A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
25 pág.
CITOCINAS

Pré-visualização | Página 1 de 4

CITOCINAS
 O que são citocinas?
São proteínas que modulam a função de outras células ou da própria célula que as geraram. São produzidas por diversas células, mas principalmente por linfócitos e macrófagos ativados, sendo importantes para o controle da resposta imune.
As citocinas dependem da ligação com receptores específicos da membrana celular para desempenharem sua função. Normalmente, há a necessidade da ação de mais de uma citocina para uma resposta imune, por isso elas agem em conjunto, formando uma rede complexa, na qual a produção de uma citocina influenciará a produção ou resposta de outras.
- Glicoproteínas não antígeno específicas
- Comanda a resposta imune inata e adaptativa
- Comanda resposta inflamatória (inata)
- Crescimento e diferenciação celular (mudança de expressão do gene)
- Angiogenese (formação dos novos vasos)
- Hematopoiese
- Quimiotaxia
Função
Regular a duração e intensidade das respostas especificas;
Recrutar células efetoras para as áreas onde se desenvolvem respostas e induzir a geração e maturação de novas células a partir de precursores.
As citocinas são produzidas durante a fase de ativação e fase efetora da imunidade para mediar e regular a resposta inflamatória e imunitária. Têm uma vida média curta. Estas só estimulam as células com receptores específicos na membrana da célula alvo, têm uma ação extremamente potente. São moléculas pleiotrópicas (podem atuar sobre muitos tipos celulares diferentes). São também redundantes (várias citocinas podem efetuar as mesmas ações).
As citocinas podem induzir efeitos diferentes sobre as mesmas células alvo de forma separada no tempo ou simultaneamente. Podem também influir na ação de outras citocinas de forma antagônica ou sinérgica.
Citocina da resposta imune inata célula que a secreta é uma célula imune inata
LTCD4+ é a principal celular secretora de citocina
LTHelper se diferenciará em LTH1 (para resposta celular) ou LTH2 (para resposta humoral) dependendo do comportamento do invasor apresentado pela célula dendrítica. 
Categoria das Citocinas
Citocinas podem ser agrupadas em diferentes categorias baseadas nas suas funções ou suas origens mas é importante lembrar que devido ao fato de elas poderem ser produzidas por muitos tipos diferentes de células e agirem em muitos tipos diferentes de células, qualquer tentativa de categorizá-las será sujeita a limitações.
Mediadores e reguladores da Imunidade Inata
Mediadores e Reguladores da Imunidade Adquirida
Estimuladores da Hematopoiese 
PRINCIPAIS CITOCINAS MEDIADORAS NA IMUNIDADE INATA
TNF – ALFA (FATOR DE NECROSE TUMORAL)
LT, NK, mastócito e Macrófago (TLR)
Alfa = induz apoptose ou inflamação. Principal mediador da resposta inflamatória aguda
Produzida por fagócitos mononucleares ativados, NK e mastócitos em resposta a antígenos bacterianos (LPS)
Estimulam neutrófilos e monócitos a migrarem para o sítio de infecção
Principal citocina pró-inflamatoria – localmente, na inflamação, é secretado pelo macrófago
É uma citocina envolvida em inflamações sistêmicas e é um membro de um grupo de citocinas que estimulam a reação de fase aguda. O fator de necrose tumoral causa a morte apoptótica da célula, proliferação celular, diferenciação, inflamação, combate tumores e replicação viral. 
Atuam via receptores TNF e são parte da via extrínseca para provocar apoptose. Os receptores TNF estão associados com pró-caspases através de proteínas adaptadoras que clivam outras pró-caspases inativas e desencadeiam a cascata de caspases, irreversivelmente induzindo a célula para a apoptose. TNF interage com células tumorais para desencadear a citólise ou morte celular. TNF interage com receptores em células endoteliais, o que leva a um aumento da permeabilidade vascular permitindo que os leucócitos acessem o local de infecção. Este é um tipo de resposta inflamatória localizado, apesar de a libertação sistêmica levar a choque séptico e morte.
Induz a expressão de moléculas de adesão pelas células do endotélio vascular, permitindo assim a migração de células para os tecidos
Induz macrófagos e células endoteliais a produzirem quimiocinas 
Induz a produção de IL-1 por fagócitos momonucleares 
Quando produzido em larga escala, em infecções severas, leva a alterações patológicas severas
Induz aumento da temperatura corporal no hipotálamo
Aumenta a síntese de proteína amilóide A e fibrinogênio pelos hepatócitos (proteínas de fase aguda)
Altas quantidades: perda de tônus muscular, bradicardia, trombose vascular, hipoglicemia
3
2
1
Quimiocinas = atrativas. 
Selectinas do endotélio = atração 
 (diminui a velocidade do neutrófilo) 
 para através da presença das integrinas do endotélio 
 vai esbarrando em coisas e vai achar o padrão para se ligar. O TNF – alfa ativa o neutrófilo = aumenta sua capacidade microbicida = EROs 
 depois que mata a bactéria usa as hidrolases. Neutrófilo exacerba = morre pelo excesso de EROs. 
Febre. Começa a aumentar o metabolismo basal das células = produzem mais substâncias = isso é bom num primeiro momento. Com as citocinas inflamatórias há um aumento da hematopoese. Mas há também aumento do metabolismo das bactérias. Já, as infecções virais, não são favorecidas por esse aumento de temperatura. No fígado = proteínas de fase aguda induzidas por citocinas pró inflamatórias. O TNF alfa e a IL-1 ativam a produção da 
proteína milóide A = papel pró inflamatório
.; além disso é produzido o 
fibrinogênio
 
