Apostila de Macroeconomia
10 pág.

Apostila de Macroeconomia


DisciplinaEconomia para Administradores5 materiais60 seguidores
Pré-visualização2 páginas
A P O S T I L A D E 
MACROECONOMIA 
Proj. Msc Thiago R. Fabris 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
2013 
1 \u2013 CONTABILIDADE SOCIAL 
 
A contabilidade social é composta por um conjunto de instrumentos de mensuração 
do comportamento da economia de um país em determinado período de tempo: 
quanto se produziu, quanto se consumiu, quanto se investiu, quanto se vendeu e/ou 
comprou do exterior, etc. A partir da produção de estatísticas sistematizadas sobre 
variáveis agregadas, é possível a verificação empírica das proposições teóricas 
derivadas da Macroeconomia. 
 
 
1.1 - Fluxo Circular da Renda 
 
O fluxo circular de renda mostra o fluxo contínuo de bens (mercadorias e serviços) e 
fatores de produção, entre empresas (unidades produtivas) e famílias (unidades 
consumidoras e detentoras dos direitos de propriedade sobre as firmas) tendo em 
contrapartida um fluxo de pagamentos a bens (preço pago pelas mercadorias e 
serviços) e a fatores de produção (salários alugueis, etc...) entre estas mesmas 
unidades. A partir deste sistema, podemos avaliar o resultado da atividade econômica 
de um país sob três óticas: Ótica do produto e da despesa, que olham para a produção 
de bens finais na economia e a venda de tais bens, e ótica da renda, que foca sobre a 
remuneração dos fatores de produção (salários, juros, aluguéis e lucros). 
 
 
1.2 Formas de Mensuração do Produto 
 
O produto agregado é a soma de todos os bens e serviços finais produzidos no país 
por residentes e não residentes. Ou seja, 
 
A medida mais utilizada do produto agregado nas contas nacionais é o Produto Interno 
Bruto (PIB) ou o Produto Nacional Bruto (PNB). PNB é a renda gerada pelos cidadãos de 
um país. Inclui a renda ganha no estrangeiro, mas não inclui a renda auferida pelos fatores 
de produção existentes no país, que são de propriedade estrangeira; PIB é a renda auferida 
internamente. Inclui a renda ganha internamente por estrangeiros, mas não inclui a renda 
ganha pelos cidadãos do país no estrangeiro. 
 
 
A renda liquida enviada ao exterior (RLEE) é dada pela diferença entre a renda enviado ao 
exterior (REE) e a renda recebida do exterior (RRE): 
 
Quando REE > RRE \uf0e0 PIB > PNB, países em desenvolvimento; 
Quando REE < RRE \uf0e0 PIB< PNB, países desenvolvidos; 
 
O PIB/PNB, quando medido a preço de mercado, considera os impostos e não leva em 
conta os subsídios e transferências ao setor produtivo e as famílias; 
 
 
 
A renda/produto bruto e a renda/produto liquido se diferenciam pelo aspecto da depreciação 
a que estão sujeitas. 
 
 
Uma das noções fundamentais da contabilidade social é a identidade básica: produto \u2261 
renda \u2261 dispêndio. Essa identidade significa que o valor do produto gerado na economia 
em um determinado período de tempo será idêntico à soma das remunerações pagas a todos 
os fatores de produção, e ao valor de todos os bens e serviços que não foram destruídos ou 
utilizados como insumo na produção naquele período. Logo, é possível avaliar o produto de 
uma economia em um determinado período, pela ótica do dispêndio, ótica do produto ou 
ótica da renda. 
A ótica da despesa ou ótica do dispêndio avalia o produto de uma economia considerando a 
soma dos valores de todos os bens e serviços produzidos no período que não foram 
destruídos (ou absorvidos como insumos) na produção de outros bens e serviços. 
Pela ótica do produto, a avaliação do produto total da economia consiste na consideração do 
valor efetivamente adicionado pelo processo de produção em cada unidade produtiva. 
E pela ótica da renda, podemos avaliar o produto gerado pela economia num determinado 
período de tempo, considerando o montante total das remunerações pagas a todos os fatores 
de produção nesse período. 
 
