Buscar

A gestão no processo de trabalho do Assistente Socia

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 11 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 11 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 11 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

PROCESSO DE 
TRABALHO EM 
SERVIÇO SOCIAL
Daniela Quadros da Silva 
A gestão no processo 
de trabalho 
do assistente social
Objetivos de aprendizagem
Ao final deste texto, você deve apresentar os seguintes aprendizados:
  Definir gestão no processo de trabalho do Serviço Social e suas implicações.
  Descrever o processo de inserção do Serviço Social nos espaços de gestão.
  Reconhecer a gestão como atribuição do assistente social.
Introdução
O Serviço Social é uma profissão de caráter interventivo que atua nas 
expressões da Questão Social materializadas em amplos segmentos 
societários. Dessa forma, intervém em múltiplas situações de desi-
gualdades sociais e no conjunto de resistências e rebeldias por parte 
daqueles que as vivenciam.
A intervenção profissional ocorre nos mais distintos espaços sócio-ocu-
pacionais e requer um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes 
por parte do assistente social. O profissional pode operar tanto no campo 
da execução das políticas sociais como também no âmbito da sua gestão.
Neste capítulo, você vai conhecer a gestão como espaço sócio-
-ocupacional do assistente social. Também vai identificar alguns limites 
e possibilidades desse espaço no processo de trabalho do Serviço Social. 
Além disso, você vai estudar as particularidades do exercício profissional 
nesse campo tão desafiador.
A gestão no processo de trabalho do Serviço 
Social
O Serviço Social é uma profi ssão de caráter eminentemente interventivo. Essa 
intervenção caracteriza-se pelo atendimento às mais distintas demandas dos 
sujeitos. A partir disso, podem ser produzidos resultados concretos e objetivos, 
como também resultados no nível da subjetividade. Estão envolvidas condições 
materiais, sociais, políticas e culturais, sempre permeadas pelo acesso aos 
direitos de cidadania.
Enquanto profissional inserido na divisão social e técnica do trabalho, 
o assistente social pode desenvolver sua intervenção na execução direta de 
serviços, programas, projetos e benefícios sociais. Além disso, pode atuar no 
planejamento e na gestão desses elementos, bem como na gestão dos recursos 
voltados a eles, tanto na esfera pública quanto na privada. Assim, o exercício 
profissional ganha materialidade por meio de três dimensões constitutivas: a 
ético-política, a teórico-metodológica e a técnico-operativa. Essas dimensões 
devem ser compreendidas de forma articulada para que não haja dicotomias 
entre teoria e prática durante a intervenção profissional.
A dimensão ético-política do trabalho profissional expressa o dire-
cionamento que suas atividades tomam no sentido de defesa dos direitos e 
interesses da classe trabalhadora. Já a dimensão teórico-metodológica diz 
respeito aos pressupostos teóricos e reguladores da profissão. A dimensão 
técnico-operativa, por sua vez, refere-se ao instrumental que a profissão 
mobiliza para intervir.
Uma atenção especial deve ser dada à discussão em torno da dimensão 
técnico-operativa. Tal discussão deve ultrapassar o discurso sobre as técnicas e 
instrumentos isoladamente para garantir que se realizem as devidas aproxima-
ções entre o conjunto de instrumentos, a bagagem teórica e o direcionamento 
político que orienta a intervenção profissional. A discussão sobre a dimensão 
técnico-operativa no Serviço Social ainda pressupõe reconhecer os muitos 
espaços sócio-ocupacionais em que os assistentes sociais podem se inserir, o 
que acarreta especificidades para as intervenções, especialmente no que se 
refere à natureza das ações profissionais requisitadas em cada espaço. Um 
exemplo disso é a possibilidade de o profissional atuar no campo da gestão 
das políticas sociais e também na execução direta dos serviços, programas, 
projetos e benefícios que as compõem.
