Buscar

História e antropologia juridica

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 2, do total de 5 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 5 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 4, do total de 5 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 5, do total de 5 páginas

Prévia do material em texto

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA 
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS 
CURSO/TURNO: DIREITO NOTURNO SEMESTRE 2021.1 
DISCIPLINA: HISTÓRIA E ANTROPOLOGIA JURÍDICA (GISCARD FARIAS AGRA) 
DISCENTES: 
(1) 
 
AVALIAÇÃO II UNIDADE 
 
01. Identifique e discuta as principais conquistas jurídicas dos plebeus ao longo 
da história da Roma antiga. (2,5) 
 
 Os plebeus eram homens de nenhuma ou poucas posses, não possuíam 
profissão determinada e eles viviam de escambo e de serviços para o 
patriarcado. Foram atraídos para Roma na esperança de melhorar de vida, 
mas a bonança se restringia a poucos e eles quase não tiveram acesso. 
 Por conta de todo esse descaso, os plebeus decidiram que iriam deixa a 
cidade por não ter acesso ao conhecimento das leis e julgamentos justos. Os 
patrícios por sua vez, eram os detentores das interpretações das normas 
alegavam que suas posições eram legais, e usavam o pretexto de direitos 
imemoráveis. Em 494 A.C essa confusão começou a ser solucionada através 
do reconhecimento da plebe, que foram chamados de tribunos da plebe. Então 
foi organizada uma comissão de dez magistrados (foi o primeiro a ser 
registrado na história) que ficaram encarregados de elaborar leis gerais para 
Roma. Esse fato ocorreu após a destituição dos patrícios que, partiram para o 
mundo helênico. 
 O resultado final desse trabalho ficou conhecido como as Leis das doze 
tábuas, e foi reconhecida como de extrema importância, pois o que foi 
mencionado na referida lei, se reflete em uma das primeiras iniciativas de no 
sentido de tornar o direito mais acessível e mais conhecido pelo público. 
 As tabuas originas, foram perdidas na guerra contra os gauleses, em 
387, elas estavam escritas em placas de bronze e expostas no edifício do 
fórum romano, elas foram roubadas e destruídas com fogo, porem as leis já 
estavam tão presentes na memoria popular que os escritores não tiveram 
grandes problemas para reescreve-las, e essa foi a prova de que o anseio 
plebeu havia alcançado êxito. 
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA 
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS 
CURSO/TURNO: DIREITO NOTURNO SEMESTRE 2021.1 
DISCIPLINA: HISTÓRIA E ANTROPOLOGIA JURÍDICA (GISCARD FARIAS AGRA) 
 Já na época do imperador Justiniano, as doze tábuas continuavam tão 
vividas na memória do povo romano que elas foram primordiais para a 
consolidação das leis posteriores, sendo chamada de Corpus Juris Civilis. 
 
02. Ao analisar a série de alterações ocorridas na estrutura da Igreja Católica, 
Harold Berman propõe o abandono da nomenclatura “Reforma Gregoriana” e a 
adoção do termo “Revolução Papal”. Dito isto, identifique a que se refere o 
evento histórico e discuta as razões que fundamentam a proposta do autor. 
(2,5) 
 A reforma Gregoriana recebeu esse nome em alusão ao Papa Gregório 
VII, que elaborou um programa de regulamentações do pontificado católico, 
onde as principais diretrizes desta reforma, foram redigidas no documento 
intitulado como Dictatus Papae ( As bulas Papais) e elas passaram a servir de 
molde para inúmeras alterações até 1215. A reforma teve como principal 
objetivo resolver a tensão entre o estado e a igreja. 
 No sacro Império Romano-Germânico, alguns imperadores tentaram até 
interferir nas nomeações de cargos dentro da própria igreja, e com isso houve 
um movimento chamado de Querela das investiduras, que era as disputas 
entre papas e imperadores em relação ao direto de nomear clérigos e nobres. 
 Entre as diretrizes, estavam a diferenciação de forma clara dos papeis 
entre os leigos e os clérigos, nesse documento estavam 27 proposições, 
aparentemente remetidas a ele próprio (Papa Gregório). 
 Segundo Harold Berman o termo “reforma” demonstrava um enorme 
eufemismo, refletindo em partes o anseio do próprio papado, de minimizar a 
enorme descontinuidade do que era antes e do que veio depois da reforma. 
 Ainda de acordo com o autor, o termo em latim Reformatio, pode sugerir 
uma quebra considerável na continuação e relembrar a reforma protestante do 
século XVI. Ele explicita que uma outra forma de fazer referência a esses 
acontecimentos era a “Tentativa de Investidura”, que não é tanto uma acepção 
mais agradável, mais sim uma forma direta de apontar para a luta do papado e 
tomar do imperador e dos reis o poder de conceder cargos para o poder 
espiritual ,ou seja, ofertar esses cargos para os bispos com o objetivo principal 
de simbolizar a sua autoridade, essa nomenclatura liga o combate entre o 
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA 
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS 
CURSO/TURNO: DIREITO NOTURNO SEMESTRE 2021.1 
DISCIPLINA: HISTÓRIA E ANTROPOLOGIA JURÍDICA (GISCARD FARIAS AGRA) 
papado e o reinado ao principal lema dos reformadores papais: “a liberdade da 
igreja”. 
 
