Buscar

TCC PEDAGOGIA

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 8 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 8 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

OS DESAFIOS DA UTILIZAÇÃO DA INTERNET COMO 
FERRAMENTAS PEDAGÓGICAS 
 
 Roberto Carlos Carneiro 
 
 
UniCV-Centro Universitário Cidade Verde-Pedagogia 2023 
 
 
Resumo 
 
 
 Celulares, computadores, tablets, redes sociais, games, internet. Com certeza são apenas 
alguns dos muitos artifícios tecnológicos utilizados atualmente no cotidiano. A internet e a 
tecnologia ligaram o mundo em um só clique e tornaram tudo mais acessível. É possível 
comunicar-se de forma instantânea com pessoas de toda a parte do mundo, buscar informações 
e conhecimentos, procurar vagas de empregos, compartilhar pensamentos e fotos, ouvir 
música, traduzir textos, dentre outras infinitas possibilidades. As inovações tecnológicas estão 
Se tornando parte do dia a dia das pessoas e, com a crescente evolução da tecnologia e seu 
crescimento, entraram na sala de aula e tornaram-se parte do material didático do aluno e do 
professor. Há escolas onde existem aulas e uma disciplina específica de Informática, como a 
aula de tecnologia, voltada para o conhecimento e aproveitamento da tecnologia dentro do 
ambiente também destinado a ação desenvolvida na área pelo educador na UE. A utilização 
destes recursos tornou-se também, em parte, uma forma de estratégia para manter os alunos 
interessados nas aulas, já que toda essa inovação tecnológica faz parte do cotidiano deles, além 
de ser uma forma de lazer e uma maneira de levar o educando a desenvolver o protagonismo e 
empatia . O uso das Tecnologias da Informação e Comunicação, inclusive, já foi mencionado 
e ressaltado pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Porém, para chegar até onde está 
hoje, as Tecnologias da Informação e Comunicação percorreram um longo caminho. 
 
Palavras chave: Pedagógica, Tecnologia, Educação e comunicação. 
 
 
 
INTRODUÇÃO 
 
 O presente artigo visa o estudo e a pesquisa quanto ao uso da tecnologia e os desafios 
para colocar todo esse mundo chamativo a favor de uma educação melhor, bem como 
transformar o aprender de forma prazerosa para o educando. O uso da tecnologia como 
ferramenta pedagógica. 
 Podemos ressaltar que a tecnologia deva ser implementada na educação de forma ampla, 
porem há muitos fatores que precisam serem analisados para que venha a contribuir de forma 
positiva o uso dentro das unidades de ensino. 
 Como adaptar toda essa gama tecnológica dentro do ensino nas UEs é um grande 
desafio, pois nós temos um educando que está desmotivado quanto ao ensino, a escola, o 
objetivo é que a tecnologia dê esse impulso renovador com a implementação de todo esse 
aparato tecnológico. Uma das principais barreiras a ser vencida é a capacitação do professor 
para a utilização e desenvolvimento de toda tecnologia .O professor que tem mais de 10 anos 
de exercício no magistério tem resistido a toda essa tecnologia apresentada e exigida no dia a 
dia , a principal dificuldade consiste na adaptação de conhecimento adquirido anteriormente, o 
conhecimento anterior é totalmente analógico, podemos dizer que é até monocromático, 
enquanto hoje no mundo atual todo digitalizado a maneira de agir e trabalhar é um desafio. 
 Dentre todos os desafios para colocar todo aparato tecnológico dentro da sala de aula 
de uma forma a prender a atenção do educando, levando-o a utilizar a tecnologia como parceira 
do aprendizado, depende não só do professor nesse empenho de tornar atraente para o aluno o 
uso de tudo que lhe é apresentado, em contrapartida a formação e atualização do professor para 
esse mundo novo e tecnológico é de todos, mas, a SEDUC estadual junto com as DEs regionais 
tem essa obrigação dessa “passagem”. 
 “Trabalhar no sentido da diversificação dos modelos e das práticas de formação 
 instituindo novas relações dos professores com o saber pedagógico 
 e científico. A formação passa pela experimentação, pela inovação, 
 pelo ensaio de novos modos de trabalho pedagógico. E, por uma reflexão 
 crítica sobre a sua utilização. A formação passa por processos de investigação, 
 diretamente articulados com as práticas educativas “ (NÓVOA,1995, p. 28). 
 Este pensamento de Nóvoa norteia o pensamento de que as práticas pedagógicas são 
reflexivas, investigativas e que todo processo de modernização e aparelhamento das praticas 
educativas é de responsabilidade de todos, Estado, SEDUC, DEs regionais, todas as UEs, bem 
como todo corpo docente, é um desafio grandioso essa ferramenta que se apresenta em nossa 
frente. O jovem tem experimentado tudo que a tecnologia tem para dar, usar isso a favor do 
ensino é contextualizar o aprendizado como uma coisa corriqueira na vida desse público alvo. 
O ensino em nosso estado (SP) tem adotado a aprovação automática dos educandos, é um 
ponto a ser levado em conta quanto a inserção de novas ferramentas educativas, mesmo sendo 
uma inovação educacional como a tecnologia, pois tem muitos obstáculos a vencer, desde o 
próprio público alvo ao corpo docente, em um ensino onde a promoção a uma serie seguinte se 
faz de forma automática, de certa forma tira o interesse em participar dessa formação, uma vez 
que não se precisa de muito ou quase nenhum esforço para ser promovido . Um outro ponto 
que se deve levar em conta é que a maioria dos alunos não tem acesso digital em sua residência 
o uso de toda a tecnologia em suas mãos é quando muito um celular, que de certa forma limita 
o acesso pleno e o uso da tecnologia, digo, aplicativos usuais em m PC, na sua coluna a Folha 
de São Paulo colocava em evidencia essa exclusão digital sofrida por parte da população, isso 
em 2003. 
 