A gestão no processo de trabalho do assistente social2
Leia o artigo de Regina Celia Tamaso Mioto e Vera Maria Ribeiro Nogueira intitulado 
“Política Social e Serviço Social: os desafios da intervenção profissional”, disponível 
no link a seguir.
https://goo.gl/2vbzpP
Antes de você conhecer as especificidades do trabalho do Serviço Social 
nos espaços de gestão, deve relembrar alguns importantes marcos do percurso 
histórico de consolidação da profissão no Brasil. Seu surgimento no País data 
de meados da década de 1930, quando se acirram conflitos de classe decorren-
tes das mazelas sociais contrapostas ao desenvolvimento capitalista daquele 
período. Na Era Vargas, criam-se as primeiras intervenções estatais voltadas 
ao atendimento de algumas das necessidades da população, especialmente 
aquelas relacionadas às situações de desemprego e pobreza. Contudo, os 
assistentes sociais, enquanto agentes ligados à Igreja Católica, agiam a partir 
de um viés moralista e conservador, no intuito de assegurar a ordem vigente.
Na década de 1980, o chamado movimento de reconceituação (iniciado 
em 1960) ganha consolidação e contribui para amplos e intensos debates no 
interior da profissão. Tais debates culminaram na ruptura com as práticas 
conservadoras que marcaram o surgimento do Serviço Social. Nesse período, 
alteraram-se as bases teóricas que norteavam as análises e intervenções no real, 
que já não se orientavam mais a partir da doutrina social da Igreja Católica, e 
sim a partir de uma perspectiva social crítica de base marxista.
Ao buscar a qualificação e a reorientação profissional para intervir nas 
complexas expressões da Questão Social, a profissão vai ganhando maior reco-
nhecimento da sociedade, não somente de seus usuários, mas também de seus 
empregadores. Alteram-se as relações de trabalho envolvendo o Serviço Social, 
que passa a contar com instrumentos reguladores e balizadores, a exemplo da 
Lei de Regulamentação Profissional (Lei nº 8.668/1993) e do Código de Ética.
Ao legitimar-se como profissão inserida na divisão sociotécnica do trabalho, 
partícipe da produção e da reprodução das relações sociais, o Serviço Social amplia 
seus espaços de trabalho, bem como as demandas tradicionalmente atendidas. Na 
atualidade, há profissionais desempenhando atividades ligadas à execução direta 
de serviços sociais e também profissionais atuantes no âmbito da organização 
institucional desses mesmos serviços. Isto é, o profissional não é mais unicamente 
3A gestão no processo de trabalho do assistente social
um executor direto. Ele também pode intervir nas seguintes modalidades inter-
ventivas: planejamento, avaliação, assessoria, consultoria e gestão.
A gestão começa a ganhar maior visibilidade enquanto espaço sócio-
-ocupacional para os assistentes sociais na década de 1980, justamente no 
período em que têm início os debates acerca do trabalho profissional. O termo 
“gestão” é derivado da área da administração e diz respeito ao ato de gerenciar 
(NOGUEIRA; SAUER, 2016), representando um conjunto de técnicas para 
racionalizar e otimizar o funcionamento das organizações. A gestão social, 
por sua vez, corresponde a processos que visam a alguma transformação 
societária. Para Maia (2005), esse termo refere-se a um conjunto de processos 
potentes para o desenvolvimento social emancipatório.
O exercício profissional do assistente social 
nos espaços de gestão
Os assistentes sociais que assumem espaços de trabalho vinculados à gestão 
precisam assumir também o compromisso de efetivar uma gestão democrática. A 
ideia é que estejam alinhados com os pressupostos ético-políticos que orientam 
seu fazer profi ssional. Assim, no trabalho dos assistentes sociais, a gestão pode 
sinalizar possibilidades concretas de viabilizar o projeto ético-político profi ssio-
nal, contrapondo-se aos imperativos neoliberais que em grande parte ditam os 
direcionamentos das políticas sociais voltadas à operacionalização de direitos.
