A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
21 pág.
aula HELMINTOS

Pré-visualização | Página 1 de 3

ASCARIDASCARIDÍÍ ASEASE
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides - ASCARIDÍASE
MACHOS : 15 -30 cm, cor leitosa, 
lábios quitinosos, extremidade posterior 
encurvada para face ventral
FÊMEAS: 30 -40 cm, extremidade 
posterior reta
OVOS: cor castanha, grandes, ovais, 50 m, 
membrana externa mamilonada, citoplasma 
granuloso
http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/A-F/Ascariasis/body_Ascariasis_il4.htm
http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/A-F/Ascariasis/body_Ascariasis_il4.htm
Ascaris lumbricoides
CICLO EVOLUTIVO
15 DIAS
25 - 30 C
L3
pH
CO2
vasos linfáticos -
fígado- coração 
direito - pulmões -
rompem capilares -
chegam nos alvéolos -
traqueia - faringe -
intestino -
L4
L5
http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/A-F/Ascariasis/body_Ascariasis_il4.htm
TRANSMISSÃO
Ingestão de ovos contendo L3 PATOGENIA
LARVAS : 
lesões pulmonares, hepáticas, sídrome de Löeffler (edema, infiltrado 
eosinofílico, manifestações alérgicas, febre, bronquite e pneumonia)
VERMES ADULTOS: 
Ação tóxica - reação de hipersensibilidade
Ação espoliadora- consumo de proteínas, carboidratos, lipídios, vit A e C
Ação mecânica - enovelamento e obstrução an luz intestinal
Localizações ectópicas -apêndice cecal; canal colédoco, canal de Wirsung 
(pancreatite); eliminação pela boca e narinas; etc.
DIAGNÓSTICO
Método de Hoffman, Pons Janer ou Lutz -
pesquisa de ovos
Kato Katz - < 5000 ovos / g de fezes ( 1-4 vermes)
5000 -10000 ovos/ g (5 - 10 vermes)
> 10000 ( mais de 10 vermes)
TRATAMENTO
Pirantel (combantrin)
Mebendazol (panthelmin, sirbem, panfugan, etc)
Levamizol (ascaridil)
Piperazina (uvilon, piperazil, etc)
Albendazole
Tratamento cirúrgico (ectópicas)
Oclusões - piperazina + óleo mineral ou anti-
espasmódicos potentes
TOXOCARIASISTOXOCARIASIS
Toxocara canis
www.saudeanimal.com.br
MACHOS : 4 - 10 cm, cor leitosa, 
lábios quitinosos, extremidade posterior 
encurvada para face ventral, expansões 
cervicais
FÊMEAS: 6 - 18 cm, extremidade 
posterior reta, expansões cervicais
Toxocara canis - Larva Migrans Visceral
OVOS: cor castanha, grandes, 
ovais, 50 m, membrana dupla, 
externa mamilonada, 
Toxocara canis - Larva Migrans Visceral
PATOLOGIA NO HOMEM
Granuloma alérgico - tecido necrótico, infiltrado 
eosinofílico, monócitos, gigantócitos, etc.
Fígado , pulmões, cérebro, ganglios,
olhos (LMO) - deslocamento de retina, opacificação do 
humor vítreo
Leucocitose ( 12000 - 100000 / mm3)
Eosinofilia ( 14 -80%) - persistente
Hepatomegalia
Síndrome de Loeffler
www.saudeanimal.com.br
DIAGNDIAGNÓÓSTICO LABORATORIAL:STICO LABORATORIAL:
Hemograma, biópsias, dados radiológicos 
ELISA 
TRATAMENTO
CURA ESPONTÂNEA
Anti-helminticos, anti-histamínico, corticosteróide
Strongyloides stercoralis - ESTRONGILOIDÍASE
MORFOLOGIA
VERME ADULTO:
Fêmea partenogenética: 2 mm; extremidade anterior arredondada; 
posterior afilada, boca c/ 3 lábios, esôfago filarioide elimina ovos 
embrionados.
1n1n
2n2n
3n3n
3n3n
Macho vida livre: 0,7 mm - extremidade posterior 
recurvada c/ espículo
Fêmea vida livre: 0,8 - 1,2 mm - esôfago 
rabditóide, 
Larva rabditóide
Larva rabditóide : 250 
um, esôfago rabditóide, 
vestíbulo bucal curto, 
primórdio genital nítido
Larva filarióide
Larva filarióide (L3): 500 um, cauda entalhada, 
ausência de bainha
TRANSMISSÃOTRANSMISSÃO
Auto infecção externa (deficiência na higiene)
Auto-infecção interna ( constipação, imunossupressão, 
HIV/AIDS; gravidez; desnutrição; corticóides 
(metabólito semelhante a hidroxiecdisona)
Hetero-infecção
IMUNIDADE:
Produção de IgG, IgA, IgM e IgE
Resposta Th2 (IL4,Il5,IL10 e IL13) protetora
Th Th 
0 0 
LBLB
PLASMÓCITO
IL-4
Th2
IMUNIDADE HUMORAL
IL-4
IgM
PATOLOGIAPATOLOGIA
LESÕES CUTÂNEAS : reações urticariformes
LESÕES PULMONARES : pneumonite difusa, 
broncopneumonia, dispnéia
LESÕES INTESTINAIS: 
a) Enterite catarral - reação inflamatória, 
infiltração de eosinófilos
b) Enterite edematosa - edema, síndrome de 
má absorção
c) Enterite ulcerosa - ulceração, invasão 
bacteriana, rigidez da mucosa intestinal, 
fibrose
PATOLOGIAPATOLOGIA
ERITEMA E INFLAMAÇÃO APÓS TRATAMENTO
DISSEMINADA
Pulmões, rins, intestino, fígado coração, 
cérebro, pâncreas, linfonodos
SintomatologiaSintomatologia: 
anemia hipocrômica, eosinofilia, sudorese, 
palpitações, insônia, emagrecimento, etc.