 O acesso a computadores reflete as desigualdades econômicas e sociais 
 do Brasil, de acordo com o "Mapa da Exclusão Digital", divulgado ontem 
 pela FGV (Fundação Getúlio Vargas). Apenas 12,46% dos brasileiros têm 
 computador em casa. O percentual dos que estão conectados à internet é 
 ainda menor: 8,31%.(SOARES, Folha2003). 
 Segundo a pesquisa feita pela FGV e evidenciada por Pedro Soares da FOLHA da 
sucursal do Rio em 2003, ainda no início podemos falar de certa forma, uma realidade que 
ainda está longe do ideal após todo esse tempo o mundo digital está presente na vida do 
brasileiro somente na tela de um celular. 
 Diante desse panorama o desafio ainda se torna maior para a implementação de forma 
plena da tecnologia dentro da UE (unidade escolar), para uma plena eficiência da tecnologia 
como ferramenta de ensino e aprendizagem o alvo desse aparato tecnológico teria que está 
munido dessa tecnologia em seu âmbito familiar, assim estaria sendo um círculo favorável a 
toda forma digital apresentada. 
 Observamos com frequência, e outras pesquisas também apontam nessa direção 
 ( OLIVEIRA, 2007; BUZATO, 2007), “que a articulação entre 
 os projetos de inclusão digital e a educação resume-se à realização 
 de atividades escolares (pesquisas) noscentros de acesso público. 
 Isso é bastante significativo para os estudantes que não possuem 
 conexão em casa, nem na escola. É uma oportunidade de interação 
 com o contexto digital. No entanto, continua a perspectiva do 
 consumo de informações. Não está proposta, prevista, ou 
 estimulada pelas políticas públicas uma articulação 
 mais efetiva entre escola e demais espaços públicos de acesso. 
 Para os gestores públicos, educação está em um plano de 
 abordagem, e inclusão digital em outro, totalmente diferente, 
 inclusive com responsabilização de secretarias e ministérios 
 específicos, sem articulação entre eles”. 
 Quando se fala em ferramentas pedagógicas, em até pouco tempo era coisa de outro 
mundo a tecnologia ser uma ferramenta que está se tornando um ponto muito importante no 
meio acadêmico e um desafio a todos os educadores com essa iminente ferramenta. As TDICs 
estão sendo exigidas tanto aos educadores quanto aos educandos de forma bem agressivas e 
sem o devido preparo dos profissionais da educação, uma vez que NÃO existe de forma 
adequada a realidade do sistema de educação uma estrutura de formação e adequação dessa 
passagem para o mundo conectado. 
 
