Buscar

Lista de exercícios disciplina pneumofuncional - Equilíbrio Ácido-Básico

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 6 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 6 páginas

Prévia do material em texto

FISIOTERAPIA PNEUMOFUNCIONAL 
Casos Clínicos equilíbrio ácido básico 
 
Caso 1 
Paciente JVT, 43 anos, admitido no hospital para realização de cirurgia eletiva 
(agendada) de apendicectomia (retirada do apêndice). Após a cirurgia, retornou 
ao quarto, em respiração espontânea. Mesmo algumas horas depois da cirurgia 
ainda se encontra sonolento e respondendo pouco a comandos verbais. Na 
gasometria arterial apresenta: pH= 7,33; PaO2= 85 mmHg; PaCO2= 49 mmHg; 
BE: +3 mmol/L, HCO3: 25 mEq/L. Qual é o distúrbio ácido-básico 
apresentado? E qual seu mecanismo de causa mais provável? 
R: NORMAL  pH (7,35 a 7,45), O2 (80 a 100), PaCO2 (35 a 45), BE (-2 a +2) 
e HCO3 (bicarbonato 22 a 26). 
pH Alterado (acidose) 
PO2 Normal 
PaCO2 Alto 
BE Alto – excesso de base 
HCO3 Normal 
 
Cálculo: acidose respiratória aguda 
 
24 = 0,1 x (49 - 40); 
24 = 0,1 x 9 
24 = 0,9 
24 + 0,9 = 24,9 
 
24 = 0,2 x (49 -40); 
24 = 0,2 x 9 
24 = 1,8 
24 + 1,8 = 25,8  distúrbio simples 
 
HCO3 esperado: deve estar entre 24 + 1 a 2 
 25 a 26. 
O CO2 está gerando a alteração e o excesso de base é para compensar o 
excesso de CO2. O Distúrbio ácido-básico é a acidose respiratória, sendo agudo 
porque foi após a cirurgia. Além disso é considerado um distúrbio simples porque 
a sedação gerou a hipoventilação. Distúrbio simples com Normoxemia. 
 
Caso 2 
Paciente CV, 68 anos, ex- tabagista, chegou para atendimento ambulatorial 
queixando-se de falta de ar, cansaço e tosse acompanhada da expectoração de 
secreção espessa e purulenta, relatou que esteve em contato com sua filha, que 
estava com sintomas de gripe, há aproximadamente 1 semana. A paciente é 
portadora da Doença Pulmonar Obstrutiva crônica (DPOC), do tipo enfisema 
pulmonar, que é uma alteração do pulmão caracterizada por aumento anormal 
dos espaços de ar depois dos bronquíolos terminais, acompanhado por 
alterações destrutivas das paredes alveolares, nesse caso, como as paredes 
alveolares estão destruídas, vai haver um distúrbio na relação 
ventilação/perfusão dessa paciente, que estará diminuída. Outra característica 
desses pacientes é a dificuldade de expirar completamente, por que os alvéolos 
perdem sua capacidade de retornar ao formato inicial, devido a destruição de 
suas paredes alveolares. Em gasometrias prévias a paciente vinha 
apresentando acidose. Gasometria arterial: pH= 7,40; PO2= 70 mmHg; PaCO2= 
52 mmHg; HCO3 = 35 mEq/L; BE= +5. Qual é o distúrbio ácido-básico 
apresentado? E qual seu mecanismo de causa mais provável? 
NORMAL  pH (7,35 a 7,45), O2 (80 a 100), PaCO2 (35 a 45) e HCO3 
(bicarbonato 22 a 26). 
pH Normal 
PO2 Baixo – hipoxemia 
PaCO2 Alto 
BE Alto – excesso de base 
HCO3 Alto 
Cálculo: acidose respiratória crônica 
 
24 = 04 x (52 - 40); 
24 = 0,4 x 12 
24 = 4,8 
24 + 4,8 = 28,8 
 
24 = 0,5 x (52 - 40); 
24 = 0,5 x 12 
24 = 6 
24 + 6 = 30 
O paciente do caso possui uma DPOC crônica. O HCO3 dele não está dentro do 
esperado (28,8 a 30), então se enquadra em um distúrbio duplo. O HCO3 está 
mais aumentado do que deveria então além de uma acidose respiratória crônica, 
está puxando para uma alcalose metabólica também devido ao excesso de 
HCO3. O mecanismo que está causando é a DPOC crônica. 
 
