A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
5 HIPOTIREOIDISMOS E HIPERTIREOIDISMOS docx

Pré-visualização | Página 3 de 3

Tireoidite de 
Hashimoto > o anti-TPO é o melhor marcador de 
autoimunidade 
 | quadro que sugere Doença de Graves > o 
TRAb é o melhor marcador de autoimunidade – 
obs: se o paciente tiver bócio + exoftalmia + 
sintomas clínicos, não há necessidade de solicitar 
dosagem de TRAb para fechar o diagnóstico – obs: 
o TRAb pode vir negativo em pacientes que têm 
Graves 
| ambos os autoanticorpos são marcadores de 
autoimunidade e podem estar presentes em 
ambas as doenças, sendo que tendem a aparecer 
em diferentes proporções em cada uma delas 
| a anti-Tg não é um bom marcador de 
autoimunidade para ser dosado – aparecem em 
pouca porcentagem de pacientes 
 > são indicados para pacientes que tiveram 
CA de tireóide com tireoidectomia total 
 
- doença autoimune que há, majoritariamente 
anti-TRAb (TSI receptor antibody) – o 
autoanticorpo se liga à tireoide e estimula por 
meio de produção de hiperplasia e hipertrofia da 
tireoide com aumento na produção de hormônios 
tireoideanos 
- fácies Basedowiana (com exoftalmia) + bócio 
difuso + sintomas de tireotoxicose: 1º HD é doença 
de Graves 
 > pode haver dermatopatia pré tibial (com 
mixedema, manchas acastanhadas pré tibiais) 
- dosagem hormonal é complementar > clínica é 
soberana 
| Paralisia (indivíduo dorme e acorda com o corpo 
todo paralisado) periódica (melhora e piora) 
tireoitóxica (paciente geralmente tem 
tireotoxicose – principalmente Dça de Graves - de 
tratamento inadequado) hipocalêmica (níveis de K 
baixos nesses indivíduos) 
TXXIV Larissa Cardeal 
 
 
 > inicia reposição de potássio e 
levotiroxina 
 
- carcinoma de tireoide geralmente não produz 
hormônios tireoideanos, no entanto, pode haver 
produção e causar tireotoxicose (raro) 
 > geralmente, tumores que produzem 
hormônios tireoideanos são benignos 
- Efeito Jod-Basedow > excesso de iodo ou 
amiodarona – iodo pode chegar à tireoide, que 
passa a produzir hormônios tireoideanos em 
excesso 
- tireotoxicose por hambúrger ou por salsicha > 
antigamente, na moeção da carne para fazer 
hamburger ou salsicha podia ir junto a tireoide; 
usavam muito conservante à base de iodo 
- Struma ovarii > neoplasia no interior do ovário 
que pode produzir hormônio tireoideano 
 
 
- taquicardia está sempre presente, a menos que 
o paciente use beta-bloqueador 
 
- fácies Basedowiana + bócio 
 
- oftalmopatia de Graves > alterações oculares 
 > pode haver retração palpebral superior – 
avaliação feita pela manobra Lid-Lag (atraso 
palpebral) – solicita-se que o paciente acompanhe 
o dedo com o olho (dedo pra cima e pra baixo) > 
paciente com retração palpebral superior possui 
um atraso da pálpebra superior 
> pode haver retração palpebral inferior 
(lagoftalmo) – pálpebra passa a não recobrir a íris 
TXXIV Larissa Cardeal 
 
 
> pode haver hiperemia conjuntival, edema 
periorbitário, quemose, exoftalmia, diplopia 
(acometimento de nervos e músculos) >> 
encaminhar paciente para o oftalmologista 
> exoftalmômetro de Hertel - régua própria para 
medir o nível de exoftalmia 
 
- manchas acastanhadas e mixedema pré tibial 
- oniólise > doença de Plummer 
 
- manifestação de hipertireoidismo apatético > 
mais comum nos idosos – idosos tendem a ficar 
mais apáticos 
 
- deve-se solicitar TSH, T4 e T3 
- tumor hipofisário é raro 
- pode haver Graves sem exoftalmia 
- após realização de iodo radioativo: 
 | hipercaptação generalizada – Doença de 
Graves 
 | hipercaptação localizada – bócio nodular 
tóxico (Doença de Plummer) 
 | baixa > há várias hipóteses diagnósticas 
 
- a amiodarona pode induzir: 
| hipertireoidismo (tipo I) – tratamento com 
tionamidas, perclorato e lítio – não vai haver 
hipotireoidismo 
| tireotoxicose (tipo II) – tratamento com 
prednisona e lítio – pode haver hipotireoidismo, 
pela destruição da tireoide 
> obs: ambos os tipos podem estar 
sobrepostos 
 
- 1º escolha: METIMAXOL ou TIAMAZOL (mesma 
substância) – nome conhecido: TAPAZOL 
- carbimazol não é disponível no BR 
TXXIV Larissa Cardeal 
 
 
- propiltiuracil é a 2º escolha 
> inibe as deiodinases periféricas > impede 
conversão periférica de T4 em T3 
- possuem efeito imunossupressor e pode curar o 
paciente futuramente > uso por menos de 1 ano, 
prognóstico de cura menor 
| obs: o TRAb pode ser usado como fator 
prognóstico da doença de Graves > não para 
diagnóstico 
 
- prurido é muito frequente, mas pode ser 
manejado com uso de anti-histamínicos 
- toxicidade hepática > hepatite medicamentosa, 
pode levar à insuficiência hepática aguda, com 
necessidade de transplante 
- toxicidade medular > neutropenia febril (queda 
de células brancas com imunossupressão e risco 
de infecções oportunistas), anemia e 
plaquetopenia 
- efeitos graves são raros 
- deve-se orientar possibilidade de olho 
amarelado; febre e dor de garganta > procurar o 
médico 
 
- uso de beta bloqueadores no início do quadro, 
para auxiliar nos sintomas adrenérgicos até a 
normalização dos hormônios tireoideanos 
- betabloqueador - inibem a deiodinase > inibem a 
conversão periférica de T3 em T4 
 > escolha de atenolol ou propranolol – 
atravessam a BHE – efeitos de diminuição da 
irritabilidade 
- uso de iodo é permitido pelo Efeito Wolff-
Chaikoff > excesso de iodo inibe a síntese de 
hormônio tireoideano 
 > uso de Lugol para diminuir produção de 
hormônio tireoideano 
 > utilizado quando o paciente está em crise 
tireotóxica – por 2 a 3d no máximo 
- iodo radioativo não é indicado > pode ser 
utilizado para pacientes com má adesão ou de 
difícil controle – destruição direta da tireoide 
 > paciente vai desenvolver hipotireoidismo 
– mais fácil e menos grave o manejo do hipo do 
que do hipertireoidismo