No cotidiano da intervenção profissional, devido a determinações societárias 
que condicionam o mundo do trabalho e, particularmente, o desenvolvimento do 
trabalho em Serviço Social, é comum que os profissionais se questionem sobre as 
reais e efetivas mudanças que podemempreender ao assumir o campo da gestão. 
Contudo, importa considerar as pequenas alterações que eles podem realizar no 
seu contexto ocupacional. A ideia é concretizar seus compromissos ético-políticos, 
pois essas mudanças certamente culminarão em conquistas a médio e longo prazo 
que trarão impactos para a vida dos sujeitos beneficiários das intervenções.
Tendo em vista a formação profissional dos assistentes sociais e seus 
conhecimentos sobre a realidade e os direitos sociais, ao ocupar espaços de 
gestão, há muitas potencialidades para promover rupturas com certas dinâmicas 
institucionais que reiteram a subalternidade dos sujeitos e em nada contribuem 
para o atendimento de suas reais necessidades. Contudo, certamente há muitos 
desafios presentes nesse trabalho. Por exemplo: os conflitos de interesses no 
interior das organizações; as disputas por espaços de controle; as divergências 
entre os objetivos institucionais e os profissionais; a efetivação do trabalho 
A gestão no processo de trabalho do assistente social4
em redes intersetoriais; a necessidade de busca por novos conhecimentos; e 
o gerenciamento de recursos (humanos e financeiros), muitas vezes escassos 
em relação à complexidade das demandas postas na realidade.
De qualquer forma, é importante que o Serviço Social contribua para ampliar 
os movimentos de defesa e garantia de direitos e para propor novas alternativas 
de trabalho em quaisquer espaços sócio-ocupacionais em que se insira. Têm 
destaque aqueles espaços em que o assistente social é requisitado a atuar para 
além da operacionalização e da execução direta, contemplando intervenções 
voltadas à formulação, ao planejamento e à gestão das políticas sociais. Isso 
porque a gestão acaba direcionando o desenvolvimento das demais atividades 
que repercutem na vida cotidiana dos sujeitos demandatários das intervenções.
Independentemente do espaço sócio-ocupacional em que os assistentes sociais inter-
vêm, seu objeto de trabalho sempre é a Questão Social. Ela se apresenta de diferentes 
formas em cada espaço, podendo variar as suas expressões na vida dos usuários e no 
próprio ordenamento institucional. Lembre-se de que a Questão Social diz respeito 
ao conjunto de desigualdades sociais e resistências oriundas das contradições do 
modo de produção capitalista. Nesse sistema, as riquezas produzidas coletivamente 
são apropriadas por uma pequena parcela societária.
O exercício no âmbito da gestão requer dos assistentes sociais diferentes 
saberes para o reconhecimento das especificidades desse campo de trabalho, 
para que seja possível a construção de respostas profissionais efetivas. Seu 
trabalho na gestão é cada vez mais requisitado, tendo em vista os elementos 
constitutivos de sua formação, que permite ao assistente social reconhecer e 
analisar com propriedade as necessidades sociais apresentadas pelos usuários.
Como características do trabalho de gestão executado pelos assistentes 
sociais, você pode considerar os elementos de participação social, compar-
tilhamento de poder, horizontalidade nas relações, autonomia dos sujeitos, 
liberdade e articulação de redes. O desenvolvimento da chamada gestão social 
torna-se um meio de exercitar, constantemente, as práticas democráticas nas 
organizações. Portanto, o compromisso ético-político profissional e o conjunto 
de conhecimentos gerais que esse profissional tem — devido à sua base de 
formação técnico-operativa, ético-política e teórico-metodológica — fazem 
5A gestão no processo de trabalho do assistente social
com que os espaços de gestão que ele ocupa tornem-se ricos em possibilidades 
de fortalecimento de práticas democráticas e emancipatórias.
