Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Prova ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM CLINICA AO ADULTO - UNINOVE

Pré-visualização | Página 1 de 2

25/25
Resolução COFEN 358/2009 Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de
Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes
privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem
Processo de Enfermagem é uma ferramenta intelectual de trabalho do enfermeiro e
portanto uma função privativa do enfermeiro.
O Processo de Enfermagem deve estar baseado num suporte teórico que oriente
a coleta de dados, o estabelecimento de diagnósticos de enfermagem e o
planejamento das ações
Resolução COFEN 429/2012 Dispõe sobre o registro das ações profissionais no
prontuário do paciente, e em outros documentos próprios da enfermagem,
independente do meio de suporte - tradicional ou eletrônico”.
O Processo de Enfermagem permite colocar em prática todo conhecimento do
enfermeiro.
Resposta correta
Processo de Enfermagem é uma ferramenta intelectual de trabalho do enfermeiro e
portanto uma função privativa do enfermeiro.
O Processo de Enfermagem deve estar baseado num suporte teórico que oriente a
coleta de dados, o estabelecimento de diagnósticos de enfermagem e o
planejamento das ações
Resolução COFEN 429/2012 Dispõe sobre o registro das ações profissionais no
prontuário do paciente, e em outros documentos próprios da enfermagem,
independente do meio de suporte - tradicional ou eletrônico”.
O Processo de Enfermagem permite colocar em prática todo conhecimento do
enfermeiro.
A Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) é um modelo de metodologia
utilizado por enfermeiros para facilitar a aplicação de todo o conhecimento técnico
científico de suas formações na prática assistencial, melhorando dessa forma o cuidado
e acompanhamento de pacientes. Dentro deste contexto assinale AS ALTERNATIVAS
CORRETAS.
25/25
Observação clínica, ausculta e palpação.
Observação clínica, ausculta, palpação e toques retal e anal.
Ausculta e palpação.
Inspeção, ausculta, palpação e percussão.
Observação clínica e ausculta.
25/25
Classificaria na coloração verde, pois essa ferida é crônica e a previsão do
atendimento é de 120 min. .
Classificaria em amarelo, com uma previsão de atendimento de 60 minutos.
Classificaria em vermelho, com atendimento imediato
Classificaria em azul, com uma previsão de atendimento de 240 min.
Uma das etapas da consulta de enfermagem é o exame físico. Neste procedimento, o
enfermeiro deverá realizar, APENAS, as seguintes fases:
M.B.S 50 anos chega a classificação de risco com enf. José, acompanhado pela esposa ,
com queixa principal  dor MIE intensa, segundo escala de dor referida encontrava-se em
score  9, cefaléia medicado na residência, e um discreto desconforto no peito.  Paciente
refere Hipertenso a longa data, diabético sem tratamento, e alérgico a dipirona. Na sua
avaliação, você encontra o MIE sem pulso pedioso, necrose em hálux e uma ferida com
aproximadamente 5 cm em região maleolar com tecido de fibrina e necrose de
liquefação. Ao sinais vitais PA: 220x120 P: 120 bpm T 36,5 Sat: 98%. diante esse caso,
qual sua conduta ?
25/25
História Pregressa
Identificação
Queixa atual
História da doença atual
Hábitos
25/25
História Familiar
Identificação
História Pregressa
Historia atual da doença
Hábitos
 N.G., 28 anos, branca, costureira, solteira, vive com o parceiro há 8 anos, segundo grau
incompleto, trabalha 8 horas/dia, reside na região leste da cidade de São Paulo há 3
anos, proveniente de Belo Horizonte/ MG. Dentro do contexto de Coleta de dados estas
informações fazem parte:
A,S.C, 35 anos, nega doenças crônicas, refere apendicectomia há 2 anos, bem como
cirurgia para retirada da vesícula há 8 anos. Nega uso de drogas. Refere internação para
tratamento de litíase renal em janeiro de 2013. Dentro do contexto de Coleta de dados
estas informações fazem parte:
25/25
Identificação
Queixa principal ou atual
História familiar
Historia Pregressa
Hábitos
25/25
Se trata de edema agudo de pulmão hipertensivo, melhor abordagem inicial é
controlar a pressão arterial com com Nitroprussiato de Sódio.
