A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
HEPATITES VIRAIS

Pré-visualização | Página 1 de 2

Hepatites virais
Conceitos
Unidade funcional hepática:
Enzimas hepáticas:
Canaliculares:
· Fosfatase alcalina (ALP) - amplamente distribuída nos tecidos humanos
· Gama-glutamil-transferase (GGT)
Hepatócito (Aminotransferases - transaminase):
· AST - presente nas mitocôndrias dos hepatócitos
· evidencia danos graves
· ALT - presente no citosol dos hepatócitos
· evidencia danos leves
Funções hepáticas:
· Síntese de proteínas plasmáticas: albumina, fatores de coagulação
· Homeostase da glicose: glicogênese, glicogenólise, gliconeogênese
· Síntese de colesterol e lipoproteínas
· Detoxificação: conversão de amônia a ureia
· Metabolismo da bilirrubina: transforma BI em BD a partir da UDP-glicuronil-transferase
Causas de icterícia
Icterícia: aumento de bilirrubinas totais a ponto de corar pele e mucosas
Bilirrubina Indireta:
· Aumento de produção
· hemólise precoce
· Diminuição da captação da BI
· jejum prolongado, drogas
· Diminuição da conjugação
· deficiência de UDP-glicuronil-transferase
· Gilbert, Crigles Najjar I e II
Bilirrubina Direta:
· Diminuição da excreção
· defeitos no carreador, armazenamento
· Obstrução biliar
· câncer, cálculo, estenose
Em lesões hepáticas, todos esses processos estão alterados, contudo, a excreção se torna mais importante, por ser um processo de grande gasto energético (dependente de metabolismo). A excreção demanda muita atividade celular.
Investigação da icterícia
Laboratorial:
· Dosagem de bilirrubina:
· BI - hemólise e doenças de conjugação
· BD - lesão hepatocelular (mista) ou colestase
· Enzimas hepáticas:
· AST/ALT > FAL/GGT - padrão hepatocelular (dano de hepatócitos)
· AST/ALT < FAL/GGT - padrão colestático
· OBS: inicialmente (24h) a colestase apresenta um padrão hepatocelular
Padrão colestático - Imagem:
· USG
Padrão hepatocelular - pensar no mecanismo de lesão:
· Sorologias virais
· Doenças autoimunes e Metabólicas
· Uso crônico de álcool
· Exposição a toxinas (medicamentos)
· Biópsia hepática
Hepatites virais agudas
Aguda: < 6 meses
Vírus hepatotrópicos: 
· A (RNA)
· B (DNA)
· C (RNA)
· D (RNA)
· E (RNA)
Síndrome básica trifásica:
1. Pródromo: síndrome gripal + hepatomegalia dolorosa + artrite/GNDA (deposição de imunocomplexos)
2. Icterícia: já existe RI contra o vírus, padrão misto de BD e BI
3. Convalescência (1 a 2 meses): melhoras do sintomas e cicatriz sorológica
Diagnóstico laboratorial:
· Hemograma:
· leucopenia + linfocitose (atípicos CD8)
· leucocitose + neutrofilia com desvio à esquerda - evolução para fulminante (igual à alcoolica)
· Hepatograma:
· lesão hepatocelular
· aminotransferases pelo menos 10x aumentadas (até 100x) - sem valor prognóstico
· Bilirrubina, albumina, TAP/INR, amonia - magnitude tem papel prognóstico importante pois evidenciam disfunção hepática
Hepatite A
Vírus:
· RNA +, não envelopado, o que significa que em seu processo e exocitose há a lise da célula hospedeira. 
· Pertence à família Picornaviridae e possui apenas um sorotipo, que permite a vacinação única efetiva.
Transmissão fecal-oral: 
· Não-envelopado - capacidade de sobreviver ao pH estomacal e enzimas digestivas
· Relação direta com questões socioeconômicas
· Mais comum em crianças
Patogenia: a agressão não é viral, mas um produto da RI do hospedeiro (CD8). Multiplica-se no hepatócito.
Formas clínicas:
· Assintomática:
· crianças - imaturidade da RI
· Clássica:
· Síndrome básica: icterícia
· autolimitada - 8 semanas
· Colestática:
· aumento de FAL e GGT - lesão dos canalículos (intra-hepático)
· sem obstrução de vias biliares extra-hepáticas vista no USG
· > 3 meses
· Recidivante:
· 10% dos casos
· 2+ ataques em 6 meses - alterações de enzimas e bilirrubina
· Fulminante:
· 0,1 - 0,5% dos casos
· 50% de mortalidade (idosos e população de risco)
· Não cronifica!
· Não causa hepatocarcinoma!
