A maior rede de estudos do Brasil

O que é erro de proibição ?

Direito Penal IUNICEUMA

2 resposta(s)

User badge image

Schumacker

Há mais de um mês

Erro de proibição é aquele que incide sobre a ilicitude de um comportamento. O agente supõe, por erro, ser lícita sua conduta. O objeto do erro não é, pois, nem a lei, nem o fato, mas a ilicitude, a contrariedade do fato  em relação à lei. O agente supõe permitida uma conduta proibida. O agente faz um juízo equivocado daquilo que  lhe é permitido fazer.

 

                                    No erro de proibição há três elementos fundamentais a considerar: a lei, o fato e a ilicitude. A lei como proibição, a entidade moral e abstrata;  o fato, como ação, é a entidade material e concreta; enquanto que a ilicitude é a relação de contrariedade ou contradição entre a norma e o fato.

 

                                    O desconhecimento da ilicitude de um comportamento é circunstância diversa do desconhecimento de uma norma legal.

 

                                    A ignorância da lei não se confunde com o desconhecimento do injusto,  ou do ilícito, até porque  a ilicitude de um fato não está  no fato em si,  nem nas leis  vigentes, mas entre ambas coisas, ou seja, na relação de contrariedade que se estabelece  entre o fato e ordenamento jurídico.

 

                                    A ignorância da lei é matéria que diz respeito à aplicação da lei penal que, por presunção, é conhecida por todos.

 

                                    Erro de proibição, ao contrário, é temática afeta à culpabilidade, e incide exatamente porque o agente não ignora a lei, mas ignora que seu comportamento esteja contrariando a lei.

           

                                    Assim, quando o sujeito ignora a lei, ele desconhece os  dispositivos legislados; já quando  ignora a ilicitude, desconhece  que sua ação é contrária ao direito.

 

                                    No erro de proibição o agente, no momento da ação, não tem a potencial consciência da ilicitude de seu comportamento e, por isso, deve ser absolvido.

 

                                    Todavia, para que o erro possa ser reconhecido, não basta, simplesmente, não ter consciência dessa ilicitude. Em outros termos, é preciso indagar se havia possibilidade de adquirir tal consciência e, em havendo essa possibilidade, se ocorreu negligência em não adquiri-la ou falta ao dever concreto de procurar esclarecer-se sobre a ilicitude da conduta praticada.

 

                                   Sendo a culpabilidade normativa, estará presente, sempre, um juízo de valor sobre a ação humana, e, assim, o erro só será justificável e, portanto, inevitável, se não decorrer de censurável desatenção ou falta de um dever de informar-se, que nas circunstâncias, se impunha.

 

                                   Desse modo pode-se dizer que:

 

  1. a) se o agente tem consciência real: punição é normal;
  2. b) se o agente erra, mas tem consciência potencial: punição reduzida;
  3. c) se o agente erra, e não tem consciência potencial: absolvição.

 

                                   O Código Penal Brasileiro considerou o dever de informar-se no artigo 21, parágrafo único, ao sustentar  que considera-se evitável o erro se o agente atua ou se omite sem a consciência da ilicitude do fato, quando lhe era possível, nas circunstâncias, ter ou atingir essa consciência.

 

                                   O pressuposto básico, assim, para que o erro de proibição seja considerado relevante é que tenha sido impossível ao agente alcançar entendimento da ilicitude de seu comportamento.

Ex: Muito comum é o exemplo do holandês que vem fazer turismo no Brasil e imagina ser aqui permitido, assim como é na Holanda, o uso de maconha. Este é um caso de erro de proibição. O estrangeiro pensa que no Brasil o consumo daquele entorpecente é lícito. No entanto se equivoca quanto ao conteúdo proibitivo da norma.