Como paciente está edemaciada, melhor abordagem inicial é elevar o decúbito e
suplementar com oxigênio..
Paciente está apresentando um quadro de emergência hipertensiva, melhor
abordagem inicial é suplementar com oxigênio e deixa-la em observação .
Paciente está apresentando uma Insuficiência renal aguda.
M.P.C, 35 nos chega a UPA Santa Marcelina, zona sul de São Paulo, com queixa de  dor e
edema de membro inferior direito, paciente refere ter realizado longa viagem de ônibus,
com duração de 22 horas, há dois dias. Dentro do contexto de Coleta de dados estas
informações fazem parte:
Paciente feminina de 60 anos de idade, hipertensa crônica e Insuficiência cardíaca
inicia quadro de intensa dispneia após negligenciar medicações ambulatoriais de
tratamento da hipertensão. Em sua avaliação inicial apresenta ausculta com
estertores e uma queda da saturação, com 88% . PA  210 X 120 mmHg, edema em
membros inferiores bilateralmente 2+/4+. Apresentou expectoração com coloração
rósea Diante de tal caso, podemos AFIRMAR que
*
0/25
Paciente está apresentando um quadro de Insuficiência cardíaca
Paciente está apresentando um quadro de insuficiência renal aguda
Paciente está apresentando um quadro de choque hipovolêmico
Paciente esta apresentando sequela de um IAM.
Resposta correta
Paciente está apresentando um quadro de Insuficiência cardíaca
Paciente de 70 anos, hipertenso, dislipidêmico, portador de insuficiência cardíaca com
fração de ejeção reduzida de etiologia isquêmica, história de IAM prévio e cirurgia de
revascularização miocárdica há 15 anos. Encontra-se em acompanhamento regular no
ambulatório de cardiologia do hospital caminho da Luz, com relato de peso = 80 kg e
último ecocardiograma realizado recentemente com fração de ejeção de ventrículo
esquerdo = 38%. Uso de Aas 100 mg/dia, Atorvastatina 40 mg/dia, Bisoprolol 10
mg/dia, Enalapril 20 mg/dia, Espironolactona 25 mg/dia, e Furosemida 20 mg/dia.
Procurou atendimento médico no setor de emergência do hospital na primeira semana
de Junho de 2022 com queixa de dispneia aos pequenos esforços, ortopneia e dispneia
paroxística noturna  nos últimos dias, e com piora evolutiva desde então. Relata que faz
uso corretamente das medicações prescritas, que realiza dieta com controle hídrico e
da ingesta de sódio, porém nos últimos finais de semana extrapolou com o consumo de
bebidas. Nega febre, dor torácica ou sensação de palpitação. Ao exame encontrava-se
em regular estado geral, corado, acianótico, extremidades quentes com enchimento
capilar preservado, frequência respiratória de 28 irpm e SO2 = 90%, PA = 130x90 FC =
80 bpm, Ausculta pulmonar com estertores crepitantes em ambas as bases. Exames
complementares realizados na emergência mostraram: Eletrocardiograma de 12
derivações com ritmo sinusal e zona inativa inferior. RX de tórax com inversão da
trama vascular, aumento da área cardíaca e derrame pleural leve bilateral pouco maior
à direita. Laboratório com função renal, eletrólitos e hemograma sem alterações.  De
acordo com as informações do caso descrito acima assinale a alternativa que contém a
provável causa de declínio orgânico.
*
25/25
A apneia do sono é uma das causas de hipertensão secundária.
A hipertensão secundária é característica daqueles pacientes com hipertensão
não tratada. Esse tipo de hipertensão está relacionada a estilo de vida e muitas
vezes é controlada mudando hábitos alimentares.
A estenose de artéria renal é uma das causas de hipertensão secundária, sendo
causada principalmente por displasia fibromuscular em mulheres jovens.
O hiperaldosteronismo primário é uma das causas mais comuns de hipertensão
secundária. O diagnóstico é firmado pela presença de hipocalemia, aumento de
aldosterona plasmática e aumento da atividade plasmática de renina.
25/25
Quando ocorrem internações frequentes por emergência hipertensiva;
Quando houver outros casos na família ;
Em diabéticos;
Quando aparece em mulheres gestantes;
Em usuários de cocaína.
Feedback individual
Página12