 processo de coagulação = reparo. Pela IL-6 é estimulado a PCR (proteína C reativa) = em inflamação aguda = importante na clínica. PCR = opsonina inespecífica = gruda em qualquer célula que se deixar grudar, “facilita a fagocitose”. 
3) S
epse = Bacteremia + Síndrome da Resposta Inflamatória Sistêmica. Eventos de alta concentração repercute em diversos órgãos. Começa a diminuir o sangue na periferia = mudança vascular = perda do tônus da musculatura vascular lisa = vasodilatação + aumento da permeabilidade vascular = choque. Induzido por uma bacteremia que levou a uma resposta de citocinas inflamatórias. O TNF alfa no vaso vai inibir a presença de trombomodulina = anticoagulante potente = pró-coagulante 
 por isso vai começar a fazer trombos = favorece o quadro de coagulação intravascular disseminada (CIVD). Além disso, há anorexia = só se alimenta paraenteral = consome toda a glicose do corpo = inclusive do fígado = evolui para caquexia = desgaste metabólico intenso inerente ao consumo da glicose das reservas de energia = muito em paciente oncológico. Consome do fígado 
 consome tecido adiposo 
 consome reservas do músculo esquelético. 
TNF + IL6 + IL1 Choque Séptico – Endotóxico
No local da inflamação a célula faz diapedese através das células de adesão e indução de IL1, presença de quimiocinas (quimioatrativas) para que as células saibam para onde devem ir. 
Redução da perfusão tissular mediante a depressão do miocárdio
Redução da pressão sanguinea e da perfusão tissular pelo relaxamento do tônus da musculatura lisa vascular. 
Indução da trombose intravascular
Indução de distúrbios metabólicos severos, como queda nas concentrações de glicose sanguínea; 
TNF alfa = ativação de neutrófilos
Em médias quantidades funcionam como pirógenos, determinam a indução da febre, proteínas de fase aguda da inflamação (fibrinogênio e amiloide A). Agem também aumentando a hematopoiese
Em grandes quantidades = perda da resistência da musculatura lisa vascular, diminuição do debito cardíaco. Inibe trombomodulina
Caquexia (desgaste metabolinco severo)
Sepse = Bacteremia + SRIS (Síndrome da Resposta Inflamatória Sistêmica)
A interleucina 1 (macrófago, células endoteliais e epiteliais) vai ter efeitos autócrinos e parácrinos (células endoteliais e LT); e de efeito endócrino (hipotálamo e fígado). 
Interleucina 6 (macrófago, células endoteliais e LT) = resposta a estímulos mediados pela IL-1 e TNF; indução de proteínas plasmáticas de fase aguda – hepatócito.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.