Buscar

Desenvolvimento de Habilidades Sociais

Prévia do material em texto

Especialização em Altas Habilidades/Superdotação - 8ª Turma
	Discente: Soraia Rodrigues Santana
	Professor(a): Profa. Dra. Jane Faria Chagas-Ferreira
	Disciplina: Aula 8 – O desenvolvimento socioemocional das pessoas com AH/SD em múltiplos contextos
A presente síntese trata do capítulo 11 do livro Altas habilidades/superdotação, inteligência e criatividade: Uma visão multidisciplinar, de Angela M. Rodrigues Virgolim; Elisabete Castelon Konkiewitz (orgs.), intitulado As características socioemocionais do indivíduo talentoso e a importância do desenvolvimento de habilidades sociais, de Jane Farias Chagas-Ferreira (2014).
A autora inicia o trabalho tratando dos processos que desencadeiam o ajustamento ou desajustamento socioemocional dos indivíduos talentosos, explicitando fatores que interconectam as características individuais e ambientais promotoras do desenvolvimento socioemocional de indivíduos talentosos, a partir dos conceitos de Bronfenbrenner.
No tocante às características individuais, sejam elas biológicas, cognitivas ou socioemocionais, é preciso investigar “uma teia complexa e interativa de fatores dinâmicos presentes em nos vários sistemas ecológicos onde o indivíduo está inserido ao longo de sua trajetória de vida.”. Por outro lado, alguns ambientes ecológicos “assumem papel preponderante no desenvolvimento do talento, entre eles, a família e a escola.”.
Ao discorrer sobre a família como contexto de desenvolvimento a autora afirma ser ela “um sistema complexo, responsável pelos primeiros processos de socialização e transmissão da cultura”, promovendo o desenvolvimento saudável da pessoa talentosa. Por outro lado, há aspectos do contexto familiar que influenciam negativamente, como os sentimentos de inadequação e o despreparo parental para lidar com as demandas de filhos talentosos.
Ao seu turno a escola “é a maior responsável pela identificação do talento, é coparticipante, juntamente com a família, dos desdobramentos desse processo.”. Chagas-Ferreira destaca, pautada na literatura, estratégias educacionais que viabilizam a inclusão de pessoas talentosas, entre as quais, “o enriquecimento escolar; a aceleração da aprendizagem; o acompanhamento por monitores; a participação em salas de atendimento especializado; programas de desenvolvimento da criatividade etc.”. Contudo, é também na escola que ocorrem “processos de exclusão, uma vez que seus interesses, habilidades e capacidades não são contemplados e/ou valorizados.”.
Em relação ao ajustamento socioemocional, apesar de resultados contraditórios demonstrando que “indivíduos talentosos sabem de sua inteligência, de suas habilidades e seu desempenho superior, mas se sentem confusos com a falta de esclarecimento e reconhecimento de seu potencial” (CHAGAS-FERREIRA apud SABATELA, 2008)., “os amigos, a escola e a família são apontados como agentes importantes na construção da identidade, o ensino de valores, a melhoria na motivação, na autoestima e na estabilidade emocional”.
Em continuidade, ressalta-se que é preciso entender que existem demandas próprias de desempenho e competência social ao longo da vida, daí a importância do treinamento de habilidades sociais; pois, são vários os fatores que influenciam a forma, a funcionalidade ou a afetividade das ações de um indivíduo talentoso. 
Pautada Del Prette e Del Prette (2002) a autora indica as “sete classes e subclasses de habilidades sociais que devem ser amplamente ensinadas e priorizadas, com a finalidade de promover interações interpessoais mais saudáveis”: autocontrole e expressividade emocional, civilidade, empatia, assertividade, fazer amizades, solução de problemas interpessoais, habilidades acadêmicas. E segue, trazendo o Modelo de Enriquecimento Triádico de Renzulli e Reis (1997) que enfatiza “promoção de habilidades relacionadas aos quatro pilares da educação: aprender a aprender (conhecer), aprender a ser, aprender a viver juntos (conviver) e aprender a fazer (DELORS, 2003). 
Concluindo o capítulo Chagas-Ferreira traz a pergunta que considera ser a mais honesta que devamos indagar: “o que temos feito efetivamente para o desenvolvimento integral das pessoas que demonstram um potencial diferenciado? Quais são as oportunidades que oferecemos para que se fortaleçam como pessoas íntegras?”.
Chagas-Ferreira, J. F. (2014). Características socioemocionais do indivíduo talentoso e a importância do desenvolvimento de habilidades sociais. In: A. M. R. Virgolim, E. Konkiewitz (Eds.), Altas habilidades/superdotação, inteligência e criatividade: Uma visão multidisciplinar (pp. 98-111). Campinas: Papirus.
image1.png
image2.png

Mais conteúdos dessa disciplina