CLÍNICO : sugestivo -diarréia, dor abdominal e urticária, 
eosinofilia
Laboratorial:
Baermann-Moraes, Rugai - 3-5 amostras em dias alternados
Coprocultura : Harada Mori
ELISA 
Endoscopia digestiva
Biopsia intestinal
Hemograma _ eosinofilia
Raio X, ultrasonografia - alteração no relevo mucoso 
duodenojejunal
DIAGNDIAGNÓÓSTICOSTICO
TRATAMENTO
Tiabendazol
Cambendazol
Albendazol
Ivermectina
ANCILOSTOMANCILOSTOMÍÍ ASEASE
Ancylostoma duodenale : capsula bucal c/ 2 pares de dentes , 
cor róseo, macho - 8-11 mm , bolsa copuladora; Fêmea - 10 -
18 mm, ext. posterior afilada c/ processo espiniforme
BOLSA COPULADORA
MACHO
Ancylostoma ceylanicum: cápsula bucal 2 pares de dentes ( um 
grande e outro minúsculo. Macho - 8mm; Fêmea: 10 mm
Necator americanus: extremidade cefálica recurvada, capsula 
bucal profunda c/ 2 lâminas cortantes. Macho - 5 -9 mm; Fêmea 
- 9 - 11 mm, sem processo espiniforme. Ovo - oval, 60 -40 m, casca fina, transparente, 4-8 
blastômero
Eclosão pode dar-se em 1-2 dias
Larva rabditóide ; vestíbulo bucal longo (igual ao diâmetro 
da larva), primórdio genital lenticular, pouco visível.
www.professoraangela.kit.net
Larva filarióide - bainha, ext. posterior afilada
Geotropismo negativo; hidrotropismo, tigmotropismo, 
termotropismo.
LARVA 
RABDITÓIDE
LARVA LARVA 
FILARIFILARIÓÓIDEIDE
CICLO EVOLUTIVO
12 - 24h
21 -27 C
27-32 C
L2 - 3-4 dias
L3 - 5 dias
L4 - 2-7 dias
L5 - 15 dias
35- 60 dias
42-60 dias
21 -35 dias
PATOLOGIA
Pele: hiperemia, prurido, edema
Pulmão - tosse
Intestinal- hematofagismo; lesões na mucosa intestinal - dor 
epigástrica, diminuição do apetite, flatulências
Espoliação sanguínea: 100 -1000 vermes - 10 -30 mL sangue ( 
5-15mg Fe) 
1000 ovos/g de fezes - 2 -3 mL sangue perdido
A hipoproteinemia -acompanha de atrofia da mucosa intestinal, 
redução ou achatamento das vilosidades e diminuição da 
absorção intestinal.
Anemia microcítica e hipocrômica, leucocitose, eosinofilia, 
hipoalbuminemia, apetite depravado
SINTOMAS:
As crianças mostram retardo no desenvolvimento físico e 
mental, apatia, falta de apetite, atenção difícil e um baixo 
rendimento escolar.
Os sinais e sintomas predominantes são: palidez, conjuntivas e 
mucosas descoradas, cansaço fácil, desânimo e fraqueza. 
Ocorrem tonturas, vertigens, zumbidos nos ouvidos e manchas 
no campo visual.
Também, dores musculares, sobretudo nas pernas, ao caminhar, 
cefaléia 
DIAGNÓSTICO
Hoffmann, Pons e Janer
Willis
Harada Mori
TRATAMENTO
Pirantel
Mebendazol
Albendazol
SUPLEMENTAÇÃO DE Fe E PROTEÍNAS
CONTROLE
Calçado O uso generalizado e constante 
de calçado, de qualquer tipo, inclusive 
sandálias, é o meio mais eficiente e 
permanente de prevenção, e 
independente dos serviços de saúde. 
Saneamento básico
Educação sanitária
Ferroterapia
Tratamento com anti-helmínticos
LARVA MIGRANS CUTÂNEA
ESQUISTOSSOMOSEESQUISTOSSOMOSE
Schistosoma mansoniSchistosoma mansoni
ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA
Biomphalaria glabrata, Biomphalaria stramínea, Biomphalaria tenagophila
Schistosoma
PATOLOGIA
Fase aguda
Dermatite cercariana, urticárias, reações de 
hipersensibilidade, eosinofilia, etc.
Hepatite
Esplenomegalia
Hipertrofia ganglionar
granulomas
PATOLOGIA
FASE CRÔNICA
Intestino: granulomas, fibrose da alça retossigmóide, 
constipação
Fígado: hepatomegalia, granulomas, fibrose de Symmers , 
fibrose periportal, obstrução dos ramos intra-hepáticos
Esplenomegalia (hiperplasia do SMF)
Varizes - anastomoses plexo hemorroidário, umbigo, região 
inguinal e esôfago
Ascite
Granulomas pulmonares - insuficiência pulmonar
Localizações ectópicas - pâncreas, testículos, ovários, baço
Neuroesquistossomose