resumo de conceitos da mecanica quantica
108 pág.

resumo de conceitos da mecanica quantica


DisciplinaFisica Quantica I84 materiais688 seguidores
Pré-visualização40 páginas
PDF gerado usando o pacote de ferramentas em código aberto mwlib. Veja http://code.pediapress.com/ para mais informações.
PDF generated at: Thu, 02 Dec 2010 01:37:41 UTC
Mecânica Quântica
Selecionado por www.fisica.net
Conteúdo
Páginas
Introdução à mecânica quântica 1
Antiga teoria quântica 5
Mecânica quântica 7
Efeito fotoelétrico 15
Postulados da mecânica quântica 17
Albert Einstein 18
Constante de Planck 31
Dualidade onda-corpúsculo 32
Efeito túnel 32
Entrelaçamento quântico 33
Equação de Dirac 34
Equação de Klein\u2013Gordon 35
Equação de Pauli 36
Equação de Schrödinger 37
Estado quântico 38
Experimento de Davisson\u2013Germer 38
Experimento de Stern-Gerlach 39
Experiência da dupla fenda 41
Função de onda 43
Gato de Schrödinger 45
Gravitação quântica 50
Histórias consistentes 53
Integração funcional 54
Interpretação de Bohm 55
Interpretação de Copenhaga 59
Interpretação de muitos mundos 60
Interpretação transacional 69
Interpretações da mecânica quântica 70
Lógica quântica 76
Mecânica matricial 77
Princípio da incerteza de Heisenberg 77
Princípio de exclusão de Pauli 81
Representação de Dirac 84
Representação de Heisenberg 87
Representação de Schrödinger 89
Sobreposição quântica 91
Teorema de Ehrenfest 92
Teoria das variáveis ocultas 93
Teoria de tudo 95
Teoria do campo unificado 99
Referências
Fontes e Editores da Página 102
Fontes, Licenças e Editores da Imagem 104
Licenças das páginas
Licença 105
Introdução à mecânica quântica 1
Introdução à mecânica quântica
Werner Heisenberg e Erwin Schrödinger, criadores da mecânica
quântica.
Mecânica quântica (ou teoria quântica) é um ramo da
física que lida com o comportamento da matéria e da
energia na escala de átomos e partículas subatômicas. A
mecânica quântica é fundamental ao nosso
entendimento de todas as forças fundamentais da
natureza, exceto a gravidade.
A mecânica quântica é a base de diversos ramos da
física, incluindo eletromagnetismo, física de partículas,
física da matéria condensada, e até mesmo partes da
cosmologia. A mecânica quântica também é essencial
para a teoria das ligações químicas (e portanto de toda
química), biologia estrutural, e tecnologias como a
eletrônica, tecnologia da informação, e nanotecnologia.
Um século de experimentos e trabalho na física
aplicada provou que a mecânica quântica está correta e
tem utilidades práticas.
A mecânica quântica começou no início do século 20,
com o trabalho pioneiro de Max Planck e Niels Bohr.
Max Born criou o termo "mecânica quântica" em 1924.
A comunidade de física logo aceitou a mecânica quântica devido a sua grande precisão nas previsões empíricas,
especialmente em sistemas onde a mecânica clássica falha. Um grande sucesso da mecânica quântica em seu
príncipio foi a explicação da dualidade onda-partícula, ou seja, como em níveis subatômicos o que os humanos
vieram a chamar de partículas subatômicas têm propriedades de ondas e o que era considerado onda tem propriedade
corpuscular. A mecânica quântica também pode ser aplicada a uma gama muito maior de situações do que a
relatividade geral, como por exemplo sistemas nos quais a escala é atômica ou menor, e aqueles que têm energias
muito baixas ou muito altas ou sujeitos às menores temperaturas.
Um exemplo elegante
A luz não segue uma trajetória retlínea entre a
fonte e a tela de detecção.
(Perceba as três franjas à direita.)
O personagem mais elegante do palco quântico é o experimento da
dupla fenda. Ele demonstra a dualidade onda-partícula, e ressalta
diversas características da mecânica quântica. Fótons emitidos de
alguma fonte como um laser se comportarão diferentemente
dependendo da quantidade de fendas que estão em seu caminho.
