Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Relatório de Analítica 02

Pré-visualização | Página 1 de 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 
INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS 
FACULDADE DE QUÍMICA 
ANÁLISE QUÍMICA QUANTITATIVA 
 
 
 
 
 
DANIELA DE ARAUJO FERREIRA 
LEANDRO RIBEIRO ALHO 
 
 
 
 
PRÁTICA 02 
ANÁLISE GRAVIMÉTRICA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
BELÉM – PA 
2021 
 
 
DANIELA DE ARAUJO FERREIRA 
LEANDRO RIBEIRO ALHO 
 
 
 
 
 
 
PRÁTICA 02 
ANÁLISE GRAVIMÉTRICA 
 
 
 
 
 
Relatório referente a Análise Gravimétrica 
apresentado ao Curso de Química Industrial da 
Universidade Federal do Pará, como atividade 
avaliativa da disciplina de Análise Química 
Quantitativa, orientado pelo Professor Dr. Carlos 
Antônio Neves. 
 
 
 
 
 
 
 
BELÉM - PA 
2021
 
3 
 
1. INTRODUÇÃO 
Dificilmente encontra-se uma substância em sua forma pura. Mesmo em 
laboratório, a maior parte dos compostos não possui pureza maior que 99%. Nestes casos, 
não há grande necessidade de se realizar a purificação do composto. Porém, quando o 
composto está contaminado com uma porcentagem maior de impurezas, pode-se purificá-
lo através de um processo chamado gravimetria. 
A análise gravimétrica, também denominada gravimetria, é um método 
analítico quantitativo no qual, de modo indireto, realizar a separação e pesagem de um 
elemento ou um composto em sua forma mais pura e estável possível, eliminando 
todas as substâncias que interferem e convertendo o constituinte ou componente 
desejado em um composto de composição definida. Este método é feito em 
diversas etapas para garantir a correta quantificação da substância desejada [1]. 
A gravimetria possui certas vantagens e desvantagens. Como vantagem, 
podemos citar a instrumentação de baixo custo, baseando-se na utilização de 
instrumentos como estufa e dessecador. Como desvantagem, podemos notar que esse 
método é passível de muitos erros, devido a sua realização ser e m várias etapas [2]. 
Existem diversos tipos de análises gravimétrica, são elas: gravimetria de 
volatilização; gravimetria de precipitação; eletrogravimetria e titulação gravimétrica. 
Na Prática 02 iremos utilizar o método gravimétrico de volatilização para Determinação 
da água de cristalização de sais hidratados e para Determinação do teor de voláteis em 
amostras naturais. 
Na gravimetria por volatilização, a concentração do analito é determinada através 
do peso do gás depois de isolado de seu composto de composição conhecida. Existem 
dois tipos de determinação, a direta e a indireta. Na determinação direta, o vapor d’ água 
é coletado pelo sólido dessecante e sua massa é determinada a partir do ganho de 
massa do mesmo. Já no método indireto, a quantidade de água é determinada pela 
perda de massa da amostra [3]. 
Os sólidos podem conter água não-essencial que consiste no tipo de água de que 
o sólido independe, o que são água de absorção a água retida sobre a superfície dos sólidos 
quando em contato ao ambiente e a água de oclusão, que são retidas nas cavidades dos 
sólidos cristalinos. E a água essencial trata-se da água que faz parte da composição 
molecular, a água de constituição que é formada quando o sólido se decompõe pela ação 
do calor, e água de hidratação que está presente nos hidratos cristalinos [4]. 
 
