama.org.br/
http://www.viverforadosistema.org.br/
 
 
Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial desta obra sem prévia autorização do 
autor. 
www.pindorama.org.br – www.viverforadosistema.org.br 
 
5 
Já para a fertilidade química, apenas com uma análise laboratorial que iremos 
poder determinar a quantidade de nutrientes