A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
CUIDADOS PRÉ E PÓS OPERATÓRIOS

Pré-visualização | Página 1 de 1

CUIDADOS PRÉ E PÓS OPERATÓRIOS 
 Fatores de risco cirúrgico: tipo de cirurgia 
 (necessidade); grau de invasividade; afecção; 
 anestesia; paciente; 
 • Tipo de cirurgia (necessidade): eletiva, urgência 
 e emergência; outros tipos como a diagnóstica, 
 curativa, paliativa e experimental; 
 Trans-cirúrgico é necessário avaliar estrutura de suporte 
 prevendo caso de complicações 
 • Grau de invasividade: procedimento cirúrgico 
 levando em conta os tecidos, órgãos e sistemas 
 (pele/SC X pulmão, vasos, rim, fígado) e a perda 
 sanguínea; 
 • Tempo de cirurgia: levar em conta o tempo 
 mínimo necessário para um procedimento 
 cirúrgico cuidadoso; 
 • Afecção: localizada ou sistêmica; 
 • Paciente: idade, estado nutricional, 
 imunocompetência, condição hidro-eletrolítica, 
 hemodinâmica, função respiratória, função 
 cardíaca e afecções associadas; 
 IDADE 
 Filhotes: desidratação, hipotermia, hipoglicemia; 
 menor expansão da caixa torácica; imaturidade 
 imunológica; 
 Idosos: doenças degenerativas; alterações 
 hemodinâmicas; maior frequência de infecções; 
 cicatrização retardada; 
 FATORES NUTRICIONAIS 
 Desnutrição: infecções mais frequentes; 
 dificuldade de cicatrização; intolerância às 
 alterações da volemia; farmacocinética de 
 anestésicos; 
 Obesidade: riscos na anestesia; tendência a 
 tromboembolismo; menor capacidade 
 ventilatória; cicatrização retardada; necessidade 
 de redução de doses; 
 IMUNOCOMPETÊNCIA 
 Quando ocorre imunodepressão? doentes 
 debilitados por câncer; toxemia por infecção 
 grave; parasitas; corticosteróides; quimioterapia; 
 imunossupressores; 
 Ocorre nos imunodeprimidos? maior risco de 
 infecções P.O.; infecções oportunistas; retardo na 
 cicatrização; hipocoagulação; instabilidade 
 hemodinâmica; 
 Anestesia: definido pelo grau de ASA e anestésicos; 
 TRATAMENTO EMERGENCIAL (ABC DO TRAUMA) 
 Air: exame de vias aéreas superiores; 
 Breathing: exame vias aéreas inferiores; 
 Circulation : avaliação da hemodinâmica; 
 mucosas, FC, pulso, TPC; 
 Temperatura, intensidade de dor, estado 
 neurológico; 
 Avaliar necessidade de intervenção; 
 EXAME PRÉ-OPERATÓRIO 
 Avaliação respiratória/pulmonar: cirurgia 
 torácica; abdominal alta; mastectomias; 
 • Complicações: insuficiência respiratória, 
 broncoespasmo, infecções; 
 • Exame: radiografia torácica; gasometria arterial; 
 Levar em conta cães braquiocefálicos, idosos, se possui 
 tosse, se é obeso 
 Doença pulmonar instalada; metástases; traumas (ex: 
 pneumotórax) 
 Avaliação cardiovascular: sempre dar atenção 
 para animais idosos; com intolerância a 
 exercícios; com tosse seca; com edema; com 
 dirofilariose; apresenta estresse, dor e 
 hipovolemia induz liberação de catecolaminas 
 (taquicardia); atenção a agentes anestésicos pois 
 deprimem miocárdio; 
 • Exame: RX, ECG e ecocardiograma 
 Avaliação renal: leva-se em conta se é idoso; 
 urina; disúria; oligúria; edema; IRC e hipovolemia; 
 monitorar o volume urinário e a dosagem de ureia 
 e creatinina; 
 • Complicações: distúrbios metabólicos, anemia, 
 infecção 
 Avaliação função hepática: detoxificação de 
 anestésicos; ascite; icterícia; intoxicações; 
 endotoxemia; dosar Creatinina, ALT, F.A; evitar 
