A ERA DO CONHECIMENTO E SEUS EFEITOS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO
4 pág.

A ERA DO CONHECIMENTO E SEUS EFEITOS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO


DisciplinaDireito do Trabalho I27.453 materiais482.315 seguidores
Pré-visualização2 páginas
AMANDA ABREU RICARDO
A ERA DO CONHECIMENTO E SEUS EFEITOS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO
Partindo da observação de que a tecnologia e a informação estão afetando os
paradigmas e os pilares das relações econômicas e sociais, fica impossível não haver
uma verdadeira revolução no mundo do trabalho, consequentemente no Direito do
Trabalho. Enquanto as primeiras tecnologias industriais substituíram a força física do
trabalho humano, as novas tecnologias baseadas no computador prometem substituir a
própria mente humana, colocando máquinas inteligentes no lugar dos seres humanos em
toda a escala da atividade econômica.
Cita o autor, o Prêmio Nobel da economia Wassily Leontief, em uma de suas
declarações: \u201co papel dos humanos, como o mais importante fator de produção, está
fadado a diminuir, de mesmo modo que o papel dos cavalos na agricultura foi de início
diminuído e depois eliminado com a introdução dos tratores\u201d. Pondera com muita
propriedade que o único setor no horizonte é o do conhecimento, um grupo de indústrias
e de especialistas de elite serão responsáveis pela condução da nova economia
automatizada da alta tecnologia do futuro. 
Os poucos bons empregos disponíveis na nova economia global da alta tecnologia
estão no setor do conhecimento. É ingenuidade pensar que os trabalhadores sem
qualificação estarão imediatamente prontos após um retreinamento para assumir
posições nessa nova ordem do conhecimento, não há como atingir a todos. Mesmo que
uma re-educação e treinamento fossem implementados numa escala maciça, não haveria
disponibilidade suficiente de empregos de alta tecnologia automatizada do século XXI
para absorver o grande número de trabalhadores demitidos.
Com a introdução do computador na fábrica e por consequência o controle
numérico, muitas das decisões que afetam na fábrica e o processo de manufatura
passaram dos trabalhadores para os programadores e gerentes. Empresários americanos
afirmavam que \u201ca nova geração de ferramentas numericamente controladas por
computador marca nossa emancipação dos trabalhadores humanos\u201d. A Terceira
Revolução Industrial está provocando uma crise econômica mundial de proporções
monumentais, com a perda de milhões de empregos para a inovação tecnológica e o
declínio vertiginoso do poder aquisitivo global, uma revolução silenciosa está se
desenrolando.
Observa o autor que os trabalhadores do conhecimento são um grupo distinto,
unidos pelo uso da tecnologia da informação de última geração para identificar,
intermediar e solucionar problemas. São criadores, manipuladores e abastecedores do
fluxo de informação que constrói a economia global pós-industrial e pós-serviço. Agora a
influência dos trabalhadores diminuiu significativamente e os trabalhadores do
conhecimento tornaram-se o grupo mais importante na equação econômica. Ter o
monopólio sobre o conhecimento e sobre as ideias assegura o sucesso competitivo e a
posição no mercado. 
A atividade produtiva passa a se fundar em conhecimentos técnico-científicos, em
oposição ao trabalho rotineiro, repetitivo e desqualificado, que predominou na fase do
capitalismo liberal e nas primeiras décadas deste século. No Brasil, o advento da era do
conhecimento e da informação produziu mais estragos do que benefícios no mundo do
trabalho, uma vez que ele veio acompanhado de várias mudanças estruturais na
economia bem como pelo fato de que o nível de escolaridade médio do trabalhador
brasileiro é muito baixo.
Temos assistido um desenvolvimento tecnológico inusitado, e a um grande esforço
das empresas no sentido de colocar a ciência a serviço do capital, o que alterou
profundamente as relações de trabalho entre empregado e empregador e fez surgir uma
quantidade imensa de novas formas de contratação, especialmente as economizadoras
de mão-de-obra e de forma precarizada. Em primeiro lugar foi criado um novo paradigma
de produção industrial, a \u201cautomação flexível\u201d, possibilitado pela revolução tecnológica
que transformou a ciência e a tecnologia em forças produtivas, agentes da própria
acumulação do capital, fazendo crescer enormemente a produtividade do trabalho
humano. O elemento central neste processo é a substituição da eletromecânica para
eletrônica como base do processo de automação, ou seja, é a implantação da \u201ctecnologia
da informação\u201d como eixo fundante do processo produtivo.
 Se fala na inteligência artificial assumindo o sistema produtivo. Uma tendência que
vem marcando o capitalismo desde o século passado: a ciência se transforma na
\u201cprimeira força produtiva\u201d e, consequentemente, o trabalho criativo e intelectual.
O mais importante nesta nova configuração de trabalho do trabalho é que o
trabalhador, tendo-se tornado vendedor de trabalho objetivado e não mais de sua força de
trabalho, sente-se proprietário, um verdadeiro comerciante, parceiro de seus antigos
patrões. Num mundo onde todos são produtores de mercadorias, os sindicatos, os antigos
instrumentos de luta dos trabalhadores, parecem, pelo menos, supérfluos. O fato é que
atualmente o trabalho, na forma de emprego, deixou de ser o principal foco de referência
dos indivíduos na sociedade, perdendo dessa forma, a forma de socialização que antes
ocupava em nossas vidas. O fato fundamental de nossos dias é que o trabalho manual
está desaparecendo como fenômeno sócio-econômico, isto é, muitos perderam a
possibilidade mesma de trabalhar não por algum tipo de perturbação passageira do
sistema produtivo, mas simplesmente pela substituição do trabalho humano por
autômatos e robôs de tal forma que ele se torna praticamente supérfluo
Caracterizado pelo aspecto do sistema capitalista global, o livre movimento de
capitais vai desenhando o mercado através de fusões, incorporações e privatizações. As
atividades de incorporações, fusões e aquisições estão atingindo níveis sem precedentes,
à medida que as empresas de um setor se consolidam em escala global. O capitalismo
possui em si uma contradição interna, na busca desenfreada pelo lucro, impondo a
supremacia dos valores de mercado sobre os valores sociais e políticos, sob o
pressuposto que o mercado sempre tende ao equilíbrio. 
É justamente por esta contradição, que em pleno limiar do século, o mundo jamais
concentrou tantos recursos financeiros, mas também jamais assistiu a tanta miséria,
pobreza, má distribuição de renda, e um presságio de um mundo cada vez mais sem
empregos. Senso que hoje, o capital é hegemônico, volátil, e transcende as fronteiras
regionais. As corporações negociam cinicamente, pelo mundo afora, os trabalhadores
mais baratos, os menores impostos, regimes de trabalho e meio ambiente. Parece
razoável que as empresas adotem estratégias que parecem, sob a ótica particular, as
mais lucrativas. Negociar em benefício de seus cidadãos é tarefa do Estado.
Essas redes econômicas privadas, transnacionais, dominam então cada vez mais
os poderes estatais, muito longe de ser controladas por eles, são elas que os controlam, e
forma, em suma, uma espécie de nação que, fora de qualquer território, de qualquer
instituição governamental, comanda cada vez mais as instituições de diversos países,
suas políticas, geralmente por meio de organizações consideráveis, com o Banco
Mundial, o FMI ou a OCDE. Eis então a economia privada como nunca em plena
liberdade. O capital é móvel, a mão-de-obra não. Daí, a impactação social da globalização
sobre o nível de emprego, nos novos tempos do conhecimento e da informação.
Esse novo estado de coisas vem promovendo uma verdadeira revolução no Direito
do Trabalho, na medida