A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
36 pág.
História da Moda Idade Antiga Roma

Pré-visualização | Página 1 de 1

HISTÓRIA DA MODA
IDADE ANTIGA: 
ROMA
 
ROMA
800 a.C. - 400 d.C.
Roma é a cidade capital da Itália.
Espalha-se pelas margens do rio Tibre,
compreendendo o seu centro histórico com
as suas sete colinas: Palatino, Aventino,
Campidoglio, Quirinale, Viminale, Esquilino e
Celio. Segundo o mito romano, a cidade foi
fundada por Rómulo e Remo, dois irmãos
criados por uma loba, que são atualmente
símbolos da cidade.
Império = muitas influências.
•Técnica de construção evoluída: destaque
para as grandes construções – COLISEU: “Pão
e Circo”.
VESTUÁRIO
“Vestir-se para um romano, muitas vezes, se não principalmente, significava posição,
status, trabalho ou autoridade. (...) O vestuário usado pelos participantes em uma cena
oficial tinha conotações legais. (...) O uso hierárquico, simbólico de se vestir com um
uniforme ou traje é parte do legado de Roma para a civilização ocidental.”
(Larissa Bonfante. "Introduction.” The World of Roman Costume. Ed. Judith Lynn Sebesta
and Larissa Bonfante. University of Wisconsin Press, 1994. Pp. 5-6)
A Túnica romana teve origem na vestimenta etrusca, região da Etrúria (a atual Toscana),
evoluindo para a TOGA (mais volumosa que a grega e usada essencialmente pelas
classes superiores);
 Os senadores as usavam toda branca.
Até atingir a puberdade, os
meninos nascidos livres usavam
a toga com uma borda roxa
(toga praetexta) e no momento
da transição ela era trocada
numa cerimônia por uma toga
toda branca (toga virilis).
Toga praetexta: toga off-white
com uma beira roxa ampla. Os
únicos adultos autorizados a
usar essa toga eram
magistrados.
Cidadão
Mulher
Magistrado
Imperador
General
Trabalhador
Escravo
O guerreiro
Vermelho: cor consagrada 
no exército e usada por todos.
A túnica propriamente dita era usada como roupa de baixo, em lã ou algodão.
-Capa = Sagum: em lã grossa para proteger o guerreiro do frio.
-Elmo: reflete a posição do militar (usa uma túnica curta sob a armadura).
-Armaduras: uso de acolchoados por baixo.
FIAÇÃO E TECELAGEM
Mulher fazendo fiação de lã usando uma
roca e do fuso; para a direita do desenho
são reconstruções destes instrumentos,
com espirais do fuso reais abaixo
Reconstrução de tear
romano antigo
A Toga
Evoluída a partir do traje Etrusco,
região da Etrúria (a atual Toscana) ,
originalmente suas medidas foram
moderadas, constituía uma veste
exterior comum a homens e
mulheres (séculos VIII e VI a.C.) e
sua colocação era feita
simplesmente jogando-a sobre o
ombro esquerdo, dando volta pelas
costas até fazê-la passar por
debaixo do braço direito, que se
mantinha completamente livre.
Aos poucos sua forma e tamanho
foram aumentando e mudou
também a forma de sua colocação,
que passou a ser feita de trás para
frente, imobilizando
completamente o ombro esquerdo.
Uma ponta caída para frente, fazia
uma prega. A toga era sustentada
por um cinturão chamado Balteus.
Desenhos feitos a partir de relevo
em mármore do século IV d. C.
existentes na igreja de Santa Inês
de Roma. Trajes adotados pelo
clero católico romano.
As túnicas femininas quando
tinham mangas era até a altura dos
cotovelos.
Túnica branca curta, que chegava
um pouco abaixo dos joelhos, era
usada pelas libertas ou por aquelas
mulheres de costumes livres.
A dama nobre se cobria
com um manto chamado
Palla que era jogado sobre
o corpo, sem uso de
agulhas ou broches para
prendê-lo, de maneira bem
parecida com a toga
masculina..
Uma dama do tempo de Augusto, 27 a.C. As PALLAS
tinham variantes, mas sempre se procuravam que as
roupas, ainda que chegassem a cobrir os pés, não
arrastassem no chão.
