A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Atividade Contextualizada Ferrementas da Qualidade

Pré-visualização | Página 1 de 1

Atividade Contextualizada Ferramentas da Qualidade
A qualidade foi definida de várias maneiras diferentes. Quando visto do ponto de vista do consumidor, significa atender ou exceder as expectativas do cliente. As principais características das abordagens de qualidade total: base estratégica, foco no cliente, obsessão com qualidade, abordagem científica, compromisso de longo prazo, trabalho em equipe, melhoria contínua do processo, educação e treinamento de baixo para cima, liberdade de controle, unidade de propósito, envolvimento do funcionário e empoderamento e desempenho de pico. Neste contexto, “se você quer entender como a qualidade mundial beneficiou os consumidores, basta olhar para os automóveis. O que costumava ser considerada uma opção de luxo agora é apenas padrão”, disse um gerente de qualidade. “Esse é precisamente o problema”, disse outro gerente de qualidade; “nós estragamos o consumidor. Agora os clientes nunca serão felizes, não importa o que façamos”. Qual a sua opinião sobre as seguintes questões?
1) Quais características do automóvel moderno são direcionadas ao cliente?
2) Henry Ford uma vez disse algo no sentido de que o cliente pode ter qualquer modelo colorido que queira, desde que seja preto. Como o mundo evoluiu da atitude de Henry Ford em relação aos clientes para a atitude moderna de qualidade orientada para o cliente?
Para responder estas questões, você terá de buscar informações (artigos, revistas e etc.) sobre o que os clientes consideram, na atualidade, quando compram um automóvel.
Também será preciso investigar como os carros eram produzidos no tempo de Ford e como a qualidade era vista neste período. Com isso, você deverá traçar um paralelo entre esses períodos. Elabore um texto apontando os aspectos sobre a qualidade de uma forma crítica, de 20 a 25 linhas.
Uninassau - EAD
Gestão da Qualidade
Disciplina: Ferramentas da Qualidade
Aluna: Jamile Brandão Sant' Anna
Matrícula: 
1º Semestre
Henry Ford, desde do início tinha o sonho da mobilidade, almejava fabricar carros mais simples, para o consumo de todo sem exceções. Naquela época, os carros eram considerados um artigo de luxo.
Neste contexto, o avanço do capitalista, no início do século XX sofreram intensas alterações no sistema produtivo. As mudanças focaram na relação do trabalhador como o objeto, e foram desenvolvidas por Frederick Taylor– com o taylorismo – e Henry Ford - com o fordismo. A inovação do fordismo em relação ao taylorismo foi à introdução de linhas de montagens, na qual o operário era responsável apenas por uma atividade.
Considerado um bem muito valioso para alguns indivíduos a partir do século XX diante da necessidade de locomoção, mas também por outros valores, o automóvel passou a representar com o passar dos anos uma considerável representatividade no dia a dia. Ele mudou a noção de espaço de um indivíduo. Segundo a (Revista 4 Rodas, 1960:149) “o espaço privativo passou a ser medido, dentro de um carro, não de um quintal com jardim na frente”, ou seja, as pessoas passaram a superestimar os carros. A partir disso as exigências e modificações constantes se tornaram fatores prioritários.
Já não é novidade que hoje o cliente tem prioridade em quaisquer produtos/serviços que consuma. Porém, quando o quesito se trata de automóvel, uma das paixões mundial, há esse é unânime em afirmar que um carro precisa ser categoricamente superior a tudo que há de melhor: "Para comprar um veículo novo, ele precisa proporcionar designer, tecnologias e segurança."
As exigências elevaram, os clientes esperam a cada melhoria, outras superando a anterior e assim uma crescente sem comedidas. A indústria automotiva hoje tem obrigação de inovar ao lançar novos modelos com itens que são prioridades como segurança, designer, conforto e tecnologia.
Se a indústria traz em 2021 um modelo em 2022 esse irá que ser incrivelmente superior. É a lei da inovação! Pois com o mercado competitivo, as expectativas e exigências aumentaram. Com isso, os investimentos industriais também, refletindo lógico no consumidor final.
Ford tenta trazer ao consumidor o pensamento voltado apenas na necessidade do produto independente daquilo considerado supérfluo. Entretanto, a realidade atual as inovações dessas aparências tornaram-se um fator preponderante, com isso o mercado passou a inovar anos após anos criando cores e opções de linhas metalizadas. E não para por aí! Essa crescente evolução dos mixs de cores, vieram versões com tetos com cores diferenciadas provocando contraste, além dos detalhes nas maçanetas e frisos do carro.
Por se tratar de inovação o intuito hoje é deixar o veículo ter o máximo de personalidade possível para superar as expectativas do consumidor.
 
 
Referências Bibliográficas
https://www.researchgate.net/publication/315849201_O_comportamento_do_consumidor_de_automoveis
 
https://www.ford.com.br/sobre-a-ford/historia/#
 
GIDDENS, Anthony. Sociologia. Ed. Artmed. Porto Alegre, 2004.
 
PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p.