Ao legitimar-se socialmente como uma profissão assalariada e inserida 
na divisão social e técnica do trabalho, o Serviço Social ganha respaldo legal 
para suas intervenções por meio de instrumentos reguladores e balizadores. 
Nesses instrumentos, verificam-se, entre outros aspectos, as suas competências 
e atribuições privativas, as quais extrapolam o campo da execução direta de 
serviços, programas, projetos e benefícios, contemplando outras possibilidades 
interventivas, como você vai ver a seguir.
A gestão como atribuição dos assistentes sociais
A gestão é uma atribuição e também uma competência dos assistentes sociais. 
Ela é reconhecida nos instrumentos reguladores e balizadores de seu exercício 
profi ssional. Além disso, a gestão das políticas sociais é um importante campo 
de trabalho. Veja o que está disposto na lei de regulamentação da profi ssão 
quanto às competências do assistente social:
I – Elaborar, implementar, executar e avaliar políticas sociais junto a 
órgãos da administração pública, direta ou indireta, empresas, entidades 
e organizações populares;
II – Elaborar, coordenar, executar e avaliar planos, programas e projetos que 
sejam do âmbito de atuação do Serviço Social com participação da sociedade 
civil (BRASIL, 1993, documento on-line).
Agora veja o que diz a lei a respeito das atribuições desse profissional:
I – Coordenar, elaborar, executar, supervisionar e avaliar estudos, pesquisas, 
planos, programas e projetos na área de Serviço Social;
II – Planejar, organizar e administrar programas e projetos em Unidade de 
Serviço Social (BRASIL, 1993, documento on-line). 
Diante disso, não restam dúvidas de que o desenvolvimento de atividades 
ligadas à gestão se trata de uma prerrogativa dos assistentes sociais. Para isso, 
esses profissionais devem aliar seus princípios ético-políticos profissionais 
aos princípios que nortearão os serviços, programas, projetos e benefícios que 
estiverem sob sua gestão. Também devem ter clareza sobre a diferença entre 
os objetivos institucionais e os objetivos profissionais. Isto é, nem sempre os 
objetivos da instância empregadora estão coesos com os objetivos profissionais 
A gestão no processo de trabalho do assistente social6
voltados à justiça social, à emancipação dos indivíduos sociais e ao acesso a 
seus direitos de cidadania, indo além das rotinas institucionais e burocráticas. 
Nisso reside um grande desafio para a profissão, já que na sociabilidade 
capitalista os interesses do capital estão sobrepostos ao âmbito social.
Entre as principais atividades que o profissional vinculado à gestão desen-
volve estão a avaliação de programas e projetos sociais, a captação de recur-
sos, a gestão de pessoas, a socialização de informações e de conhecimentos, 
além da articulação das redes intersetoriais. Na particularidade dos espaços 
da gestão pública, o profissional deve mobilizar esforços para a garantia da 
gestão democrática, contribuindo para que os serviços sejam prestados com 
qualidade e efetividade àqueles segmentos societários que os demandam.
O Estado é um dos maiores empregadores do Serviço Social. A gestão 
e a administração do sistema público envolve planejar, avaliar e monitorar 
as políticas de atendimento ao cidadão. Nesse sentido, na gestão pública, os 
assistentes sociais articulam e negociam o atendimento dos interesses da classe 
trabalhadora por meio da atuação do Estado via políticas sociais. Como você 
sabe, o Estado brasileiro possui fortes traços de autoritarismo que desarticulam 
a sociedade civil. Contudo, tais entraves, historicamente constituídos no âmbito 
estatal, reforçam o dever de os assistentes sociais prezarem pelo cumprimento do 
que está previsto nas normativas legais que orientam seu exercício profissional, 
especialmente no que diz respeito à sua intervenção na gestão.