Quando apenas uma fenda está presente, a luz observada na tela
aparecerá como um padrão de difração estreito.
Entretanto, as coisas começam a ficar estranhas se duas fendas forem
introduzidas no experimento. Com duas fendas presentes, o que
chegará em uma tela de detecção remota será uma superposição
quântica de duas ondas. Como a ilustração mostra, uma onda da fenda
do topo e outra da de baixo terão sobreposição na tela de detecção, e então elas são superpostas. O mesmo
experimento básico pode ser feito atirando um elétron em uma fenda dupla. A natureza ondulatória da luz faz com 
que as ondas luminosas passando por ambas fendas se interfiram, criando um padrão de interferência de faixas claras
Introdução à mecânica quântica 2
e escuras na tela. Porém, na tela, a luz é sempre absorvida em partículas discretas, chamadas fótons.
O que é ainda mais estranho é o que ocorre quando a fonte de luz é reduzida ao ponto de somente um fóton ser
emitido por vez. A intuição normal diz que o fóton ira atravessar ou uma ou outra fenda como uma partícula, e
atingir a tela como partícula. Entretanto, qualquer fóton solitário atravessa ambas fendas como onda, e cria um
padrão de onda que interfere consigo mesmo. E ainda mais um nível de estranheza - o fóton é então detectado como
partícula na tela.
Onde um fóton ou elétron aparecerá na tela de detecção dependerá das probabilidades calculadas ao se adicionar as
amplitudes das duas ondas em cada ponto, e elevando essa soma ao quadrado. Conquanto, a localização de onde um
fóton, ou um elétron, irá atingir a tela, dependerá de um processo completamente aleatório. O resultado final estará
de acordo com as probabilidades que podem ser calculadas. Como a natureza consegue realizar essa proeza é um
mistério.
Os fótons funcionam como se fossem ondas enquanto eles atravessam as fendas. Quando duas fendas estão
presentes, a "função de onda" pertencente a cada fóton atravessa cada fenda. As funções de onda são superpostas ao
longo de toda tela de detecção, ainda assim na tela, apenas uma partícula, um fóton, aparece e sua posição está de
acordo com regras de probabilidade estritas. Então o que os homens interpretam como natureza ondulatória dos
fótons e como natureza corpuscular dos fótons deve aparecer nos resultados finais.
Visão geral
O inesperado
No final do século 19, a física clássica parecia quase completa para alguns, mas essa percepção foi desafiada por
achados experimentais que tal física não era capaz de explicar. Teorias físicas que funcionavam bem para situações
na escala humana de espaço e tempo falhavam para explicar situações que eram muito pequenas, muito massivas, ou
que se moviam a velocidades muito elevadas. Uma visão do universo que havia sido imposta por observações
comuns estava sendo desafiada por observações e teorias que previam corretamente onde a mecânica clássica havia
dado resultados impossíveis. Mas a figura que emergia era a de um universo que se recusava a comportar-se de
acordo com o senso comum humano.
Nas grandes escalas a teoria da relatividade dizia que o tempo não passa à mesma proporção para todos
observadores, que a matéria poderia se converter em energia e vice-versa, que dois objetos, se movendo a
velocidades maiores que a metade da velocidade da luz, não poderiam se aproximar a uma velocidade que excedesse
aquela da luz, que o tempo progride a taxas menores próximo a corpos massivos, etc. As coisas não funcionavam da
maneira que as experiências com réguas e relógios aqui na terra haviam levado os humanos a esperar.
Nas pequenas, as maravilhas eram ainda mais abundantes. Um fóton ou elétron não têm nem uma posição nem uma
trajetória entre os pontos onde são emitidos e onde são detectados. Os pontos onde tais partículas podem ser
detectadas não são onde alguém esperaria que fosse baseado nas experiências cotidianas. Com uma pequena
probabilidade, o ponto de detecção pode até mesmo ser do outro lado de uma barreira sólida. A probabilidade é um
fator saliente nas interações nessa escala. A trajetória de qualquer objeto de escala atômica é imprecisa no sentido de
que qualquer medida que faça