A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Direito adquirido – Wikipédia  a enciclopédia livre

Pré-visualização | Página 2 de 4

é todo ato lícito que tenha
por fim imediato adquirir, resguardar, transferir, modificar ou extinguir direitos (art.81/CC). Segundo Limongi
França, ato jurídico perfeito é aquele que sob o regime de determinada lei tornou-se apto para produzir os seus
efeitos pela verificação de todos os requisitos a isso indispensável. Assim, o ato jurídico perfeito deve ser
analisado sob a óptica de forma. Pode-se dizer que o ato jurídico perfeito é instituto irmão do direito
adquirido. Algumas vezes, aquele surge antes deste, como no caso do testamento válido, lavrado e assinado,
mas ainda vivo o testador, ou, um negócio jurídico sujeito a condição suspensiva. Nesses exemplos, há ato
jurídico perfeito, pois tais atos foram constituídos validamente sob a égide de uma lei válida, porém em ambos
inexiste direito adquirido, vez que, respectivamente, o testador ainda vive, e, a condição suspensiva ainda não
ocorreu, art.118 CC. Logo, não houve a completude do fato concreto gerador do direito subjetivo. Deve-se
enfocar o direito adquirido sob a óptica de fundo, já o ato jurídico perfeito sob a óptica de forma. O
constitucionalista José Afonso da Silva ainda distingue os institutos ao dizer que o direito adquirido emana
diretamente da lei em favor de um titular, enquanto que o ato jurídico perfeito é negócio fundado na lei. Ou seja,
o direito adquirido é uma espécie de direito subjetivo, ao passo que o ato jurídico perfeito é um negócio
jurídico ou o ato jurídico stricto sensu, segundo a visão civilista. De fato, quer direta e imediatamente da lei ou
dos atos jurídicos — contratos, declarações unilaterais de vontade etc. — e, portanto, indireta e mediatamente
da lei, podem ensejar direito adquirido.
Atente-se para o fato de que só surgirá direito adquirido quando houver a completude dos seus requisitos e
fatores de eficácia, elencados pelo regime jurídico peculiar do direito positivo que rege o ato, incidindo por
completo o direito objetivo fazendo assim nascer o direito subjetivo, a partir daí adquirido.
Natureza do direito adquirido
Base conceitual
Pareça suficientemente óbvio, o conceito de direito adquirido, entretanto, devido às implicações sociais
profundas que suscita, prudentemente requer esclarecimento conceitual adequado, de modo a se saber
precisamente com o que se está lidando.
Com efeito, a compreensão atual desse conceito — desse instituto —, particularmente na atual ordem jurídica
brasileira (também na da maioria das nações contemporâneas) vincula-se à idéia de intangibilidade.
Mais: essa intangibilidade tem respaldo constitucional, vale dizer, o direito adquirido, seja lá o que for em
sua essencialidade, logo de início, já goza da proteção, da tutela maior, da Carta Magna que regula a vida do
povo em exame.
Que vem a ser direito adquirido? Ora, a bem do rigor e lato sensu, "direito adquirido é tão-somente aquele
poder realizar determinada vontade conquistado por alguém", esse, chamado de sujeito daquele direito.
É de se observar que, preliminarmente não se fez alusão alguma a uma ordem jurídica organizada e
estabelecida, sob qualquer forma — muito embora seja sempre esse o caso, pois o que se examina refere-se à
vida do ser humano em sociedade. Também é relevante observar que sujeito, como aqui compreendido, pode
significar tanto uma "pessoa física ou natural", como uma "pessoa jurídica" — e tal consideração já importa em
admitir, a priori, a existência daquela ordem jurídica acima referida, o que se fará no momento adequado à
concatenação das idéias.
Outras conceituações podem-se apresentar.
Segundo uma delas, "direito adquirido é aquele que já se integrou ao patrimônio e à personalidade de seu
titular, de modo que nem norma, nem fato posterior possam alterar situação jurídica já consolidada sob
sua égide.".
Outra diz que "direito adquirido é todo direito que é conseqüência de um fato idôneo para gerá-lo em
razão de norma vigorante antes da entrada em vigor de uma nova norma relativa ao mesmo assunto e