 cirurgias nas hepatopatias agudas; 
 • Hepatopatas crônicos: risco de complicações, 
 hemorragias; 
 • Exame: US para monitoração; 
 QUANDO NÃO OPERAR 
 Hemoglobina Inferior A 10 Mg/Dl; 
 Tempo De Protrombina < 80%; 
 Plaquetas Inferiores A 100.000/Mm3; 
 Leucocitos Inferiores A 2.000/Mm3; 
 Uremias (IRA); cardiopatas graves; pneumopatias e 
 hepatopatias agudas; casos específicos; 
 CUIDADOS NO DIA ANTERIOR 
 • Checar exames solicitados; 
 • Orientar proprietário quanto a operação; 
 realizar banho, jejum alimentar e hídrico; 
 • Preparo do intestino (em casos de cirurgia 
 intestinal, deve haver o preparo 2-3 dias antes); 
 • Materiais de proteção: colar, roupa, fraldas; 
 SALA DE PREPARO DO PACIENTE 
 • Checagem jejum, avaliação parâmetros 
 fisiológicos e esvaziamento da bexiga; 
 • Contenção física (segurança); 
 • Acesso venoso e fluido; aplicação de MPA; 
 necessidade de tricotomia; antibioticoprofilaxia; 
 CENTRO CIRÚRGICO 
 Posicionamento do animal na mesa: colchão, 
 calhas, inclinação da mesa, suporte de proteção; 
 Anestesista: indução da anestesia geral; 
 sondagem traqueal; monitoração do paciente; 
 Cirurgião e auxiliares: sondagem vesical, sutura 
 em bolsa de tabaco; antissepsia, paramentação, 
 campo instrumental, operatório; 
 Pós-operatório imediato: 
 • Contenção com curativos, pensos, colar; local de 
 recuperação confortável e seguro; continuar 
 monitoração e a avaliação dos parâmetros 
 fisiológicos; continuar fluidoterapia; cuidado com 
 hipotermia; analgesia; permanecer com o paciente 
 até recuperação anestésica; avaliar a necessidade 
 de intervenção; 
 Pós-operatório tardio: 
 • Prescrição: dieta, fármacos, cuidados com 
 curativo, colar; restrição de espaço, manejo e 
 fisioterapia; reavaliação (clínica, exames 
 complementares, retirada de pontos); cuidados 
 especiais (drenos e sondas, implantes, 
 monitoramento); 
 CUIDADOS ESPECÍFICOS 
 Urinário: avaliar a patência da via; 
 monitoramento (da patência; volume, frequência, 
 odor, coágulos, hemorragias); sempre observar a 
 necessidade de sondagem; 
 Cardiotorácica: monitoramento (de frequência, 
 amplitude, padrão, mucosas, síncope); 
 necessidade de oxigenoterapia (sonda nasal ou 
 máscara); dreno torácico (toracocentese); 
 Ortopedia: restrição de espaço; verificar o 
 ambiente; cuidados do penso e talas; fisioterapia; 
 O�almologia: analgésico tópico; colar rígido; 
 cuidado com pontos (lesão de córnea); 
 Hepática: hemorragias; coagulopatias; 
 insuficiência hepática; hipoglicemia; 
 hipoproteinemia; infecção; colestase; ascite; 
 hipocalemia-alcalose; reavaliação clínica e exames 
 laboratoriais ; 
 Neurológicas: 
 • Coluna e encéfalo: repouso absoluto nos 
 primeiros dias; caixa de contenção (acolchoada; 
 troca de decúbito cada 2-4 hs (escaras); utilização 
 de fraldas, com higienização com mínima 
 manipulação (caixa que abre por cima); massagem 
 vesical se necessário); 
 • Reavaliação de exame neurológico: encéfalo 
 (estado de consciência, resposta periférica de 
 nervos cranianos; medula (graduação de lesão, 
 resposta à dor; propriocepção diminuída ataxia; 
 paresia; paralisia sem dor superficial; sem dor 
 profunda); fisioterapia; 
 Manejo quando não recupera: evitar escaras; 
 massagem vesical (NMS- TL); piso liso; carrinho 
 de rodas com supervisão;