A maior rede de estudos do Brasil

Ha inconstitucionalidade no trabalho intermitente ?

REFORMA DA CLT


3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Gabriela Gattulli Verified user icon

Há mais de um mês

Não há ainda uma manifestação oficial do STF que foi questionado sobre o tema nas ADIs 5806 e 5826, contudo as partes argumentaram pela inconstitucionalidade segundo os seguintes argumentos:

Na argumentação pela inconstitucionalidade do trabalho intermitente, os advogados da Fenepospetro (Escritório Gherardi e Raeffay) registram, inicialmente, que “não há, para esta modalidade contratual, a previsão de jornada fixa nem de quantidade de horas a serem trabalhadas diária, semanal ou mensalmente”.

E acrescentam: “Muito embora o contrato intermitente tenha sido introduzido em nosso ordenamento jurídico pela Reforma Trabalhista (Lei nº 13.467/17) – sob o pretexto de ‘ampliar’ a contratação de trabalhadores em um período de crise que assola o país – na realidade propicia a precarização da relação de emprego, servindo inclusive de escusa para o pagamento de salários inferiores ao mínimo constitucionalmente assegurado e que não atendem às necessidades básicas do trabalhador e de sua família, especialmente para moradia, alimentação, educação, saúde e lazer”.

Ainda conforme a petição inicial, “notoriamente, o que se visa com o contrato de trabalho intermitente é o favorecimento da atividade empresarial em detrimento do trabalhador que é a parte hipossuficiente da relação de emprego, ficando clara a chamada coisificação da pessoa humana, denunciada desde a época da Revolução Francesa”.

Não há ainda uma manifestação oficial do STF que foi questionado sobre o tema nas ADIs 5806 e 5826, contudo as partes argumentaram pela inconstitucionalidade segundo os seguintes argumentos:

Na argumentação pela inconstitucionalidade do trabalho intermitente, os advogados da Fenepospetro (Escritório Gherardi e Raeffay) registram, inicialmente, que “não há, para esta modalidade contratual, a previsão de jornada fixa nem de quantidade de horas a serem trabalhadas diária, semanal ou mensalmente”.

E acrescentam: “Muito embora o contrato intermitente tenha sido introduzido em nosso ordenamento jurídico pela Reforma Trabalhista (Lei nº 13.467/17) – sob o pretexto de ‘ampliar’ a contratação de trabalhadores em um período de crise que assola o país – na realidade propicia a precarização da relação de emprego, servindo inclusive de escusa para o pagamento de salários inferiores ao mínimo constitucionalmente assegurado e que não atendem às necessidades básicas do trabalhador e de sua família, especialmente para moradia, alimentação, educação, saúde e lazer”.

Ainda conforme a petição inicial, “notoriamente, o que se visa com o contrato de trabalho intermitente é o favorecimento da atividade empresarial em detrimento do trabalhador que é a parte hipossuficiente da relação de emprego, ficando clara a chamada coisificação da pessoa humana, denunciada desde a época da Revolução Francesa”.

User badge image

Marcelo

Há mais de um mês

Consta ação no STF questionando a respeito (ADI 5.806), mas acredito que não vá passar. Contanto que a hora paga não fira o salário mínimo por hora e dia, infelizmente não vejo prosperar o pleito.

User badge image

Leandro

Há mais de um mês

Aproveitando o gancho do colega Marcelo, destaco que o Trabalho Intermitente vai de fronte aos requisitos caracterizadores da relação de emprego, mais especificamente, a não eventualidade ou habitualidade, pois o trabalho intermitente há a necessidade de pausas!

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas