PlanoDeAula_22629
2 pág.

PlanoDeAula_22629


DisciplinaFundamentos de Neuroanatomia320 materiais5.561 seguidores
Pré-visualização1 página

	 
			
			 Plano de Aula: 15 - Divisão autônoma do sistema nervoso
			 FUNDAMENTOS DE NEUROANATOMIA
			
		
		
			Título
			15 - Divisão autônoma do sistema nervoso
			 
			Número de Aulas por Semana
			
				4
			
			Número de Semana de Aula
			
				15
			
 
 Tema
		 Unidade 12 - Divisão autônoma do sistema nervoso
		
		 Objetivos
		 Ao final desta aula, o aluno deverá ser capaz de:
·   Compreender as funções da divisão autônoma do sistema nervoso;
·   Compreender a organização geral da divisão autônoma do sistema nervoso;
·   Diferenciar segundo critérios anatômicos, a parte simpática e a parte parassimpática.
		
		 Estrutura do Conteúdo
	 Unidade 12 - Divisão Autônoma do Sistema Nervoso:
 
12.1. Conceito:
O termo divisão autônoma do sistema nervoso é usado para descrever aquelas células nervosas, localizadas tanto na parte central do sistema nervoso quanto na parte periférica, que estão envolvidas com a inervação e o controle dos órgãos viscerais, músculos lisos, músculo cardíaco e glândulas. A principal função da divisão autônoma do sistema nervoso é descrita amplamente como a homeostasia do meio ambiente interno. Isso é garantido pela regulação dos mecanismos cardiovasculares, respiratórios, digestivos, excretores e termorreguladores, que ocorrem de modo automático e com relativamente pouco controle voluntário.
 
12.2. Organização geral:
Na â\u20ac\u153Unidade 3 - Desenvolvimento e Divisões do Sistema Nervosoâ\u20ac\ufffd - vimos que o sistema nervoso é dividido, funcionalmente, em somático e visceral. O sistema nervoso somático relaciona o organismo com o meio ambiente e apresenta um componente aferente e outro eferente. O sistema nervoso visceral está relacionado à inervação e ao controle das estruturas viscerais, apresentando também um componente aferente e outro eferente. A parte eferente do sistema nervoso visceral é chamada de parte autônoma do sistema nervoso.
Os neurônios eferentes autônomos diferem daqueles do sistema nervoso somático porque há uma sequência de dois neurônios entre a parte central do sistema nervoso e a estrutura inervada, enquanto no sistema nervoso somático, existe apenas um neurônio eferente fazendo essa conexão. O corpo celular do primeiro neurônio está localizado na medula espinal ou no tronco encefálico, enquanto o do segundo neurônio está localizado perifericamente em um gânglio autônomo. O primeiro neurônio é referido como neurônio pré-ganglionar, e o segundo como neurônio pós-ganglionar. Os neurônios eferentes da divisão autônoma do sistema nervoso organizam-se em dois grupos distintos: os da parte simpática e os da parte parassimpática.
 
12.3. Parte simpática:
Os neurônios pré-ganglionares simpáticos estão localizados na parte torácica e nos dois ou três níveis superiores da parte lombar (entre T1 e L2) da medula espinal. Os corpos dos neurônios pós-ganglionares simpáticos se situam nos gânglios que se localizam longe das vísceras e próximos da coluna vertebral.
 
12.4. Parte parassimpática:
Os neurônios pré-ganglionares parassimpáticos estão localizados no tronco encefálico e no segundo, terceiro e quarto níveis da parte sacral da medula espinal (S2, S3 e S4). Os corpos dos neurônios pós-ganglionares parassimpáticos se situam nos gânglios que se localizam próximos ou dentro das vísceras.
 
12.5. Correlações anatomoclínicas:
Exemplos anatomoclínicos relacionados com o conteúdo dessa unidade. 
	
	 Aplicação Prática Teórica
 Textos:
1.   VAN DE GRAAFF. Anatomia Humana. 6. ed. Barueri, SP: Manole, 2003 (Capítulo 13); 
2.   DÃ\u201aNGELO; Fattini. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 3. ed. São Paulo: Atheneu, 
     2007 (Capítulo 6);
3.   MACHADO. Neuroanatomia Funcional. 2. ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 1993 (Capítulo 13);
4.   MENESES. Neuroanatomia Aplicada. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006 (Capítulo 12);
5.   CROSSMAN; Neary. Neuroanatomia ilustrada. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007 (Capítulo 4);
6.   CTA-SBA. Terminologia Anatômica Internacional. São Paulo: Manole, 2001 (p. 170-172).