A TECNOLOGIA E O GOVERNO FEDERAL (MEC) 
 
 “Como visão estratégica, o Programa de Inovação Educação Conectada propõe uma 
articulação com demais políticas públicas, como as metas do Plano Nacional de Educação. Por 
ele, o ensino Médio deve ter 85% de jovens matriculados em todo o país, até 2024. A tecnologia 
será relevante para permitir a essa faixa de estudantes maior autonomia na aprendizagem, 
principalmente em face à nova proposta curricular” (Educação Conectada , MEC). 
 Esta é a ambiciosa visão do MEC para o futuro próximo de toda a rede pública de 
ensino. A ambição do governo através do PNE é que até 2024 o Brasil deverá cumprir essa 
meta de ter em até 85% dos jovens no ensino em escolas públicas com o foco entre 15 a 17 
anos já no ensino médio incluídos e atuantes no uso da tecnologia, podemos falar que é um 
programa no qual todas as esferas governamentais estão empenhadas em conseguir. É um plano 
semelhante ao do MEC que procurará fazer a seleção e divulgação de tecnologias educacionais 
voltadas a alfabetização de crianças bem como o desenvolvimento de tecnologias educacionais 
e boas práticas pedagógicas essenciais ao desenvolvimento dessas práticas que assegurem a 
alfabetização. O acesso a informática nas escolas ainda está longe de ser o desejado, mas, com 
essas medidas previstas do MEC com certeza irá avançar nesse quesito. 
 O que podemos perceber dentre os programas e ações de inclusão digital adotados pelo 
Governo Federal é que as ações do MEC estão indo no caminho da globalização tecnológica 
nas escolas. Até o momento, o principal programa que oportuniza o acesso das escolas à 
tecnologia digital iniciado com o PROINFO (Programa Nacional de Informática na Educação), 
em abril de 1997, com o objetivo de melhorar a qualidade do processo de ensino-aprendizagem, 
possibilitar “a criação de uma nova ecologia cognitiva nos ambientes escolares, propiciar uma 
educação voltada para o desenvolvimento científico e tecnológico e educar para uma cidadania 
global” (MORAES, 1997). As estratégias para alcançar esses objetivos foram implantar 
laboratórios de informática nas escolas públicas de educação básica e capacitar os professores, 
para beneficiar a população próxima à escola. Difícil compreender o motivo que levou à troca 
de nome do programa. 
 
A CIBERCULTURA E A INCLUSÃO DIGITAL 
 O conceito de cibercultura é trabalhado de forma diferente por cada autor. Por exemplo, 
para Pierre Lévy, esse conceito trata da reunião de relações sociais, das produções artísticas, 
intelectuais e éticas dos seres humanos. Além disso, a cibercultura se articula por meio de 
redes interconectadas de computadores, ou seja, no ciberespaço. Pode ser pensado como um 
fluxo contínuo de ideias, práticas, representações, textos e ações, que ocorrem entre 
interconectadas. É importante pensar que a cibercultura não é um marco zero na cultura da 
humanidade, mas, ao contrário, ela é a cultura em um sentido bastante amplo, que acontece no 
ciberespaço. Concluindo, então, que a cibercultura está passando por uma universalização, visto que 
estamos imersos a cada dia mais nas novas formas e relações de produção de conhecimento que a mesma 
pode nos oferecer. 
 O termo [ciberespaço] especifica não apenas a infraestrutura material da comunicação 
digital, mas também o universo oceânico de informação que ela abriga, assim como os seres 
humanos que navegam e alimentam esse universo. 
 Diante desse cenário a inclusão social foi mais fácil de aprimorar dentro da escola, uma 
vez que a tecnologia disponibiliza muitos recursos facilitadores para o aluno com alguma 
dificuldade ou deficiência garantindo o aprendizado, os governos tanto estadual, quanto o 
federal tem se esforçado para suprir essa importante missão que é incluir a cibercultura de 
forma inclusiva a todos. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 CONCLUSÃO 
 Em suma, o exposto neste artigo, pontos importantes foram abordados, com relação às 
tecnologias da informação no âmbito escolar. O crescimento do uso destas inovações abrange 
todo o cotidiano dos indivíduos, se fazendo presente no lazer, na comunicação entre pessoas 
em locais distantes, no ensino e até no mercado de trabalho. Com a evolução constante destes 
artifícios tecnológicos, a inserção da tecnologia no âmbito educacional fez-se necessária. 
A importância das TIC's na educação como ferramentas pedagógicas é notória. Isto pode ser 
percebido pelo fato de que ela possui imensos recursos e possibilita ao professor e ao aluno 
facilidades no processo educativo. No entanto, foi destacado que, para que as TIC's possam 
fazer jus ao que prometem dentro do âmbito educacional, o professor precisa estar capacitado, 
e buscar constante aperfeiçoamento e conhecimento das tecnologias atuais para que consiga 
mediar o aprendizado e levar o aluno à construção dos conhecimentos. 
 A abordagem do uso laboratório de informática também foi evidenciado. Foi colocado 
que a utilização deste laboratório pode contribuir para que o professor ministre aulas 
diferenciadas, o que manterá o interesse do aluno em aprender sem perder o foco, já que ele 
está em contato com o que é atual e faz parte do seu universo pessoal. Sabe-se, que estes 
recursos ainda são pouco utilizados para fins educacionais, porém, tem-se notado um 
progressivo aumento da aplicação das inovações tecnológicas no processo de ensino-
aprendizagem, principalmente no âmbito do ensino à distância, que vem crescendo ao longo 
dos últimos anos. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
REFERÊNCIAS BIBLIAGRÁFICAS 
 