Ao discutir a gestão das políticas sociais, seja no âmbito público, seja no 
privado, não se podem jamais desconsiderar as dimensões sociais, econômicas, 
políticas e culturais que perpassam o contexto sócio-histórico, cenário de mate-
rialização dessas políticas e, consequentemente, de efetivação ou supressão de 
direitos. Os dispositivos legais do Serviço Social reconhecem seus profissionais 
como agentes capazes de compreender e intervir na realidade social, sobretudo 
no campo dagestão, com atividades de planejamento das políticas sociais.
Para haver possibilidades concretas de o Serviço Social intervir na gestão 
de forma verdadeiramente democrática, os profissionais devem buscar a clareza 
sobre o alcance de seu trabalho. Também devem ter em mente as competências 
e atribuições que seus instrumentos reguladores lhes impõem, sob o risco de 
intervirem de modo desconexo com o projeto societário que defendem. Assim, 
o instrumental que o assistente social mobiliza em um atendimento direto com 
os usuários é diferente daquele necessário para a gestão. O assistente social 
gestor deve mediar os interesses da classe trabalhadora com o Estado, sendo 
um ator fundamental para a implementação de políticas que viabilizem os 
direitos dessa classe.
7A gestão no processo de trabalho do assistente social
Como você viu ao longo deste capítulo, a gestão no Serviço Social não 
implica novas competências profissionais, pois já está interligada à capacidade 
do assistente social de planejar e gerenciar ações que dizem respeito ao seu 
espaço e ao seu campo de atuação. Apesar de não ser nenhuma novidade para 
o trabalho em Serviço Social, a gestão deve ser desempenhada de forma a 
extrapolar os procedimentos burocráticos e administrativos que também se 
presentificam nesse espaço sócio-ocupacional. A ideia é articular um perfil 
inovador e crítico que mobilize diferentes abordagens.
BRASIL. Lei n. 8.662, de 7 de junho de 1993. Dispõe sobre a profissão de Assistente Social 
e dá outras providências. 1993. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/
LEIS/L8662.htm>. Acesso em: 14 dez. 2018.
MAIA, M. Gestão social: reconhecendo e construindo referenciais. Textos & Contextos, 
n. 4, dez. 2005. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/fass/ojs/index.php/
fass/article/view/1010/790>. Acesso em: 14 dez. 2018.
NOGUEIRA, V. M. R.; SAUER, M. A efetividade da gestão social e a prática do assistente 
social na proteção social especial de média complexidade. Textos & Contextos, v. 15, n. 
2, p. 450 - 458, ago./dez. 2016. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/
index.php/fass/article/viewFile/22604/15303>. Acesso em: 14 dez. 2018.
Leituras recomendadas
CARDOSO, D. C.; FAGUNDES, H. S. A atuação do assistente social na gestão municipal 
da política pública de assistência social: desafios e possibilidades. 2013. Disponível em: 
<http://cress-sc.org.br/wp-content/uploads/2014/03/A-atua%C3%A7%C3%A3o-do-
-Assistente-Social-na-Gest%C3%A3o-Municipal-da-Pol%C3%ADtica-P%C3%BAblica-
-de-AS.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2018.
IAMAMOTO, M. V. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação
profissional. São Paulo: Cortez, 1998.
MIOTO, R. C. T.; NOGUEIRA, V. M. R. Política Social e Serviço Social: os desafios da inter-
venção profissional. Revista Katálysis, v. 16, n. esp., p. 61-71, 2013. Disponível em: <http://
www.scielo.br/pdf/rk/v16nspe/05.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2018.
SOUZA FILHO, R. Gestão pública & democracia: a burocracia em questão. 2. ed. Rio de 
Janeiro: Lumen Juris, 2013.
VASCONCELOS, A. M. Serviço social e práticas democráticas. In: BRAVO, M. I. S.; PEREIRA, 
P. A. P. Política social e democracia. São Paulo: Cortez, 2001.
A gestão no processo de trabalho do assistente social8
Conteúdo:

Continue navegando