que, nos termos do novo preceito sob o império do qual o fato aconteceu, tenha ele (o direito originado
do fato acontecido) entrado, imediatamente, a fazer parte do patrimônio de quem o adquiriu.".
Pode-se observar das duas últimas conceituações que:
(1º) vinculam a idéia do direito adquirido já necessariamente a uma ordem jurídica preestabelecida;
(2º) são patrimonialistas.
No entanto, nem sempre um direito adquirido tem natureza patrimonial. Essa freqüente conexão, todavia, deve-
se ao fato histórico de haver o direito civil (primordialmente, e ainda hoje, direito do patrimônio) precedido os
demais ramos do direito.
Assim, um direito adquirido — como quer que se o compreenda — não precisa estar constitucionalmente
respaldado. Não necessariamente, nem em tal nível. Por que, então, se dá tal ligação, como é o caso na ordem
jurídica brasileira atual? Para assegurar-lhe a máxima proteção. Para que, uma vez adquirido, não padeça ele
da fragilidade de eventualmente fenecer.
A questão do mérito ontológico de cada direito adquirido perpassa, entre outras, a fronteira entre o Direito e a
Moral. Ganha os domínios da Filosofia, da Sociologia, da Psicossociologia. E a insuscetibilidade ao
fenecimento varia na razão direta do quantum de poder que é detido pelo sujeito do direito sub examine na
roda do jogo de poder –– o grande jogo de poder numa determinada sociedade, num dado país, no mundo.
De fato, garantir a imutabilidade de um direito, numa dada ordem jurídica, significa, a bem dizer, perpetuar um
poder. O que, nem sempre, nem em todo caso, observa os ditames do bom Direito, da boa Moral, ainda que
tais conceitos e idéias e significados sociais sejam relativos, passíveis de interpretações diferenciadas. Como
quer que seja, um elemento de direito adquirido é um elemento de poder perpetuado. A menos que sobrevenha
uma revolução, pois, em tal caso, uma nova ordem será instituída, e aquele direito, ainda que adquirido e
tutelado na ordem de até então, poderá não permanecer. Terá fenecido.
Ontologia e semiologia do direito adquirido
A idéia de direito adquirido, lato sensu, acha-se imbricada inextrincavelmente à idéia de estabilidade per se
"em uma" e "de uma" determinada ordem jurídica, e, para bem esclarecer isso, convém logo definir o que se
entende por ordem jurídica, talvez melhor denominada ordem jurídico-política (ou jus-política). Para fixar
idéias, entende-se por ordem jurídica "o conjunto sistematizado de normas de conduta estabelecido por e em
vigor num dado estado político, considerado tal conjunto em sua relação dinâmica com o estado e dentro
dele". Em uma significa a inserção de dado direito na ordem jurídica. De uma, a seu turno, refere-se à
estabilidade da própria ordem jurídica em si.
Assim concebido, o estado político passa a ser reconhecido como estado de direito. Se a democracia (governo
do povo, pelo povo e para o povo, ainda que em moldes representativos) fizer-se presente, dir-se-á um estado
democrático de direito. Isso posto, por que falar-se em ontologia e em semiologia, no tocante ao direito
adquirido? Precisamente para — investigando-lhe a natureza do ser (<grego ontos = ser) e o significado
(<grego semeio = signo) — compreender a sua essência enquanto fundamento próprio de uma ordem jurídica
estável. De fato, sem um certo lastro de direitos adquiridos, não haveria que se falar em uma ordem jurídica
estável, ainda que a mesma estabilidade padeça da suscetibilidade de fenecimento, porque as sociedades
humanas são dinâmicas e dialeticamente (sob a ótica hegeliana ou a marxista) instáveis, quando se consideram
contextos espaço-temporais suficientemente amplos, que possam tornar perceptíveis as mudanças.
Essas considerações são importantes a bem da conciliação entre a generalidade (que foi analisada) e a
especificidade (a ser, ainda, examinada) — objeto in situ do amplo e polêmico estudo do instituto direito
adquirido.
Fundamento histórico do instituto
Ainda que não expressamente declarado como tal, o direito adquirido encontrava-se já presente em graus e

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.