Sintomas:
· Incubação de 10 dias, pródromo intestinal, seguido por icterícia 
· Autolimitada em 6 meses
Diagnóstico:
Infecção inicial é marcada por uma replicação viral sem sintomatologias. Quando há a formação da resposta imune, produz-se IgM anti-HAV (marcador diagnóstico) e iniciam-se os sintomas. A queda de IgM evidencia a redução da RI, melhora do quadro e é acompanhada de aumento de IgG, que representa uma cicatriz sorológica (IgG anti-HAV)
· IgM + IgG + = infecção aguda
· IgM - IgG + = cura ou vacinação
Tratamento e prevenção:
· Tratamento:
· Sintomáticos: antitérmicos e antieméticos
· Repouso + aporte calórico - devido a hipoglicemia
· Evitar hepatotoxinas (alcool)
· Transplante ortotópico (falecido)
· Prevenção
· vacina com vírus inativado (15 meses até 5 anos) em duas doses
· imunidade vitalícia
· passiva: gamaglobulina imuno comum até duas semanas após exposição - grupos de risco
Hepatite B
Vírus:
· DNA de fita parcialmente dupla, pois brota antes que haja a duplicação completa
· envelopado, que possui uma transcriptase reversa, importante para sua reprodução 
· Pertence à família Hepadnaviridae
· o vírion, infectante, é chamado de partícula de Dane
· Durante o processo de replicação viral são produzidas partículas não infectantes (mais até do que vírions) contendo apenas HbsAg - subpartículas
os círculos com algo dentro é vírion, os vazios é apenas o HBsAg
· Proteínas virais importantes:
· HBsAg - superfície
· HBeAg - indica replicação viral
· HBcAg - core (capsídeo) - não encontrado no plasma
· DNA polimerase (replicação do DNA)
· Possui 8 genótipos, com clínica semelhante.
· predomínio do A no Brasil
· Encontrado em todas as secreções humanas, menos nas fezes
Replicação:
· RT/Polimerase é uma transcriptase reversa.
Transmissão:
· Sexual: mais comum em áreas com baixa prevalência
· 
· Vertical: alta prevalência
· quanto mais jovem, maior a chance de cronificação (RN - > 90%), devido a baixa maturação da resposta imunológica
· pode ser transplacentária ou no parto
· Parenteral: drogas, acidentes, tatuagem, piercing
Quadro clínico:
· A sintomatologia é causada pela resposta imune, não por agressão viral. 
· Por ser um vírus de DNA, a não eliminação do vírus pode ocasionar uma fusão de materiais genéticos (vírus-hospedeiro) e estimular a oncogênese (hepatocarcinoma sem cirrose). Este processo é mais importante na exposição precoce devido à imunotolerância (baixa maturação do SI)
· A manifestação clínica reduz as chances de cronificação
Formas clínicas
· Anictérica: 
· mais comum em crianças
· sugere cronificação
· Clássica: 
· adultos, agressão pela RI que causa sintomatologia e aumenta as chances de cura
· Colestática: 
· mais comum na A
· Recidivante: 
· 2+ ataques em 6 meses
· Fulminante:
· 1% dos casos
· títulos elevados de anti-HBc IgM parece ser preditor
· Encefalite por causa de toxinas intestinais não detoxificadas pelo fígado que chegam ao encéfalo
· Hemorragias por faltade fatores de coagulação
· Extra-hepáticas por depósito de imunocomplexos:
· poliarterite nodosa
· glomerulopatia membranosa
· acrodermatite papular
Diagnóstico:
· Sorológico:
· HBsAg +: infecção ativa 
· HBeAg: indica replicação viral
· Anti-HBc total +: indica contato com vírus
· IgM: aguda
· IgG: crônica ou memória
· Anti-HBs +: indica cura ou vacinação. SÓ APARECE NA CURA
· Anti-HBe +: fase não replicativa (contenção da replicação)
· some em até 6 meses
· permanece com antiHBs e antiHBc elevados após cura
· Virologia
· Detectar DNA por PCR
· HBV-DNA qualitativo e quantitativo (viremia)
Imunização:
· Ativa
· Universal
· Adulto não vacinado: 3 doses com intervalo de 60 dias (Anti-HBs)
· Ao nascer: monovalente
· Pentavalente aos 2, 4 e 6 meses
· Passiva
· Imunoglobulina hiperimune - plasma
· indivíduo suscetível exposto a alto risco: RN de mãe HBsAg+, acidente ocupacional anti-HBs negativo (não vacinado), contato sexual, imunodeprimido exposto
Tratamento:
· não trata aguda
Hepatite C
Vírus:
· RNA +, envelopado
· pertence à família Flavivírus
· Genoma que codifica 10 proteínas (E1 e E2)
· Possui uma RNA polimerase RNA-dependente (cliva poliproteínas) propensa a erros, o que confere mutabilidade e variabilidade antigênica e dificulta a produção de vacinas
· 6 variantes