Caso 3 
Paciente HVB, 23 anos, chega ao atendimento ambulatorial com queixa de dores 
no peito, dificuldade para respirar e coração acelerado. Não tem histórico de 
tratamento para doenças crônicas cardíacas ou respiratórias. A frequência 
respiratória do paciente é de 32 rpm, FC de 129 bmp. Na gasometria arterial 
apresenta: pH= 7,49; PO2: 90 mmHg PaCO2= 30 mmHg; BE: -2 mmol/L, HCO3: 
21,5 mEq/L. Qual é o distúrbio ácido-básico apresentado? E qual seu 
mecanismo de causa mais provável? 
NORMAL  pH (7,35 a 7,45), O2 (80 a 100), PaCO2 (35 a 45) e HCO3 
(bicarbonato 22 a 26). 
pH Alterado (alcalose) 
PO2 Normal 
PaCO2 Baixo 
BE Normal 
HCO3 Baixo 
 
Cálculo: alcalose respiratória aguda 
 
ΔHCO3= 0,2 x (ΔPaCO2 – PCO2 do paciente). 
24 = 0,2 x (40 - 30) 
24 = 0,2 x 10 
24 = 2 
24 - 2 = 22 
 
ΔHCO3= 0,25 x (ΔPaCO2 – PCO2 do paciente). 
24 = 0,25 x (40-30) 
24 = 0,25 x 10 
24 = 2,5 
24 - 2,5 = 21,5 
HCO3 esperado: deve estar entre 24 - 2,6 a 3,25 
O distúrbio ácido-básico é a alcalose respiratória (quanto mais baixo o CO2 mais 
alcalino fica o pH), sendo aguda de acordo com o quadro repentino do paciente. 
De acordo com o cálculo temos um distúrbio simples com normoxemia. 
Mecanismo: A crise de ansiedade levou porque acontece uma hiperventilação, 
FR alta o CO2 diminui, sai muito CO2 então devido a hiperventilação ocorreu a 
alcalose respiratória. Se tem acidose respiratória soma e se tem alcalose diminui. 
Quando tenho uma alcalose metabólica o meio já está muito alcalino, então o 
CO2 precisa aumentar. 
 
Caso 4 
Paciente DT, 39 anos chega no ambulatório relatando sede excessiva, hálito 
cetônico, visão turva, náusea e aumento da frequência respiratória (25 rpm). O 
paciente é diabético do tipo I. Na gasometria arterial apresenta: pH= 7,29; PO2= 
65 mmHg; PaCO2= 28,5 mmHg; BE: -5 mmol/L, HCO3: 15 mEq/L. Qual é o 
distúrbio ácido-básico apresentado? E qual seu mecanismo de causa mais 
provável? 
NORMAL  pH (7,35 a 7,45), O2 (80 a 100), PaCO2 (35 a 45) e HCO3 
(bicarbonato 22 a 26). 
pH Alterado (Acidose) 
PO2 Baixo (hipoxemia) 
PaCO2 Baixo 
BE Baixo (falta base) 
HCO3 Baixo 
 
Cálculo: acidose metabólica 
 
Fórmula de Winter: pCO2 esperada = 1,5 x [HCO3] + 8 ± 2 
pCO2: 1,5 x 15 +8 = 16,5 
pCO2: 22,5 + 8 = 30,5 (+/-2) 
 
PCO2 deve estar entre 28,5 a 32,5 
Acidose metabólica com distúrbio simples e hipoxemia. Diabetes 
descompensada é o mecanismo de causa. 
 