BRANT, João.O lugar da educação no confronto entre colaboração e competição. In.: 
BRASIL. Sociedade da Informação no Brasil. Livro Verde. Brasília: Ministério da Ciência 
e Tecnologia, 2000. http:/livroaberto.ibict.br/handle/1/434 
BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Decreto n° 6.300, de 12 de Dezembro de 2007. 
Dipõe sobre o ProgramaNacional de Tecnologia Educacional – ProInfo. Decreto on-line. 
Disponível em : <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007- 
2010/2007/Decreto/D6300.htm>. Acesso em: 17 de junho de 2023. 
BRASIL. Computador Portátil para Professores. 2008. Disponível em: 
<http://www.computadorparaprofessores.gov.br>. Acesso em: 12 de junho de 2023. 
BUZATO, Marcelo. Entre a Fronteira e a Periferia: linguagem e letramento na inclusão 
digital. Tese (Doutorado em Lingüística Aplicada) - Instituto de Estudos da Linguagem, 
Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007. 
BECKER, Fernando. O que é Construtivismo? Série Idéias, n. 20. São Paulo:FDE, 1994. 
Disponível em: <http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_20_p087-093_c.pdf>. Acesso 
em: 11 de jnho de 2023. 
BITTENCOURT, C. S.; GRASSI, D.; ARUSIEVICZ, F.; TONIDANDEL, I.Aprendizagem 
colaborativa por computador. Novas Tecnologias na Educação, v. 2 n. 1, Março/2004, p. 1-5. 
Disponível em: <http://www.cinted . ufrgs.br/renote/mar2004/artigos/01-aprendizagem- 
_colaborativa.pdf>. Acesso em: 12 de julho de 2023. 
CÂMARA DOS DEPUTADOS. Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica. 
Um Computador por aluno: a experiência brasileira. Brasília: Câmara dos Deputados, 
Série Avaliação de Políticas Públicas, Brasília/DF, n.1, 2008. 
CASTORIADIS, Cornelius. As encruzilhadas do labirinto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, v.1, 
1987. 
PRETTO, Nelson De Luca; SILVEIRA, Sergio Amadeu (Orgs). Além da redes de 
colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador: EDUFBA, 2008. 
p. 69-74. 
Exclusão digital : https://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1104200309.htm 19/09/2023 
Educação conectada: https://educacaoconectada.mec.gov.br/visao19/09/2023 
Cibercultura https://pt.wikipedia.org/wiki/Cibercultura 30/09/2023 
https://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1104200309.htm
https://pt.wikipedia.org/wiki/Cibercultura
Inclusão Social na Educação : http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/205-49433645/11797-
sp-1610190455 29/092023 
 
http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/205-49433645/11797-sp-1610190455
http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/205-49433645/11797-sp-1610190455

Outros materiais