Buscar

Eixo III Processo Penal - Teobaldo


Prévia do material em texto

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 3ª VARA 
CRIMINAL DA COMARCA DE BELO HORIZONTE 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Teobaldo Amado, já qualificado nos autos processuais digitais, por intermédio de seu advogado 
vem, à presença de Vossa Excelência, não se conformando com a r. sentença condenatória 
encartada nos autos de fls. XXX/XXX, com fulcro no artigo 593, inciso I do Código de Processo 
Penal (CPP), interpor 
DOS FATOS 
Conforme sentença prolatada pelo Juízo da 3ª Vara Criminal de Belo Horizonte/MG, o ora 
apelante foi processado e condenado pela suposta prática do crime previsto no Art. 129, § 1º, 
inciso III, c/c. o Art. 14, inciso II, ambos do Código Penal a pena de 2 anos de reclusão em 
regime inicial aberto. O juiz deixou de substituir a pena privativa de liberdade por restritiva de 
direitos por entender que os requisitos do art. 44, CP não foram preenchidos. 
Ocorre que a sobredita sentença, data máxima vênia, não merece prosperar, como será 
exaustivamente demonstrado, sendo certo que sua reforma é medida que se impõe, uma vez 
que os fundamentos ali entabulados são essencialmente desarrazoados e desproporcionais, 
portanto, inidôneos do ponto de vista jurídico. 
DO MÉRITO 
Aos desembargadores, peço a revisão quanto à acusação da violência sofrida pela vítima nos 
autos, o dito cujo foi em função dos atos cometidos pelo mesmo, dado que houve testemunhas 
que comprovam o caso. 
Ademais, após a comprovação dos fatos, em que ocorreu em legitima defesa de terceiros. 
DOS PEDIDOS E DOS REQUERIMENTOS 
Pelo exposto, pede e requer a Vossa Excelência digne-se de que: 
1. Em virtude do artigo 386, III, do Código de Processo Penal o juiz deve absorver o réu 
quando não constituir o fato de infração penal, dessa forma, trata-se de um crime 
impossível nos termos do artigo 17 do Código Penal após a perícia concluir que a 
``arma apreendida, o qual concluiu pela total incapacidade desta de efetuar 
disparos.``conforme consta nos autos do processo . 
2. Dado que o fato ocorreu com a sobrinha do Réu, utiliza-se o artigo 386,VI, Código de 
Processo Penal, onde houve circunstâncias para que o acusado agisse de maneira 
rápida, dado que o denominado Pelópidas não cessava as agressões. Haverá também 
a ressalva do artigo 23, II, co Código Penal a denominação de que não haverá crimes 
quando o fato for praticado em razão de legitima defesa. 
3. Por ultimo, a desclassificação da pena no artigo 129, III, Código Penal não houve 
comprovação de que o denominado ``Pelopidas` teria o membro debilidade permanente 
de membro, sentido ou função 
Nesses termos, 
Local : Belo Horizonte/MG 
Data : 10 de fevereiro de 2023 
Pede e Espera Deferimento. 
Nome do Advogado – Assinatura 
OAB/UF XXXXXXXX 
 
 
 
 
	DOS FATOS
	DO MÉRITO
	DOS PEDIDOS E DOS REQUERIMENTOS

Continue navegando