A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Relatório de Patologia do Rim

Pré-visualização | Página 1 de 1

RELATÓRIO: RIM
ELIÉZER DA CUNHA RODRIGUES 
Quais os tipos de cálculos renais e sua etiopatogenia?
A nefrolitíase, que descreve a formação de cálculos renais por etiologias variadas, pode ser classificada conforme a composição dessas substâncias minerais e a maneira com que se formam.
· Cálculos de Oxalato de Cálcio (eventualmente mistos a Fosfato de Cálcio) → Podem ser causados por condições que levam à hipercalcemia (como o hiperparatireoidismo, a intoxicação por Vitamina D e a sarcoidose), por absorção excessiva de cálcio pelo intestino, por excreção excessiva de ácido úrico (uma vez que este serve de substrato/nidus para a agregação das substâncias minerais) ou por pH urinário elevado.
· Cálculos de Amônia → Gota, doenças que se caracterizam por turnover celular elevado (dada a maior produção de ácido úrico) e pH<5,5.
· Cálculos de Cistina → Relacionados à doenças metabólicas que comprometem o transporte de AA.
· Cálculos de fosfato de magnésio e amônia → Diferenciam-se dos demais pela morfologia coraliforme (com aspecto de raízes, como as de um tubérculo), são infrequentes e estão relacionados à urina alcalina (pH>7), a ITUs de repetição e à avitaminose A (dado que essa condição produz maior descamação do epitélio urotelial, de modo que as células descamadas servem de nidus para a agregação mineral).
Quais as características macroscópicas do carcinoma de células claras do rim?
· Nódulos interpostos por traves fibrosas
· Aspecto amarelo-ouro;
· Zonas de hemorragia e de degeneração cística;
· Localização anatômica variável;
· >4cm.
Quais os fatores de risco para o câncer renal?
· Fatores de risco: sexo masculino, idade superior a 60 anos, tabagismo, hipertensão, obesidade, exposição ocupacional ao cádmio e outros metais pesados, doenças policísticas adquiridas, pacientes em hemodiálise.
Explique as diferenças entre a doença policística do adulto e da criança.
A Doença Renal Policística do adulto é autossômica dominante, enquanto a da criança é autossômica recessiva. Ambas se caracterizam pelo desenvolvimento de lesões císticas no parênquima renal, associando-se a IR, hipertensão e possível envolvimento hepático, mas se diferenciam em relação aos fatores genéticos envolvidos e ao período em que a doença se manifesta. Enquanto na DP do adulto temos mutações de PKD1 (mais frequente) e PKD2 resultando na produção de formas alteradas das proteínas Policistina 1 e 2, a DP da criança é consequência de uma mutação do gene PKHD1, que codifica a proteína fibrocistina.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.