4 
 
 Nos compostos hidratados, também chamados de hidratos, as moléculas de água 
estão dispostas de determinada maneira na estrutura cristalina. No entanto água de 
cristalização pode ser removida desses sais através de aquecimento em temperaturas 
superiores a 100 °C, e o sólido remanescente é denominado de composto anidro. 
Se a fórmula molecular do composto anidro é conhecida, então é possível determinar 
a fórmula empírica do sal hidratado correspondente. 
2. OBJETIVOS 
- Determinar o teor de água de cristalização no Cloreto de Bário hidratado 
(BaCl2.nH2O) método indireto de gravimetria por volatilização. 
- Determinar o teor de voláteis na Erva Cidreira pelo método indireto de 
gravimetria por volatilização. 
- Efetuar os cálculos necessários. 
3. MATERIAL E MÉTODOS 
3.1 Materiais Utilizados 
1) Balança Analítica (BEL engineering); 
2) Estufa (WHL – 25AB); 
3) Dessecador; 
4) Pesa filtro com tampa; 
5) Espátula metálica; 
6) Pincel; 
7) Pinça Tenaz; 
8) Vidro relógio; 
9) Planta (Erva Cidreira). 
3.2 Reagentes Utilizados 
1) Cloreto de Bário hidratado (BaCl2.nH2O). 
3.3 Procedimento Experimental 
- Experimento 1: Determinação do teor da água de cristalização do cloreto de bário 
hidratado 
Inicialmente foi feita a preparação do pesa-filtro, onde o mesmo foi lavado e 
secado, em uma estufa por 1 hora a uma temperatura de 150°C, e posteriormente foi 
resfriado no dessecador. Dando sequência, pesou-se o pesa-filtro com a tampa e sem a 
tampa, e logo em seguida pesou-se 1,2000 gramas da amostra, que neste caso foi o Cloreto 
de Bário hidratado (BaCl2.nH2O). Logo após aqueceu-se o pesa-filtro com a tampa + 
 
5 
 
amostra na estufa por 1hora a 150°C. Após o resfriamento da (pesa-filtro + amostra) no 
dessecador por 20 minutos, a mesma foi pesada e por fim foi feito os cálculos necessários. 
- Experimento 2: Determinação do teor de voláteis na Erva Cidreira 
Primeiramente foi realizada a preparação do vidro-relógio lavando-o e secando-o, 
na estufa por 20 minutos a temperatura de 150°C, e depois foi resfriado no dessecador. 
Posteriormente foi feito a limpeza da erva cidreira com auxílio de um pincel. Já frio, o 
vidro relógio foi pesado, e logo em seguida pesou-se também 0,8413 gramas da amostra, 
que no caso foi a Erva Cidreira. Aqueceu-se o vidro-relógio e a amostra na estufa por 10 
minutos a 70°C, ao ser retirado da estufa foi colocado no dessecador para resfriar por 10 
minutos e logo após foi feita a pesada. Este procedimento de aquecimento e resfriamento 
foi repetido até que o peso se tornasse constate. 
4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 
- Experimento 1: Determinação do teor da água de cristalização do cloreto de 
bário hidratado 
Pode ser observado no Experimento 1, através dos dados obtidos na Tabela 1, que 
ao longo de todo o processo de secagem, foram obtidos 0,1814 g de água da amostra, 
quando se eram esperados 0,1792 g de água. Dessa forma, os resultados foram bem 
próximos um do outro, cuja diferença é de apenas 0,0022 g, o que representa um erro 
relativo de 1,4300 %. 
 Tabela 1: Dados obtidos na análise experimental. 
Massa de Cloreto de 
Bário inicial 
1,2147 g 
Massa de Cloreto de 
Bário final 
1,0333 g 
Massa de água 0,1814 g 
Massa de Água Teórica 0,1792 g 
% H2O na Amostra 14,9337 % 
% H2O Teórica do Sal 14,7526 % 
Erro Relativo 1,4300 % 
Com isso, temos que os possíveis erros experimentais da prática foram: o manuseio 
incorreto da balança e do dessecador; o translado da amostra (da estufa até o dessecador 
e do dessecador até a balança); o tempo de aquecimento pode não ter sido o suficiente 
para a secagem ser concluída; talvez não houve tempo o suficiente para a amostra esfriar 
 
6 
 
dentro do dessecador; ainda há a possibilidade de a amostra sofrer desidratação 
naturalmente de forma lenta, pois não se sabe se o sal utilizado ainda continha 
porcentagem de água correta. 
- Experimento 2: Determinação do teor de voláteis na Erva Cidreira 
Foi notado que de acordo com cada passo da secagem, o cheiro da planta foi 
diminuindo, pois o cheiro que ela emana vem dos voláteis que ela possui. Dessa forma 
observamos que a massa dos voláteis se aproxima de 0,5013 g. Vale salientar, que após a 
3ª secagem, ainda havia aroma na planta e devido ao término da aula não foi possível 
determinar de forma
Página12