Questão Enade \u2013 2009 
 
 
 
 
1.3 Balanço de Pagamentos 
 
O Balanço de Pagamentos registra todas as transações econômicas (comerciais e 
financeiras) do país com o exterior. Tal registro permite a avaliação, quantitativa e 
qualitativa, da situação econômica do país com relação à economia mundial. 
O balanço de pagamentos registra todas as transações entre residentes e não residentes de 
um país num determinado período de tempo. Definem-se como residentes de um país todas 
as pessoas, físicas ou jurídicas, que tenham esse país como seu principal centro de interesse. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Estrutura do Balanço de Pagamentos 
1. Balança comercial: 
 1.1 Exportações 
 
 
 1.2 Importações 
 
 
2. Balança de serviços 
 2.1Transportes: fretes, seguros, etc 
 
 
 2.2 Turismo e viagens internacionais 
 
 
 2.3 Rendas de capital: remessa de lucros, lucros reinvestidos, juros 
 2.4 Serviços governamentais 
 
 
 2.5 Diversos 
 
 
3. Transferências Unilaterais 
4. Saldo do balanço de pagamentos em transações correntes (1 +2 +3) 
5. Movimento de capitais 
5.1 Investimentos diretos 
5.2 Reinvestimentos 
5.3 Empréstimos e financiamentos 
5.4 Amortização de empréstimos 
5.5 Capitais de curto prazo 
5.6 Outros capitais 
6. Erros e emissões 
7. Saldo total do balanço de pagamentos (4 + 5 + 6) 
8. Transferências compensatórias 
 8.1 Variação das reservas 
 8.2 Operações de regularização 
 8.3 Atrasados 
 
 
 
 
 
Déficits no balanço de pagamentos em transações correntes devem ser compensados por 
superávits no movimento de capitais. Caso o resultado desse movimento seja insuficiente 
para cobrir o déficit, tem-se um saldo deficitário no balanço de pagamentos, que deverá ser 
compensado (registro no grupo transações compensatórias) pela redução de reservas do 
país, ou por meio de empréstimos de regularização, ou ainda pelo lançamento de atrasados 
(declaração de moratória). 
Enade 2006 
 
 
2 \u2013 MACROECONOMIA 
 
Define-se Macroeconomia como a parte de ciência econômica que focaliza o 
comportamento do sistema econômico como um todo. O grande objetivo é estudar as 
grandes relações entre os agregados econômicos, tais como: renda nacional, nível de 
emprego, inflação, consumo, poupança, investimento, etc... 
 
2.1 \u2013 Classificação e Objetivo das Políticas Macroeconômicas 
 
A existência de políticas econômicas, ou a discussão sobre elas traz implícita a 
admissão de que existe intervenção do Estado na economia. A maneira como ela se dá 
é objeto de intermináveis discussões, nas quais as principais diferenças referem-se à 
profundidade e instrumentos. Apesar do tamanho da controvérsia, há consenso de que 
a atuação do Estado é indispensável para o funcionamento da economia. Mesmo os 
mais ferrenhos defensores do livre mercado concordam que não há possibilidade de a 
economia funcionar sem que haja alguma ação governamental além das tradicionais 
funções de administração da justiça, segurança e educação. 
2.1.1 \u2013 Classificação das Políticas 
 
De modo geral pode-se classificar as políticas econômicas em quatro grandes grupos 
e seus respectivos desdobramentos: 
1) Política Fiscal\u2028 
\u2022 Política Tributária 
\u2022 Gastos Públicos 
2) Política Monetária\u2028 
\u2022 Depósito Compulsório\u2028 
\u2022 Mercado Aberto 
\u2028 \u2022 Assistência Financeira de Liquidez 
\u2022 Crédito 
3) Política Externa 
\u2022 Cambial 
\u2028 \u2022 Comercial 
4) Política de Rendas 
\u2022 Preços\u2028 
\u2022 Salários 
2.1.2 \u2013 Objetivos das Políticas 
 
Os objetivos gerais a serem alcançados pelas políticas econômicas confundem- se 
com os próprios objetivos da sociedade: 
1)