Caso 5 
Paciente CLD, 32 anos, acompanhada por atendimento ambulatorial, é 
cadeirante, paraplégica, com lesão medular a nível de T12, apresenta edema 
significativo em membros inferiores e por isso está em uso de diuréticos há mais 
de 3 meses. Na gasometria arterial apresenta: pH= 7,49; PO2= 87 mmHg; 
PaCO2= 46 mmHg; BE: +4 mmol/L, HCO3: 33 mEq/L. Qual é o distúrbio ácido-
básico apresentado? E qual seu mecanismo de causa mais provável? 
NORMAL  pH (7,35 a 7,45), O2 (80 a 100), PaCO2 (35 a 45) e HCO3 
(bicarbonato 22 a 26). 
pH Alterado – alcalose 
PO2 Normal 
PaCO2 Alto 
BE Alto – excesso de base 
HCO3 Alto 
 
Cálculo: alcalose metabólica 
 
ΔPaCO2 = 0,4 x (HCO3 do paciente - ΔHCO3) 
40 = 0,4 x (33 - 24) 
40 = 0,4 x 9 
40 = 3,6 
40 + 3,6 = 43,6 
 
ΔPaCO2 = 0,9 x (HCO3 do paciente - ΔHCO3) 
40 = 0,9 x (33-24) 
40 = 0,9 x 9 
40 = 8,1 
40 + 8,1 = 48,1 
A PCO2 esperada deve estar entre 43,6 + 48,1 
O CO2 subiu para compensar e deixar mais ácido. Está dentro do esperado 
porque a PCO2 dele está em 46. Alcalose metabólica com distúrbio simples e 
normoxemia. Mecanismo de causa: elevada excreção de diuréticos. 
 
Caso 6 
Paciente de 80 anos com septicemia secundária a pneumonia aspirativa, está 
sendo ventilada artificialmente. Ocorre queda súbita do nível de consciência 
sugestiva de acidente vascular cerebral. Gasometria arterial: pH= 7,42; PaCO2= 
36 mmHg; HCO3= 24 mEq/L; BE= +1. Qual o distúrbio ácido-básico 
apresentado? 
NORMAL  pH (7,35 a 7,45), O2 (80 a 100), PaCO2 (35 a 45) e HCO3 
(bicarbonato 22 a 26). 
pH Normal 
PaCO2 Normal 
HCO3 Normal 
BE Normal 
 
Pode ser ausência de distúrbio ácido-básico. 
 
Caso 7 
Paciente JN, 72 anos, tabagista, foi admitido no pronto-socorro com sintomas de 
falta de ar grave, fraqueza muscular e confusão mental. A filha relatou que uma 
semana vinha apresentando tosse frequente e secreção com aspecto purulento. 
O paciente é portador de Doença Pulmonar Obstrutiva crônica (DPOC), com 
enfisema pulmonar. Após admissão teve importante rebaixamento de nível de 
consciência, saturação periférica de oxigênio (SpO2) caiu para 73%, com 
necessidade de intubação orotraqueal e ventilação mecânica, com FiO2 de 40%, 
assim estabilizando a SpO2 em 90%. No RX de tórax apresentou característicasopacidades difusas. O caso é sugestivo de pneumonia. Gasometria arterial: pH= 
7,35; PO2:60; PaCO2= 50 mmHg; HCO3 = 30 mEq/L; BE= +3. Realize o cálculo 
de PaO2/FiO2, e verifique se está dentro ou fora do parâmetro de 
normalidade. 
R: NORMAL  pH (7,35 a 7,45), O2 (80 a 100), PaCO2 (35 a 45) e HCO3 
(bicarbonato 22 a 26). 
pH Normal 
PO2 Alterado (hipoxemia) 
PaCO2 Alto 
BE Alto – excesso de base 
HCO3 Alto 
 
Cálculo PaO2/FiO2 (essa relação serve para ver a oxigenação) 
60 / 0,40 = 150  hipoxemia moderada 
Está fora do parâmetro de normalidade sendo uma hipoxemia moderada.

Continue navegando