A maior rede de estudos do Brasil

Qual a influência do calor e a umidade no tempo de presa do cimento deóxido de zinco e eugenol?


1 resposta(s)

User badge image

Nino

Há mais de um mês

Quanto à composição química e tempo de presa, os principais ingredientes do cimento são óxido de zinco e o eugenol. Já está bem estabelecido que o mecanismo de presa consiste na hidrólise do óxido de zinco, reagindo subsequentemente o hidróxido de zinco com o eugenol para formar um quelato. A água é necessária para iniciar a reacção, além de ser um subproduto da mesma. Por este motivo, a reacção ocorre mais depressa em ambiente húmido. A presença de acetato de zinco diidratado, também acelera a reacção, porque cede mais rapidamente os iões de zinco necessários ao início da reacção. O ácido acético é um catalisador mais activo que a água para o início da reacção porque aumenta a velocidade de formação do hidróxido de zinco. A temperatura atmosférica alta também acelera a presa. Existem vários subtipos deste cimento de acordo com a função a que se destinam. O cimento tipo I é usado na cimentação provisória (baixa resistência para permitir a sua remoção com facilidade. O eugenol pode interferir com as resinas, pelo que se for do plano o uso deste outro material devemos usar um cimento de oxido de zinco sem eugenol), o tipo II na cimentação de longa duração de próteses fixas (Substitui o eugenol por EBA, acido ortoetoxibenzoico. Não deve ser usado para cimentação provisoria de prótese fixa definitiva, pois podem danificar a prótese ou o dente), o tipo III é usado como restauração temporária e base para isolamento térmico (dura dias a semanas), e o tipo IV é indicado para restaurações intermediárias (pode servir como restaurador até um ano). Este cimento também pode ser usado para selar canais radiculares e como curativo periodontal.

 

Quanto à composição química e tempo de presa, os principais ingredientes do cimento são óxido de zinco e o eugenol. Já está bem estabelecido que o mecanismo de presa consiste na hidrólise do óxido de zinco, reagindo subsequentemente o hidróxido de zinco com o eugenol para formar um quelato. A água é necessária para iniciar a reacção, além de ser um subproduto da mesma. Por este motivo, a reacção ocorre mais depressa em ambiente húmido. A presença de acetato de zinco diidratado, também acelera a reacção, porque cede mais rapidamente os iões de zinco necessários ao início da reacção. O ácido acético é um catalisador mais activo que a água para o início da reacção porque aumenta a velocidade de formação do hidróxido de zinco. A temperatura atmosférica alta também acelera a presa. Existem vários subtipos deste cimento de acordo com a função a que se destinam. O cimento tipo I é usado na cimentação provisória (baixa resistência para permitir a sua remoção com facilidade. O eugenol pode interferir com as resinas, pelo que se for do plano o uso deste outro material devemos usar um cimento de oxido de zinco sem eugenol), o tipo II na cimentação de longa duração de próteses fixas (Substitui o eugenol por EBA, acido ortoetoxibenzoico. Não deve ser usado para cimentação provisoria de prótese fixa definitiva, pois podem danificar a prótese ou o dente), o tipo III é usado como restauração temporária e base para isolamento térmico (dura dias a semanas), e o tipo IV é indicado para restaurações intermediárias (pode servir como restaurador até um ano). Este cimento também pode ser usado para selar canais radiculares e como curativo periodontal.

 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes