RELATÓRIO ACADÊMICO VISITA NA ESCOLA

@didatica-e-praxis-pedagogica-ii UFBA

Pré-visualização

� PAGE   \* MERGEFORMAT �12�






UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA 

DIDÁTICA E PRÁXIS PEDAGOGICA I









RELATÓRIO ACADÊMICO

ASSOCIAÇÃO ALECRIM






ALUNOS:	










SALVADOR – BA

2010.1
�

SUMÁRIO




1. APRESENTAÇÃO.........................................................................................3
2. ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PELO GRUPO.....................................3
3. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL	.................................................................4
4. AVALIAÇÃO PEDAGÓGICA....................................................................5    

5. AUTOAVALIAÇÃO	.................................................................................10
�
1. APRESENTAÇÃO


Produto de um trabalho de avaliação da disciplina Didática e Práxis Pedagógica I, este relatório acadêmico tem como objetivo principal, um primeiro contato da equipe com a práxis pedagógica através da análise do processo pedagógico de uma organização não-governamental e sem fins lucrativos, a Associação Alecrim. Pois ainda não tínhamos, até fazermos o trabalho, qualquer tipo de contato com o processo educacional, visto da perspectiva de um profissional da educação. 

Em relação à prática pedagógica, focamos nosso trabalho no reforço escolar, uma das várias atividades oferecidas pela ONG avaliada. Escolhemos essa atividade por estar mais próxima da educação institucional – convencional - já que os assuntos abordados são os mesmos dados em sala de aula. Procuramos identificar o perfil dos educadores, se há diferenças entre estes e os professores de instituições formais de ensino, no que se refere à formação acadêmica, e quais a suas perspectivas em relação à educação alternativa. 

	Além disso, o relatório traça o perfil pedagógico de uma organização formada por membros uma de comunidade específica, o que nos ajuda a entender como ações coletivas e voluntárias podem contribuir para a educação do indivíduo e na formação de sua consciência cidadã. 


2. ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PELO GRUPO


Para a escolha da organização que iríamos trabalhar, levamos em conta o conhecimento e envolvimento de um dos membros da equipe, que nos indicou a Associação Alecrim. 	

Pelo fato do nosso foco estar relacionado na prática pedagógica e não no resultado desta prática, decidimos entrevistar os professores e a coordenação, não tivemos contato com os alunos. Por isso, fizemos duas visitas à Associação. Nestas visitas, coletamos as informações necessárias para o conhecimento da ONG, suas atividades e seu projeto pedagógico. 

Depois de feita a coleta das informações, iniciamos a elaboração do relatório, seguindo o roteiro estabelecido pela docente Jamile Borges da Silva, que ministra a disciplina Didática e Práxis Pedagógica I.

Para fazermos a autoavaliação da equipe em relação ao trabalho, discutimos as questões levantadas, respondendo-as individualmente.  

3. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


Com a finalidade de “responder, de modo mais organizado, estável e concreto, aos desafios” da realidade do Bairro da Santa Cruz e arredores, a Associação Alecrim foi criada no ano de 2003. Ela é parte de uma longa trajetória de serviços comunitários em prol da educação, motivados pela igreja católica no bairro, desde fins da década de 60, principalmente através do serviço missionário. 
Neste período foram criados no bairro dois centros comunitários, o da Paróquia de Santo André e o Centro Comunitário Cristo Redentor (hoje também Paróquia). A iniciativa foi liderada pela missionária leiga italiana Ana Sironi, que chegou a cidade em 1965, no arcebispado de Dom Eugênio Sales. Estes centros foram o ponto de partida.

A amizade nascida do encontro nesses espaços proporcionou a alguns membros da comunidade a oportunidade de refletir coletivamente, sobre as dificuldades, demandas e diferentes aspectos de sua própria realidade. Foi percebida a “falta de espaços para a socialização e uma desarticulação entre os movimentos sociais existentes. Essa ausência contribui para a redução da possibilidade do entendimento e do diálogo.”

 É dessa experiência que nasce a iniciativa de criar a associação. Por conceber que “todo ser humano precisa de espaços afetivos e sociais para o estabelecimento de relações de amizade, para a construção e transformação de suas vidas”, a associação empenha-se na criação desses espaços, como tentativa de minimizar a violência decorrente do distanciamento entre os moradores, o que propicia a formação de gangs. 
Escolhendo como campo de atuação a educação por conta da própria história, sensibilidade e desejo dos próprios paroquianos, estes espaços, alguns com a construção ainda em andamento, promovem atividades, cursos de formação, entretenimento voltados para públicos diversificados e iniciativas educacionais como escolas de educação infantil e reforço escolar, sem fins lucrativos.

Para construir e manter os espaços, financiar e realizar as atividades, a associação conta com a colaboração das pessoas que estão em posição de liderança, estas, realizam eventos (bingos, festas, bazar...) para angariar fundos; dos comerciantes locais, que contribuem financeira ou materialmente; dos membros da comunidade, que adotam parte da obra, assinam um carnê de colaboração, ou oferecem serviços e contribuições de amigos e instituições de fora do país. 
Esse contato com outros países, principalmente com a Itália, é viabilizado pelo principal idealizador da Associação, o Arcebispo de Paulo Afonso Dom Guido Zendron. Italiano da cidade de Lisignago, o atual bispo, foi vigário paroquial da Paróquia de Santo André e da Paróquia Cristo Redentor. 
Dom Guido também exerceu importantes funções ligadas ao âmbito educacional, como a de coordenador da Pastoral Catequética, membro da Comissão Estadual para o Ensino Religioso, responsável pela Pastoral da Educação e responsável pelos estudantes do Movimento Comunhão e Libertação no Brasil. O Bispo ingressou no movimento Comunhão e Libertação (CL) ainda na Itália, chegou em Salvador em 1994 e é  hoje uma grande referência do movimento no Brasil. 
Essa relação com o CL, estabelecida por meio dele, nas comunidades do Vale das pedrinhas, Nordeste e Santa Cruz é responsável pela escolha do projeto pedagógico e filosófico. 
A filosofia do projeto pedagógico da Associação Alecrim é baseada no pensamento de Dom Luigi Giussani (1922-1995). Nascido na Itália, Dom Giussani, ainda muito jovem, entrou para o seminário de Milão, durante a sua vida conciliou suas atividades religiosas às atividades educativas. Desde o seminário, já exercia a profissão de professor. 
Sua atividade de pesquisa está centrada no problema da educação, principalmente dos jovens.  “A idéia fundamental de uma educação voltada para os jovens vem do fato de que através deles se reconstrói uma sociedade; por isso, o grande problema da sociedade é, antes de mais nada, educar os jovens [...]”  (GIUSSANI apud SANTOS, 2009, p. 183)� 	

Como educador, Dom Giussani propõe a “educação para a libertação”, e é esse pensamento que a Associação Alecrim traz como base do seu projeto pedagógico. Somente com a educação as crianças e jovens estarão livres das mazelas sociais e poderão construir uma sociedade mais justa e humana.  


4. AVALIAÇÃO PEDAGÓGICA


A Associação Alecrim, como já foi dito, promove diversas iniciativas abertas a toda comunidade e voltadas a públicos diversificados:
	ESPAÇOS
	LOCAL
	CURSOS
	PÚBLICO
	RECURSOS

	CENTRO COMUNITÁRIO PE. MÁRIO VERONESI
	VALE DAS PEDRINHAS-SSA - BA
	CAPOEIRA

REFORÇO ESCOLAR

ARTESANATO

DANÇA DE SALÃO

CORAL

CULINÁRIA
	CRIANÇAS

JOVENS E ADULTOS
	DOAÇÕES

	CENTRO EDUCATIVO SANTA MADRE PAULINA
	SANTA CRUZ – SSA-BA
	ESCOLA DO MATERNAL À 2º SÉRIE DO FUNDAMENTAL - I
	CRIANÇAS
	DOAÇÕES

	CENTRO NOSSA SENHORA DA GRAÇA
	NORDESTE DE AMARALINA – SSA - BA
	REFORÇO ESCOLAR


	CRIANÇAS
	DOAÇÕES

	CENTRO COMUNITÁRIO