A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
125 pág.
Luciana Rumão_Memória e esquecimento: André Rebouças para o movimento negro brasileiro

Pré-visualização | Página 1 de 34

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEMÓRIA SOCIAL 
MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL 
 
 
 
 
LUCIANA RUMÃO NEVES 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
MEMÓRIA E ESQUECIMENTO: ANDRÉ REBOUÇAS PARA O 
MOVIMENTO NEGRO BRASILEIRO 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
RIO DE JANEIRO 
2014 
 
 
LUCIANA RUMÃO NEVES 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
MEMÓRIA E ESQUECIMENTO: ANDRÉ REBOUÇAS PARA O 
MOVIMENTO NEGRO BRASILEIRO 
 
 
 
Dissertação apresentada ao Programa de Pós-
Graduação em Memória Social como requisito 
para a obtenção do grau de mestre em 
Memória Social da Universidade Federal do 
Estado do Rio de Janeiro, orientada pela Prof.ª 
Drª. Andréa Lopes da Costa Vieira 
 
 
 
 
 
 
 
RIO DE JANEIRO 
2014 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Neves, Luciana Rumão. 
N518 Memória e esquecimento: André Rebouças para o movimento negro 
 brasileiro / Luciana Rumão Neves, 2014. 
 125 f. ; 30 cm 
 
 Orientador: Andréa Lopes da Costa Vieira. 
 Dissertação (Mestrado em Memória Social) – Universidade Federal 
 do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. 
 
 1. Rebouças, André, 1838-1898. 2. Identidade social. 3. Negro - 
 Identidade racial. 4. Memória - Aspectos sociais. I. Vieira, Andréa 
 Lopes da Costa. II. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. 
 Centro de Ciências Humanas e Sociais. Programa de Pós-Graduação em 
 Memória Social. III. Título. 
 
 
 
LUCIANA RUMÃO NEVES 
 
 
MEMÓRIA E ESQUECIMENTO: ANDRÉ REBOUÇAS PARA O 
MOVIMENTO NEGRO BRASILEIRO 
 
Dissertação apresentada ao Programa de Pós-
Graduação em Memória Social, como requisito para 
obtenção do grau de Mestre em Memória Social da 
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. 
 
Área de concentração: 
Aprovada em 29 de Setembro de 2014. 
 
BANCA EXAMINADORA 
 
 
Professora Doutora Andréa Lopes da Costa Vieira – Orientador 
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro 
 
 
Professora Drª Edlaine de Campos - PPGMS 
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro 
 
 
 
Professora Drª Patrícia Farias – Escola de Serviço Social 
Universidade Federal do Rio de Janeiro 
 
 
 
DEDICATÓRIA 
 
Dedico este trabalho a Deus e a todos aqueles que contribuíram de forma 
direta ou indireta para conclusão do mesmo. 
A dissertação que ora apresento, foi para mim uma difícil experiência, uma 
tarefa levada a cabo ao custo de muitas noites insones e incontáveis canecas de 
café, sempre sob a ameaça invariável do tempo e dos descomedimentos tão 
próprios aos que começam. Os dias de pesquisas no Instituto Histórico Geográfico 
Brasileiro, onde obtive nos diários de André Rebouças inspiração para a escolha 
deste tema, foram maravilhosos devido à oportunidade de enriquecer a minha alma 
e o meu conhecimento, através das diversas fontes sobre este grande abolicionista. 
Comecei e prossegui e, ao fim e ao cabo, conclui a tarefa iniciada. Ao êxito relativo, 
argumento que só eu sei as agruras que padeci. 
Agradeço aos meus amigos da UNIRIO e UERJ, que me incentivaram a 
prosseguir na caminhada na instituição UNIRIO, que me ajudaram com conselhos e 
incentivos para a realização desta dissertação. 
Agradeço à pessoa calorosa e humana da minha orientadora Prof.ª Drª. 
Andréa Lopes da Costa Vieira que tem sido muito compreensiva, humana e solícita 
em tudo que eu necessitava para a dissertação com a sua estimável experiência, 
conselhos e orientações. 
Todos esses que mencionei e aos que eu não pude citar meu carinho e 
agradecimentos sinceros. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Sou Negro 
meus avós foram queimados 
pelo sol da África 
minh`alma recebeu o batismo dos tambores atabaques, gonguês e agogôs 
Contaram-me que meus avós 
vieram de Loanda 
como mercadoria de baixo preço plantaram cana pro senhor do engenho novo 
e fundaram o primeiro Maracatu. 
Depois meu avô brigou como um danado nas terras de Zumbi 
Era valente como quê 
Na capoeira ou na faca 
escreveu não leu 
o pau comeu 
Não foi um pai João 
humilde e manso 
Mesmo vovó não foi de brincadeira 
Na guerra dos Malês 
ela se destacou 
Na minh´alma ficou 
o samba 
o batuque 
o bamboleio 
e o desejo de libertação... 
 
 
 
 
Solano Trindade 
 
 
 
RESUMO 
 
O principal objetivo desta dissertação é identificar a representação social da 
memória de André Rebouças abolicionista, engenheiro e intelectual do século XIX 
no movimento negro, analisando a sua representação na memória coletiva nos 
grupos sociais afro-brasileiros através de bibliografias e documentos e de narrativas 
dos militantes. Utilizando o conceito de memória coletiva de Maurice Halbwachs para 
ressaltar que o movimento negro, como todo movimento social, partilha uma 
memória construída a partir de personagens, lugares herdados e vividos, 
enfatizando dados pertencentes à história do grupo, forjando fortes referências a um 
passado comum. 
 
 
Palavras-chave: André Rebouças. Movimento negro. Identidade. Memória. 
 
 
 
 
ABSTRACT 
 
The main objective of this dissertation is to identify the social representation of 
the memory of the abolitionist André Rebouças, engineer and intellectual of the 
nineteenth century for the black movement, analyzing its representation in the 
collective memory in the Afro Brazilian social groups through bibliographie, 
documents and narratives of the militants. Using the concept of collective memory of 
Maurice Halbwachs to emphasize that the black movement, like any other social 
movement, shares a memory built from characters, places and lived legacy, 
emphasizing data pertaining to the history of the group, forging strong references to a 
common past . 
 
 
Keywords: André Rebouças. Black movement. Identity. Memory 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
LISTA DE ABREVIATURAS 
CEAP – Centro de Articulações de Populações Marginalizadas 
CEERT – Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades 
Cedenpa – Centro de Estudos e Defesa do Negro do Pará 
ENEN – Encontro Nacional de Entidades Negras 
FECONEZU – Festival Comunitário Negro Zumbi 
FNB – Frente Negra Brasileira 
FUNDAJ – Fundação Joaquim Nabuco 
Geledés – Instituto da Mulher Negra 
GTAR – Grupo de Trabalho André Rebouças 
IHGB – Instituto Histórico Geográfico Brasileiro 
IPEAFRO – Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros 
IPCN – Instituto de Pesquisa de Cultura Negra 
MUCDR – Movimento Unificado Contra a Discriminação Racial 
MNU – Movimento Negro Unificado 
MNUCDR – Movimento Negro Unificado Contra a Discriminação Racial 
SECNEB – Sociedade de Estudo de Cultura Negra no Brasil 
SINBA – Sociedade de Intercâmbio Brasil África 
TEN – Teatro Experimental do Negro 
UFF – Universidade Federal Fluminense 
UNEGRO – União dos Negros pela Igualdade 
 
 
 
 
SUMÁRIO 
 
 
INTRODUÇÃO ..............................................................................................................11 
1 MEMORIAL SOCIAL, IDENTIDADE, MOVIMENTO NEGRO E 
REPRESENTAÇÃO SOCIAL .................................................................................... 116 
1.1 Espaço, memória, e identidade .........................................................................20 
1.2 Raça, Identidade Negra e Cultura Negra no Brasil........................................ 209 
1.3 Memória e esquecimento de André Rebouças .................................................37 
2 ANDRÉ REBOUÇAS, E SUA MEMÓRIA ..............................................................41 
2.1 O cenário brasileiro no século XIX e as origens de André Rebouças .............41 
2.2 André Rebouças, o engenheiro e homem de negócios ...................................49 
2.3 André Rebouças, o abolicionista .......................................................................52

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.