Erro de proibição é aquele que incide sobre a ilicitude de um comportamento. O agente supõe, por erro, ser lícita sua conduta. O objeto do erro não é, pois, nem a lei, nem o fato, mas a ilicitude, a contrariedade do fato  em relação à lei. O agente supõe permitida uma conduta proibida. O agente faz um juízo equivocado daquilo que  lhe é permitido fazer.

 

                                    No erro de proibição há três elementos fundamentais a considerar: a lei, o fato e a ilicitude. A lei como proibição, a entidade moral e abstrata;  o fato, como ação, é a entidade material e concreta; enquanto que a ilicitude é a relação de contrariedade ou contradição entre a norma e o fato.

 

                                    O desconhecimento da ilicitude de um comportamento é circunstância diversa do desconhecimento de uma norma legal.

 

                                    A ignorância da lei não se confunde com o desconhecimento do injusto,  ou do ilícito, até porque  a ilicitude de um fato não está  no fato em si,  nem nas leis  vigentes, mas entre ambas coisas, ou seja, na relação de contrariedade que se estabelece  entre o fato e ordenamento jurídico.

 

                                    A ignorância da lei é matéria que diz respeito à aplicação da lei penal que, por presunção, é conhecida por todos.

 

                                    Erro de proibição, ao contrário, é temática afeta à culpabilidade, e incide exatamente porque o agente não ignora a lei, mas ignora que seu comportamento esteja contrariando a lei.

           

                                    Assim, quando o sujeito ignora a lei, ele desconhece os  dispositivos legislados; já quando  ignora a ilicitude, desconhece  que sua ação é contrária ao direito.

 

                                    No erro de proibição o agente, no momento da ação, não tem a potencial consciência da ilicitude de seu comportamento e, por isso, deve ser absolvido.

 

                                    Todavia, para que o erro possa ser reconhecido, não basta, simplesmente, não ter consciência dessa ilicitude. Em outros termos, é preciso indagar se havia possibilidade de adquirir tal consciência e, em havendo essa possibilidade, se ocorreu negligência em não adquiri-la ou falta ao dever concreto de procurar esclarecer-se sobre a ilicitude da conduta praticada.

 

                                   Sendo a culpabilidade normativa, estará presente, sempre, um juízo de valor sobre a ação humana, e, assim, o erro só será justificável e, portanto, inevitável, se não decorrer de censurável desatenção ou falta de um dever de informar-se, que nas circunstâncias, se impunha.

 

                                   Desse modo pode-se dizer que:

 

  1. a) se o agente tem consciência real: punição é normal;
  2. b) se o agente erra, mas tem consciência potencial: punição reduzida;
  3. c) se o agente erra, e não tem consciência potencial: absolvição.

 

                                   O Código Penal Brasileiro considerou o dever de informar-se no artigo 21, parágrafo único, ao sustentar  que considera-se evitável o erro se o agente atua ou se omite sem a consciência da ilicitude do fato, quando lhe era possível, nas circunstâncias, ter ou atingir essa consciência.

 

                                   O pressuposto básico, assim, para que o erro de proibição seja considerado relevante é que tenha sido impossível ao agente alcançar entendimento da ilicitude de seu comportamento.

Ex: Muito comum é o exemplo do holandês que vem fazer turismo no Brasil e imagina ser aqui permitido, assim como é na Holanda, o uso de maconha. Este é um caso de erro de proibição. O estrangeiro pensa que no Brasil o consumo daquele entorpecente é lícito. No entanto se equivoca quanto ao conteúdo proibitivo da norma.

User badge image

Jhenifer

Há mais de um mês

ERRO DE PROIBIÇÃO (art. 21º): o desconhecimento da lei é inexcusável, ou seja, a ninguém é dado o direito de alegar ignorância com o pretexto de afastar a responsabilidade. Contudo o desconhecimento em relação a ilicitude isenta o agente de pena. O erro inevitável isenta de pena, se evitável é circunstância atenuante prevista no Art. 65º CP (vencível e Invencível).

EX: caçar um animal que não sabia que estava protegido naquela área.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes