Buscar

AV2 geriatria

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 4 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

AV2 geriatria 
Olá, ROSIMARA. Quando você enviar este formulário, o proprietário verá seu nome e endereço de email.
1.(ENADE, 2013) A crescente incidência das doenças cardiovasculares (DCV) no último século incrementou a busca incessante para descobrir os fatores de risco (FR) relacionados ao seu desenvolvimento. Ainda que a genética e a idade tenham importância nesta evolução, há muitos outros fatores de risco que podem ser influenciados por modificações no estilo de vida, de forma a reduzir os problemas cardiovasculares e a aumentar a sobrevida de pacientes portadores ou em risco de coronariopatias. De acordo com as diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia, os fatores de risco mais relevantes no panorama da saúde cardiovascular no Brasil são: tabagismo, hipertensão arterial sistêmica (HAS),
diabetes mellitus, obesidade e dislipidemias. O tratamento não medicamentoso para minimizar estes fatores está relacionado com a mudança comportamental e a adesão a um plano alimentar saudável. Com base no texto e considerando um plano alimentar cujo objetivo é diminuir os fatores de risco que possam contribuir para o aumento de ocorrência das DCV, avalie as afirmações a seguir.
I. O consumo de fibras alimentares insolúveis resulta em benefícios diretos para a redução das DCV, por diminuir as concentrações séricas da LDL-C, melhorar a tolerância à glicose e controlar o diabetes tipo 1.
II. O consumo regular de ácidos graxos saturados, como o ômega 3, reduz os triglicerídios séricos, melhora a função plaquetária e promove ligeira redução na pressão arterial de pacientes hipertensos.
III. A carência de minerais - como potássio, cálcio e, possivelmente, o magnésio - associada ao excesso de sódio na alimentação, pode estar relacionada a níveis mais altos de pressão arterial.
IV. O maior consumo de frutas e vegetais ricos em flavonoides pode reduzir o risco para DCV, por sua ação antioxidante na LDL-C e da modesta atividade antiplaquetária e anti-inflamatória. 
É correto apenas o que se afirma em:
II, III e IV.
III e IV.
I, II e IV.
I e III.
I e II.
2.O Brasil tinha 28 milhões de idosos em 2016, 13,5% do total da população. Em dez anos, chegará
a 38,5 milhões (17,4% do total de habitantes). Em 2042, a projeção do IBGE é de que a população brasileira atinja 232,5 milhões de habitantes, sendo 57 milhões de idosos (24,5%). Em 2031, o número de idosos (43,2 milhões) vai superar pela primeira vez o número de crianças e adolescentes, de 0 a 14 anos (42,3 milhões). Antes de 2050, os idosos já serão um grupo maior do que a parcela da população com idade entre 40 e 59 anos. Diante destes dados, será cada vez mais necessária a presença de profissionais especialistas em atender pacientes idosos. O conhecimento a respeito das mudanças fisiológicas ocorridas no envelhecimento de um paciente é essencial para os profissionais da área de saúde, a fim de que o tratamento prescrito seja adequado e eficiente. Entre as mudanças que podem ocorrer durante o envelhecimento, é correto citar:
A diminuição da absorção dos nutrientes.
Manutenção da força muscular.
Aumento da água corporal total.
A redução do pH gástrico.
O aumento da tolerância à glicose.
3.Nome:
 
4.O processo de envelhecimento é marcado pelo seguinte fator:
Ganho progressivo de massa corpórea magra.
Elevação da acidez gástrica.
Redução da resistência vascular periférica.
Aumento da taxa de filtração glomerular.
Perda de acuidade do paladar.
5.Conforme dados da Organização das Nações Unidas (ONU), em 1950, existiam 250 milhões de indivíduos com mais de 60 anos no planeta. Esse número quase triplicou até o ano 2000, somando 606 milhões de pessoas. Esse aumento contínuo e expressivo do número de idosos no mundo deve-se a vários fatores, exceto:
Avanços da medicina e da produção de medicamentos.
Melhoria na qualidade de vida da população idosa.
Diminuição da expectativa de vida.
Hábitos de vida mais saudáveis, como a prática de atividade física.
Acompanhamento médico e cuidados com a alimentação.
6.A medida mais sensível para a avaliação da massa muscular em idosos é:
Circunferência da panturrilha.
Altura do joelho.
Prega cutânea supra-ilíaca.
Circunferência braquial.
Circunferência da cintura.
7.A redução da estatura ocorre por vários motivos na população geriátrica. Acredita-se que este declínio inicia-se aos 40 anos e acentua-se com a idade e que há, em média, decréscimo de 2-3 cm por década. Esta redução pode estar relacionada:
Arqueamento dos membros inferiores,
Aumento dos discos intervertebrais,
Não há relação com cifose dorsal.
Alongamento entre as vértebras,
Eficiente arco plantar.
8.Que indicador antropométrico deve ser usado para acompanhamento de idosos em uma Unidade Básica de Saúde, de acordo com os protocolos do SISVAN?
Circunferência da Cintura (CC).
Razão Cintura/Quadril (RC/Q).
Circunferência da Panturrilha (CP).
Índice de Conicidade (IC).
Índice de Massa Corporal (IMC).
9.(COPEVE - UFA 2013) Alterações fisiológicas próprias do envelhecimento, presença de doenças crônicas e de fatores relacionados à história social e ambiental podem interferir negativamente no estado nutricional do idoso. No que se refere às estratégias de intervenção dietética para esse grupo populacional: 
I. A xerostomia afeta grande parte dos idosos e altera significativamente a ingestão de nutrientes.
II. Na presença de disfagia com perda de peso recomendam-se o uso de sopas liquidificadas espessadas e o aumento da densidade energética da dieta.
III. Deve-se aumentar a oferta de sal, pois os idosos costumam recusar refeições por terem menor capacidade de detectar o sal das preparações.
IV. Os líquidos devem ser evitados imediatamente antes ou durante as refeições, pois prejudicam a ingestão e podem fazer com que o idoso coma menos.
V. Enfatizar o consumo de alimentos fontes de cálcio, vitamina C, ácido fólico e vitamina B12.
III e IV, apenas.
I e II, apenas.
I, II, III, IV e V.
I, III e V, apenas.
I, II, IV e V, apenas.
10.(UFPB, 2015/ RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL) Em uma visita domiciliar, você encontra uma família cujo chefe é um idoso, Sr. S.P., 70 anos, cadeirante (tem amputado os membros inferiores), diabético, HAS, aparentemente magro. Ele reside com a esposa, uma filha e dois netos. Considerando a história familiar, você decide avaliar o consumo alimentar deste casal. Considerando o baixo nível de escolaridade de ambos, você opta pela aplicação de um recordatório de 24 horas, mesmo conhecendo as vantagens e desvantagens deste método de avalição dietética. Constituem vantagens desse método todos abaixo, EXCETO:
Quando realizado em série, fornece estimativa da ingestão usual do indivíduo.
Pode ser usado para grupos de baixo nível de escolaridade.
Não altera a dieta usual.
Pode ser usado para estimar o valor energético total da dieta e a ingestão habitual de micronutrientes.
Fácil e rápido de ser administrado.
11.As alterações fisiológicas inerentes ao processo de envelhecimento podem interferir diretamente nas necessidades e recomendações nutricionais (energia e nutrientes) para o idoso. Nesse contexto, é correto afirmar que a necessidade energética:
geralmente aumenta com a idade em função das alterações na composição corporal, da redução da TMB e do
geralmente diminui com a idade em função das alterações na composição corporal, da redução da TMB e da
geralmente aumenta com a idade em função das alterações na composição corporal, do aumento da TMB e
geralmente diminui com a idade em função das alterações na composição corporal, do aumento da TMB e da
não se altera ao longo dos anos.
image1.wmf
image2.wmf

Continue navegando

Outros materiais