03. Analisando o contexto da Baixa Idade Média (séculos XI-XV), diferencie as 
condições históricas que possibilitaram a emergência da Common Law na 
Inglaterra e da Família Romano-Germânica na parte continental da Europa. 
(2,5) 
 
Família Romano-Germânica 
 
A família romano-germânica e seu conjunto de normas jurídicas 
independentes, é o mais popular e mais dissipado no mundo, constituiu-se 
através do direito romano com origem dos fatos históricos que explicam sua 
fundação e suas características, como também a forte influência das 
universidades europeias no século XI. 
O direito romano se refere ao conjunto de normas jurídicas que foram 
instituídas na cidade de Roma e difundidas logo mais no direito aplicado no 
território do império Romano. 
 A Queda de Roma (ou a Queda do Império Romano do Ocidente) foi 
desencadeada por uma queda no domínio do imperador, e com isso o 
território foi dividido em várias comunidades politicas sucessoras. Apesar 
dessa queda, o direito romano continuou a influenciar as produções jurídicas 
dos reinos ocidentais. 
 O Direito Romano existe a mais de mil anos, que iniciou com a criação 
da lei das doze tábuas, até o corpo do Direito Civil por Justiniano. Os 250 
anos iniciais da era do cristianismo, foi o momento em que o direito e a 
ciência jurídica romanos atingiram um alto desdobramento. Esse tempo é 
conhecido como o período clássico do direito romano, que granjeou um 
caráter único, alcançado através das realizações literárias e práticas dos 
juristas romanos. 
 
Common Law 
 
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA 
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS 
CURSO/TURNO: DIREITO NOTURNO SEMESTRE 2021.1 
DISCIPLINA: HISTÓRIA E ANTROPOLOGIA JURÍDICA (GISCARD FARIAS AGRA) 
Common Law (do inglês “direito comum”) é o direito que se desenvolveu em 
alguns países através de decisões dos tribunais, e não mediante atos 
legislativos ou executivos. Divergente do direito romano-germânica, que 
enfatiza os atos do legislativo. 
A common Law foi desenvolvida pela primeira vez no processo de 
monarquia centralizada sob o sistema de interrogatório britânico nos séculos 
XII e XIII. A Origem da common law pode ser rastreada até a conquista da 
Inglaterra pelos normandos em 1066. Desta forma, evidencia-se os principais 
sistemas jurídicos atuais hoje no mundo: o romano-germânico e o anglo-
saxão, e eles se diferenciam pela conservação da tradição oral do segundo, e 
pelo imperativo da escrita no primeiro. 
Fragmentos prático destes costumes, hoje ambas hegemonicamente 
escritas, é a proeminência do "caso precedente", ou seja, o dinamismo que dá 
procedência a novas regras. No sistema Common Law, apreciações locais e 
específicos (casos "inéditos") adquirem geralmente, o habito de originar 
novas regras, e com o passo que no sistema romano-germânico surgem 
novas competências diferentes e mais severas entre o julgar e o legislar. 
Conclui-se que, o que é importante entre os sistemas, é como 
funcionam e quais as formas de operar o Direito em cada uma. Nos dias 
atuais, se nota que o fenômeno de aproximação entre os sistemas jurídicos, 
se relacionam mutuamente, sendo esse o principal objetivo da globalizaçãojudicial. 
Em contrapartida, as divergências entre os sistemas estão intocadas, 
nomeadamente o preço das leis e regras em cada um dos sistemas. Na 
common law, a lei não se restringe a explanação judicial, sendo este o motivo 
da contenda entre a lei e antecedente. 
 A maior diferença entre os dois sistemas é o tratamento de 
precedentes judiciais. Tradicionalmente, as sentenças judiciais em países de 
common law têm sido a principal fonte de regulamentação da irradiação, 
concluindo associações técnicas e resolvendo casos. Portanto, a família 
possui características básicas e estrutura especial, o que trouxe enorme 
evolução e modernização às sociedades em todo o mundo. 
 
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA 
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS 
CURSO/TURNO: DIREITO NOTURNO SEMESTRE 2021.1 
DISCIPLINA: HISTÓRIA E ANTROPOLOGIA JURÍDICA (GISCARD FARIAS AGRA) 
04. Discuta o papel desempenhado pela codificação nos territórios de família 
romano-germânica no século XIX. (2,5) 
 
 O afastamento do sistema e a técnica de codificação, provocava uma 
balbúrdia entre o direito e a lei, a acabam tornando complicado de identificar o 
elemento da união dos mais diversos direitos, mostrando-se no primeiro 
contato, como sendo direitos nacionais totalmente diferentes uns dos outros. A 
evolução que empregaremos a Common Law e aos direitos socialistas ajudam 
a tomar conhecimento da real unidade existente entre os múltiplos direitos. 
A existência da diversidade entre as famílias é clara, porém, para 
manter essa diversidade, não convém reconhecer na família romano-
germânica a existência de outros grupos secundários como o direito latino, 
germânicos, escandinavos e etc. 
O ensino do direito na família romano-germânica, através do conceito 
de codificação no território, difundiu o ensino em todas as universidades e 
sofreu uma evolução, e várias escolas se sucederam, tendo cada uma com 
sua preocupação e seus méritos próprios. 
 
 
 
 
 
 
Boa Prova!