Os trabalhadores manuais assim como os pastores,
caçadores, etc., usavam uma túnica, copiada dos gregos,
muito curta e sem manga do lado direito.
Ao longo do tempo, o tamanho e forma de drapejar a toga se tornaram mais elaborados;
comparar a 1ª estátua de bronze do início do primeiro século a.C. com a 2ª estátua, de um
senador romano. E a 3ª estátua do imperador Augusto, que ilustram claramente a toga como
a usada durante o final da República e primeiros séculos do Império.
Como vestir a toga
ROUPA ÍNTIMA
“Vestir-se para um romano, muitas vezes, se não
principalmente, significava posição, status, Não
sabemos muito sobre a roupa íntima dos romanos,
mas há evidências de que os homens e as mulheres
usavam uma tanga simples (subligar ou subligaculum)
Trabalhadores do sexo masculino usavam o subligar
quando se trabalhava, mas os homens de classe alta
podem ter usado apenas quando se exercitavam.
As mulheres também, por vezes, usava uma faixa de
pano ou couro para apoiar os seios (strophium ou
mamillare).
Essas roupas podem ser vistas na mulher atleta à
seguir, de um mosaico do século IV dC; ela segura um
ramo de palma significando que ela tem sido vitoriosa
em uma competição.
Moça de Bikini
Mosaico romano do
século IV de Villa Del
Casale em Piazza
Armerina, na Itália.
Calçados
BELEZA
Cabelos: anelados, trançados e com grande variedade de penteados.
Maquiagem e perfumaria são extremamente importantes.
Durante a República e no início do Império, os homens romanos usavam o cabelo curto e eram
barbeados, embora o processo de barbear fosse desconfortável e muitas vezes resultavam
em cortes e arranhões. Para os imperadores, no entanto, tornou-se um estilo muito usado.
O imperador Nero (54-68 dC)
usou um penteado mais
elaborado com cachos
emoldurando seu rosto e
depois adicionando costeletas,
o que também pode ser visto
em suas moedas.
Adriano (117-138 dC) foi o
primeiro imperador a adotar
uma barba curta, e muitos
homens, sem dúvida gratos
para escapar do calvário de
barbear, seguiram o seu
exemplo. Depois de seu
reinado, de fato, barbas
tornaram-se bastante comuns
entre os homens romanos.
Penteados
JOALHERIA
Cidadãos adultos do sexo masculino usavam apenas um item de joias, um anel de sinete
personalizado usado para fazer uma impressão em lacre, a fim de autorizar documentos.
Originalmente feito de ferro, estes anéis de sinete mais tarde vieram a ser feitos de ouro,
como o anel a seguir, que retrata um trágico ator segurando uma máscara.
Anel de bronze, selo de
Herculaneum , com as letras
do nome do proprietário no
sentido inverso , para
carimbar em cera.
Antes da idade adulta, os meninos romanos usavam
uma bulla, uma corrente no pescoço e uma bolsa
redonda contendo amuletos de proteção (símbolos
fálicos normalmente). A bulla de um menino de
classe alta seria feito de ouro.
EXPOSIÇÃO MASP, 2012
esq., Estatua de Livia; e, à
dir., estátua de Vênus
Agachada (Museu
Arqueológico Nacional de
Nápoles)
Anel com pedra (Museu Arqueológico Nacional de Florença)
Elmo de gladiador (Museu Arqueológico Nacional de Nápoles)
Bracelete de serpente (Museu Arqueológico Nacional de Nápoles)
Brinco de ouro (Museu Arqueológico Nacional de Florença)
Colar (Museu Arqueológico Nacional de Nápoles)
À esq., anel com representação de esfinge; e, à dir., colar (Museu Arqueológico Nacional de
Florença)
Entalhe com Eros (Museu Arqueológico Nacional de Florença)
DOCUMENTÁRIOS, VÍDEOS
Colosseum, gladiator Verus' story, by BBC, full movie. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=GR8H4mWItlk
CONSTRUINDO UM IMPÉRIO - ROMA – History. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=liMvesSFM0A

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.